Buscar

Bioeconomia contra o desmatamento

sexta-feira, julho 10, 2020

A bioeconomia é sustentável e circular

“É possível constituir um modelo moderno de desenvolvimento regional e que sustente a reputação brasileiro de preservador do meio ambiente, sem desmontar um parque industrial diversificado e sofisticado”.

É bem-vinda a boa repercussão de grandes investidores internacionais e nacionais contra o desmatamento que se acelera no Brasil. A questão ambiental precisa entrar na ordem do dia dos negócios, nas decisões de investimentos produtivos e financeiros, na oferta de crédito e nos acordos comerciais internacionais.

O Brasil tem ativo ambiental suficiente para ser a grande nação vencedora desta estratégia. Quando se fala em desmatamento, os olhares se voltam para a Floresta Amazônica. Contudo, vale lembrar duas coisas: primeiro, que há o bioma Amazônia que envolve outros países e vários estados brasileiros. Ele compreende 6,9 milhões de Km2, sendo que 61% dele está em território nacional, ou seja, 4,1 milhões de Km2. São imponentes 50% de todo o território brasileiro. Outros biomas, como o da Mata Atlântica e do Cerrado, são de grande importância em termos de biodiversidade e de dimensões, correspondendo, ambos, por 33% do território nacional. Contudo, 90% do bioma Mata Atlântica já foi destruído; é onde se concentra mais de 70% da população brasileira. O bioma Cerrado contém três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul, além de sua exuberante biodiversidade. Ou seja, não estamos falando apenas de fauna ou flora, quando o assunto é ambiental.

Mapa do desmatamento

Quando se olha o mapa do desmatamento recente observado no país, motivo de alerta global, fica evidente a associação com o tipo de atividade econômica ali praticada. Extrativismo e agropecuária arcaica dominam a região desmatada. Vale o registro de que o agronegócio moderno tem sido desenvolvido com altas taxas de crescimento de produtividade e com baixo nível de impacto ambiental.

Desde que se iniciou o franco processo de modernização do campo, nos anos 1970, a área plantada cresceu 32%, enquanto a produtividade cresceu quase 400%, graças à pesquisa e inovações. O Brasil se tornou um dos principais players internacionais do agronegócio sem promover desmatamento. Como disse recentemente a ministra Tereza Cristina, o agronegócio não precisa da Amazônia para crescer. Neste debate promissor, vale o registro de que o estado do Amazonas tem 98% de sua cobertura preservada. A questão, então, poderia ser colocada de outra forma.

Como manter esse nível de cobertura sustentando o crescimento econômico e melhorando a qualidade de vida da população daquele Estado? Como não repetirmos os erros cometidos em outros biomas como o da Mata Atlântica?

Pesquisa, desenvolvimento e inovação

De fato, o agronegócio não precisa da Amazônia para crescer. Mas, o estado do Amazonas precisa da indústria para não desmatar e não repetir erros do passado. Então, a questão que se coloca passaria a ser sobre como a atividade industrial, atualmente presente no estado do Amazonas, pode ajudar ainda mais a evitar o desmatamento.

A resposta está na forma como novos polos econômicos podem ser incentivados a investir no estado. É preciso que novas atividades econômicas se desenvolvam no estado através de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação, promoção de cadeia de microempreendedores amazônicos sustentáveis e políticas de melhoria do IDH (índice de desenvolvimento humano) em praticamente todos os 62 municípios do estado. Estamos falando em investimentos na produção de fármacos, fruticultura, piscicultura, cosméticos e turismo, entre outros. Eles precisam vir com elevada agregação de valor regional, mais do que mero extrativismo de essências e frutos. São setores que podem se voltar não somente para o mercado interno, mas que podem acessar mercados internacionais sofisticados.

Amazonas, um exportador de recursos

Mas, como incentivar o ingresso desses novos polos econômicos no estado do Amazonas? Afinal, estamos falando em pesados investimentos em pesquisa e desenvolvimento atrelados à biodiversidade da região, em correção das históricas deficiências de infraestrutura, seja de transportes fluviais pelo interior do estado, seja em rodovias e estrutura portuária e em telecomunicações, entre outros.

