Buscar

CBios começam a ser comercializados na segunda-feira (27)

sexta-feira, abril 24, 2020

USINA-BAHIA - Strider
As negociações dos CBios pela B3 começam na próxima segunda-feira (27), afirmou Miguel Lacerda, diretor do Departamento de Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), em webinar promovido pela Amcham e Agência epbr, nesta terça-feira (22). O evento virtual, que discutiu os cenários para o Programa RenovaBio pós-pandemia de coronavírus, contou com a participação do ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Aurélio Amaral e do advogado ambientalista e sócio do Tauil & Chequer Advogados, Luiz Gustavo Bezerra.
Assim como um papel financeiro, as negociações dos créditos de carbono serão feitas em mercado de balcão por corretoras.  De acordo com Lacerda, a disponibilidade de CBios provavelmente não será a mesma de uma pré-crise COVID-19, devido a isso, a meta atual de comercializar 28,7 milhões de CBios neste ano, deverá ser revisada. “A oferta de CBios para 2020 já estava garantida, mas com a crise, não teremos nem a venda de combustíveis suficientes. Nos anos seguintes, as metas decenais continuarão”, contou.
RenovaBio já possui 122 produtores de biocombustíveis certificados
Até o momento, o RenovaBio possui 122 produtores de biocombustíveis certificados e aptos a emitir pré-CBIOs com lastros validados pela “Plataforma CBIO”, objeto de contrato ANP/Serpro. Desse total, 110 são produtores de etanol, 11 de biodiesel e um de biometano, o que já traduz o expressivo alcance do programa na indústria dos biocombustíveis.

Atualmente, existem 10 firmas inspetoras credenciadas pela ANP autorizadas a realizarem o processo de Certificação da Produção Eficiente de Biocombustíveis, cujo objetivo é realizar a avaliação das emissões de gases geradores de efeito estufa (GEE) na produção e distribuição do biocombustível comercializado e definir a Nota de Eficiência Energético-Ambiental (NEEA) de cada planta certificada.
De acordo com a agência, em 13/04/2020, o Programa ultrapassou a marca de 1 milhão de pré-CBIOs, com lastros resultantes do processamento de 21.219 notas fiscais na Plataforma CBIO. Pré-CBIO é a denominação dada ao direito de o produtor de biocombustíveis registrar o CBIO junto a escriturador (instituição financeira) para posterior negociação na bolsa de valores.
Para a determinação da quantidade de pré-CBIOs, são levados em consideração o volume de biocombustível produzido e comercializado, devidamente apurado a partir do processamento das correspondentes notas fiscais eletrônicas pela Plataforma CBIO; a NEEA; a fração do volume de biocombustível elegível; a massa específica e o poder calorífico inferior do biocombustível.
Vale lembrar: o CBio é um certificado eletrônico emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito estufa. Um crédito de carbono equivale a uma tonelada de CO2 (dióxido de carbono) que deixou de ser emitido para a atmosfera e vale, em média, US$ 10.

Miguel Lacerda

“Na crise, o RenovaBio se apresenta como uma grande oportunidade para fazer uma equalização sobre os preços de externalidade, tanto para o setor de renovável, quanto para o setor de óleo e gás”, disse, comentando sobre o pedido de ajuda ao Governo solicitado pelo setor sucroenergético. “Se a gente não fizer nada, as consequências serão nefastas (para o segmento)”, afirmou. Para ele, as medidas solicitadas, ajudam, mas uma medida estruturante como a política de biocombustíveis seria mais interessante. “Se a gente tivesse o RenovaBio hoje, a variação sobre petróleo para o consumidor seria muito menor”, pontuou Lacerda.
Tributação dos créditos de descarbonização (CBios)
Com o veto do presidente Jair Bolsonaro ao artigo que alterava o texto da medida provisória nº 897/2019 (MP do Agro) e atribuía alíquota de 15% de tributos para os títulos, a tributação sobre a comercialização dos CBios será de 34%. “A tributação é muito alta e eu acho que não é uma boa tributar crédito de carbono, pois se se tributa um CBio, na verdade, estamos tributando o consumidor brasileiro que vai pagar mais pelo combustível”, alegou.
A incerteza sobre qual será o percentual e como se dará a tributação da comercialização de CBios impõem um pouco mais de insegurança, mas ao mesmo tempo, é uma alternativa de investimento interessante no atual momento, elucida Luiz Gustavo Bezerra, advogado ambientalista e sócio do Tauil & Chequer Advogados.
Bezerra ressaltou que é a primeira vez que o Brasil experimenta um mercado com instrumento mandatório de regulação, sendo importante que seja colocado logo em marcha. “Independente de ajuste das metas e da tributação, é essencial que a comercialização se inicie, pois o mercado vai impor uma dinâmica, mesmo no momento conturbado como o que estamos vivendo”, disse.

