Buscar

“Será preciso um passaporte verde para continuar exportando”, diz CEBDS

terça-feira, setembro 28, 2021





Com a questão climática entrando aceleradamente na agenda das empresas brasileiras e o acesso ao capital externo precisando ficar cada vez mais condizente com metas de sustentabilidade, o agronegócio precisará de um "passaporte verde" para continuar exportando seus produtos para o mercado global. A afirmação foi feita, mesta segunda-feira (29/7), pela presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi.

Ela fez a declaração em entrevista coletiva, concedida no dia em que o grupo empresarial enviou uma carta enviada a Alok Sharma, presidente da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), que será em novembro, em Glasgow, na Escócia. No documento, os empresários mostram as potencialidades brasileiras para a nova economia verde global.

“O Brasil precisa mostrar isso em Glasgow, o comprometimento do setor empresarial, o que já está sendo feito. Estamos aptos para continuar recebendo aporte dos investidores. E para o agro, será preciso um passaporte verde para continuar exportando”, disse Marina.

Ela mencionou ainda a biodiversidade, matriz energética limpa e produção com preservação na Amazônia como exemplos do que já é praticado. “Além dessas vantagens comparativas, temos a facilidade única de, sem tecnologias novas, chegar até 2050 com emissão líquida zero e cumprir o Acordo de Paris”, disse ao referir-se à agropecuária sustentável.

O agronegócio brasileiro, além de vender para o mercado externo, tem um grande potencial de se tornar referência na agenda verde a partir da agricultura de baixo carbono. Todavia, aos olhos do mercado externo, o desmatamento segue sendo o problema, já que somente a mudança no uso da terra é responsável por 48% das emissões de GEE e, segundo Marina, 98% se deve ao desmatamento ilegal.

Este é o maior desafio do CEBDS, já que a supressão de vegetação em diferentes biomas vem batendo recordes nos últimos anos. Assim, Marina Grossi defende que mais políticas públicas são necessárias para aterrissar a aptidão brasileira no solo e no dia-a-dia dos brasileiros.

Como exemplo, a presidente do CEBDS cita o Plano ABC (agricultura de baixo carbono), mas admite que os recursos para o programa no Plano Safra são baixos. Isso reflete no mercado voluntário de carbono - tratado no  Artigo 6º do Acordo de Paris e que deve ser o principal tema da COP26 - já que o produtor rural que quiser aderir ao ABC pode, voluntariamente, pedir este empréstimo, mas ainda com um teto baixo de investimento.

“Precisamos definir como será a futura regulamentação de um mercado de carbono, qual a trajetória ano a ano para chegar a emissão zero, quais são nossas soluções baseadas na natureza, considerar o risco climático na gestão das empresas”, cita, ao resumir pontos que o País ainda precisa planejar e esclarecer antes da Conferência da ONU.

Por isso, além de Alok Sharma, Marina Grossi revela que também devem receber a carta os ministros da Economia, Paulo Guedes; da Agricultura, Tereza Cristina; do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite; e das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França.

Mercados regulado e voluntário

Marina Grossi diz que, ao redor do mundo, o agronegócio não participa do mercado regulado de carbono, ou seja, aquele que é obrigatório. Mas no Brasil, ainda que seja assim, é preciso seriedade para que haja segurança jurídica para quem investe no setor.

Ela cita que o Conselho propôs um texto substitutivo ao projeto de lei 528/21, que institui o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE), visando regular a compra e venda de créditos de carbono no país. Para ela, os mercados voluntário e regulado podem coexistir, desde que o primeiro também seja bastante rigoroso.

“A maioria dos países que fizeram pacotes de green deal, com economia verde e circular, transformou políticas sociais em políticas públicas. O que chama a atenção é que mesmo que tenha aumentado os recursos para ele [Plano ABC] ainda é muito pouco”, ressalta.

Neste contexto, a presidente do CEBDS ainda comenta que o Código Florestal “precisa ser implementado, efetivado”, pois “no Brasil não falta lei boa, mas a gente precisa mostrar que o setor empresarial cumpre essas leis, e o país pode expandir esta atuação sustentável”. Segundo a entidade, o Brasil pode gerar até US$ 17 bilhões a partir de negócios com base na natureza até 2030.

Fonte: Globo Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (37) Acrocomia aculeata (77) Agricultura (297) Agricultura 4.0 (8) agriculture (1) Agroenergia (130) Agroindústria (32) Agronegócio (252) Agropecuária (58) Água (22) Àgua (1) Alimentação Saudável (22) Alimentos (367) Amazônia (77) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (93) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (451) Biodefensivos (10) Biodiesel (346) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (15) Bioeconomia (126) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (211) Biofertilizantes (12) Biofuels (104) Bioinsumos (19) Biomas (3) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (27) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (3) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (86) BNDES (2) Bolsa de Valores (35) Brasil (101) Brazil (29) Cadeia Produtiva (17) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (7) Carbono Neutro (9) Carbono Zero (20) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (6) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (16) Cerrado (25) Chuvas (10) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (415) Clima e ambiente (288) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (105) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (48) Consciência Ecológica (26) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (16) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (48) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (2) Curso (14) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (5) Desenvolvimento Sustentável (206) Desmatamento (12) Diesel (21) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (100) Economia Circular (14) Economia Internacional (126) Economia Sustentável (5) Economia Verde (176) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (13) Emissões de Carbono (63) Empreendedorismo (8) Empresas (170) Energia (105) energia limpa (17) Energia Renovável (257) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (26) Estudo (2) Etanol (84) Europa (2) event (11) Eventos (176) Exportações (94) Extrativismo (63) FAO (7) Farelos (46) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (30) Floresta plantada (119) Fomento (42) Food (42) food security (9) forest (1) Fruticultura (15) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (9) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (202) Instituição (1) Insumos (7) Investimento (8) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (14) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (56) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (599) Madeira (23) Mamona (1) Manejo (2) Manejo e Conservação (114) MAPA (35) Máquinas e equipamentos (2) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (313) Melhoramento e Diversidade Genética (78) Mercado (4127) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (52) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (24) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (50) Mudanças Climáticas (56) mudas (3) Mundo (174) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (11) Oil (51) Oleaginosas (105) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (3) ONGs (1) ONU (19) Oportunidade (8) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (32) palmeiras (4) Paris Agreement (94) Pecuária (92) Pegada de Carbono (105) Personal Care (3) Pesquisa (87) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (6) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (87) Política Ambiental (4) Políticas (1) políticas públicas (2) Preços (73) Preservação Ambiental (56) Produção Agrícola (11) Produção Animal (9) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (73) Produção vegetal (13) Produtividade (61) Produtos (150) Proteção Ambiental (16) proteína vegetal (28) Qualidade (3) Qualidade do Ar (4) químicos verdes (1) reciclagem (2) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (35) regulamentação (3) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (75) Report (2) Research and Development (12) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (8) Safra (5) Saúde e Bem-Estar (135) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (166) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (6) silvicultura (3) Sistema Agroflorestal (41) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (96) Solos (57) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (673) Tecnologia (64) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (271) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página