Buscar

Minhocas unem produção animal e sustentabilidade

quarta-feira, dezembro 05, 2018

Conhecimento transformador: alunos Pedro e Welber aproveitam iniciativa da professora Sheila para embasamento prático.

A criação de minhocas pode ter várias finalidades, dentre elas, a produção do húmus, que é um excelente adubo orgânico ou a comercialização de iscas para a pesca. A minhocultura é uma opção viável também para o oeste paulista, uma região caracterizada por solos arenosos (carentes em nutrientes) e que possui um grande número de pesqueiros. Diante disso, o curso de Zootecnia da Unoeste conta com um minhocário, espaço destinado ao desenvolvimento de projetos e estudos na área.

De acordo com a professora Dra. Sheila Merlo Garcia Firetti, responsável pelo setor, a universidade adquiriu minhocas selecionadas geneticamente, que produzem mais e melhor, especificamente da espécie Eisenia andrei, conhecida como Vermelha-da-Califórnia. “Inicialmente, aproveitamos os resíduos gerados pela bovinocultura de leite do Centro Zootécnico da Unoeste, localizado no campus II. Esse esterco é pré-curtido para atingir os níveis de pH e temperatura ideais e depois é servido como alimento para as minhocas”.

Ela explica que o produto da digestão das minhocas é chamado por húmus, que possui excelente valor nutricional. “Utilizamos esse material orgânico no viveiro de mudas e na horta da universidade. Constatamos que ele contribuiu com a fertilização do solo e, consequentemente, a melhor produção de legumes e verduras”.

Sheila destaca que por meio dessa iniciativa foi possível tirar 100% de proveito dos resíduos gerados pela produção leiteira, obtendo-se um produto de ótima qualidade. “O próximo passo será a realização de testes de germinação e de indicadores qualitativos do húmus produzido, avaliando se ele poderá substituir integralmente o adubo químico. Além disso, a nossa intenção é avaliar outros tipos de esterco como o de ovinos, suínos e aves”.

Para a pesquisadora, a minhocultura possibilita agregar produção animal e sustentabilidade. “Pensando nos produtores, eles conseguirão solucionar o problema de eliminação dos dejetos, reduzindo também os custos com adubação química, utilizando o húmus produzido pelas minhocas”. Outra alternativa é fazer dessa atividade uma fonte de renda extra. “É possível também comercializar o próprio húmus ou até mesmo as minhocas que se reproduzem com grande facilidade como iscas vivas para pesca”.

Húmus produzido no minhocário foi aplicado na horta da universidade

Aquisição de conhecimento  
 
Sheila pontua que o minhocário proporciona aos acadêmicos um embasamento prático diferenciado. “Juntos, identificamos os problemas e necessidades e trabalhamos para conquistar melhores condições de trabalho no setor”. Quem também visualiza a relevância desse engajamento são os estudantes Welber Jonathas Araújo de Almeida, 26, e Pedro Paulo Pires Sampaio, 19, ambos do 3º termo de Zootecnia.

Almeida conta que sempre gostou de produção rural e visualizou na Zootecnia da Unoeste, a chance de se qualificar atrelando as áreas animal e agrícola. Bolsista do Programa Universidade para Todos (Prouni), está há mais de 1,6 mil km de casa, já que mora na cidade de Palmas, capital do Tocantins. “O curso é muito bom e a infraestrutura da instituição é excelente, aspectos que contribuem bastante para o meu aprendizado”.

Sobre a experiência no minhocário, destaca que está sendo muito positiva. “Já realizamos algumas ações e desenvolvemos um manejo que nos proporcionou material suficiente para concretizar pesquisas que podem ampliar o nosso conhecimento”.

Da cidade de Pereiras (SP), há 432 km de Presidente Prudente (SP), Pedro Paulo Pires Sampaio acredita que o ensino superior pode oportunizar a realização profissional. “Apesar de morar na cidade, sempre tive contato com o meio rural, por conta dos meus familiares. Essa afinidade me motivou a cursar técnico em agropecuária na cidade de Itapetininga (SP) e, foi lá, que um professor me indicou a Unoeste. Fiz a inscrição para uma bolsa no Prouni e fui selecionado para estudar aqui”.

Ele conta que não se arrepende em nada pela sua escolha. “Estou gostando muito do curso e fiquei surpreso com a qualidade da graduação e a dedicação dos professores, que são muito prestativos com a gente”. Cita ainda, a chance de se envolver em vários projetos desenvolvidos pelo curso, como é o caso do minhocário. “Estava querendo participar em ações da área e um colega me convidou. Já tive contato com minhocas no curso técnico, mas o meu conceito sobre produção de húmus e as minhocas evoluiu com a experiência na universidade. Além do mais, temos planos para estudos científicos e isso me anima muito”.


Fonte: Unoeste
Fotos: Gabriela Oliveira

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página