O mais extraordinário de tudo isso é que o estado do Amazonas já é gerador de grande montante de recursos. Apenas a título de ilustração, somente a União retira por ano do estado R$ 17,3 bilhões em tributos, o estado do Amazonas retira R$ 4,7 bilhões de tributos da indústria – leia-se, Polo Industrial de Manaus (PIM) devido ao programa Zona Franca de Manaus (ZFM)- e o próprio programa repassa ao estado outros R$ 1,6 bilhão para os fundos FTI (Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas), FMPES (Fundo de Fomento às Micro e Pequenas Empresas), e a UEA (Universidade Estadual do Amazonas). Ainda há quase R$ 1 bilhão de recursos de P&D. Ou seja, o programa ZFM é gerador de grande montante de recursos. São recursos de tal monta que o estado do Amazonas figura como um dos maiores entes federados contribuintes para a União, similar aos ricos estados do Sul e do Sudeste.

Márcio Holland defende a bioeconomia como gerador de riquezas (Foto: Fieam/Divulgação)

500 mil empregos

De saída, nota-se que aqueles 98% de cobertura natural do estado do Amazonas estão associados a um polo industrial centrado em Manaus, que gera cerca de 500 mil empregos diretos, indiretos e induzidos, desincentivando, assim, a atividade extrativista mata adentro; e onde 72% dos seus trabalhadores empregados no setor industrial tem ensino médio completo, contra média nacional de 53%. O programa ZFM foi renovado para até 2073. Mas, está sob ameaça. De um lado, tem-se o discurso fácil de que ele é causador de má alocação de fatores de produção e, por conseguinte, da baixa produtividade do trabalho no Brasil. Fato é que o estado do Amazonas detém apenas 0,6% de todos os estabelecimentos industriais com 5 ou mais trabalhadores de todo o país. Confunde-se desenvolvimento regional com distorções alocativas. Imagine se o estado se voltasse para a sua dotação natural de fatores para sobreviver? Seria um verdadeiro desastre ambiental.

Gastos tributários ou ganhos efetivos? 

Da mesma forma, também recai sobre o programa a crítica de que ele custa caro. Segundo dados da Receita Federal do Brasil, a ZFM tem um gasto tributário de cerca de R$ 25 bilhões por ano. Isso equivale à 8% de todo o gasto tributário nacional. Esquecem facilmente de que esse conceito de gasto tributário é bastante frágil e carece de revisão urgente para o bem da boa orientação de políticas públicas no Brasil. Afinal, se a ZFM fosse extinta, a União não receberia grande parte daqueles R$ 25 bilhões de volta, mas muito provavelmente perderia a totalidade dos R$ 17,3 bilhões anuais, o estado do Amazonas perderia outros R$ 4,7 bilhões, além daquele R$ 1,6 bilhão e a UEA teria de fechar suas portas, imediatamente. Além de consequências negativas para o projeto ATTO, o Observatório da Torre Alta da Amazônia, e para a riqueza cultural como o Festival de Parintins, entre tantos outros.

Riquezas a partir da floresta

O programa ZFM, contudo, precisa sofrer mudanças. Mas, não por conta daquelas críticas, salvo melhor juízo, improcedentes. O programa precisa alterar a sua governança em prol de um desenvolvimento regional sustentável e sustentado, que promova a melhoria da qualidade de vida de toda a população e, ao mesmo tempo, que não cometa os mesmos erros do processo de desenvolvimento do Sul e Sudeste, que dizimou quase toda a Mata Atlântica. A mudança na governança do programa ZFM precisa caminhar na direção de se criar um ciclo virtuoso entre os recursos gerados pelo PIM e o financiamento de P&D associados com a biodiversidade regional, a formação de cadeia de microempreendedores sustentáveis amazônicos, os investimentos na infraestrutura regional e no incentivo às exportações. A solução mora ao lado. É possível constituir um modelo moderno de desenvolvimento regional e que sustente a reputação brasileiro de preservador do meio ambiente, sem desmontar um parque industrial diversificado e sofisticado. Ganha com isso todo o país.

Márcio Holland é professor na Escola de Economia de São Paulo da FGV, onde Coordena o Programa de Pós-Graduação (lato sensu) em Finanças e Economia e escreve artigos para o Broadcast quinzenalmente às quartas-feiras. Publicação do artigo autorizada pelo autor.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (49) Agricultura (104) Agroenergia (119) Agroindústria (21) Agronegócio (116) Agropecuária (35) Água (1) Àgua (1) Alimentos (286) Amazônia (20) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Biodiversidade (1) Bioeconomia (58) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biorrefinaria (1) Biotechnology (34) Biotecnologia (66) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (8) Carbonatação (1) Carbono Zero (5) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (285) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (120) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (2) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (79) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (557) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (174) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (37) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (37) Nações Unidas (1) net-zero (3) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (74) Pegada de Carbono (78) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (16) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (7) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (42) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (52) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (494) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página