Aurélio Amaral

De acordo com o advogado, um dos modelos matemáticos, muito interessante e pertinente no momento de saúde que vivemos, é o modo de impacto na saúde. “O uso de biocombustíveis e a redução das emissões, que está projetada em 10% até 2029, vai permitir mensurar a redução do número de internações justamente por doenças respiratórias”, lembrou.
Aurélio Amaral, ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), reforçou que as empresas podem usar os créditos para investir em projetos de renováveis “Quanto mais sustentabilidade tiver o processo, maior será a nota. Maior a nota, maior o CBio, portanto maior sua comercialização. Naturalmente isso volta em recurso para investimento em aumento de produtividade ou em novos projetos para aumentar captura de CBios”, afirmou.
 Fonte: Jornal Cana

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (29) Acrocomia aculeata (54) Agricultura (139) Agroenergia (121) Agroindústria (23) Agronegócio (138) Agropecuária (41) Água (8) Àgua (1) Alimentos (317) Amazônia (31) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (32) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (18) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (386) Biodiesel (277) Biodiversidade (4) Bioeconomia (69) Bioeletricidade (25) Bioenergia (176) Biofertilizantes (7) Biofuels (102) Bioinsumos (6) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (9) Bioproducts (2) Bioprodutos (20) Bioquerosene (39) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (74) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (12) Carbonatação (1) Carbono Zero (13) Carvão Ativado (7) CBios (50) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (10) Cerrado (13) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (311) Clima e ambiente (245) climate changed (47) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (23) Consciência Ecológica (23) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (33) Crédito de Carbono (39) Crédito Rural (4) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (4) Dados (1) Davos (3) Dendê (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (140) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (14) eco-friendly (4) Economia (68) Economia Circular (7) Economia Internacional (109) Economia Sustentável (1) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (16) Eficiência energética (44) Emissões de Carbono (14) Empreendedorismo (5) Empresas (48) Energia (83) Energia Renovável (239) Energia Solar Fotovoltaica (19) Etanol (70) Europa (1) event (11) Eventos (130) Exportações (75) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (12) Floresta plantada (103) Fomento (15) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (105) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (97) Instituição (1) Investimento (3) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (564) Madeira (14) Mamona (1) Manejo e Conservação (97) MAPA (16) Matéria Prima (1) Matéria-Prima (1) matérias-primas (2) Meio Ambiente (205) Melhoramento e Diversidade Genética (69) Mercado (4031) Mercado de Combustíveis (58) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (68) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (29) Mudanças Climáticas (26) Mundo (52) Nações Unidas (1) net-zero (12) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (82) Oleochemicals (8) Óleos (246) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (2) ONGs (1) ONU (10) Oportunidade (2) Oportunidades (2) other (1) Palma (20) Paris Agreement (89) Pecuária (79) Pegada de Carbono (84) Personal Care (3) Pesquisa (49) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (21) Política (77) Preços (31) Preservação Ambiental (28) Produção Animal (7) Produção Sustentável (40) Produção vegetal (3) Produtividade (37) Produtos (150) Proteção Ambiental (10) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (3) Relatório (11) renewable energy (19) RenovaBio (55) Report (1) Research and Development (10) Resíduos (6) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (98) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (102) Segurança Energética (12) Selo Social (5) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (24) Sistemas Integrados (13) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (61) Solos (36) Sustainability (54) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (540) Tecnologia (36) Transportes (5) Turismo Sustentável (5) Unica (1) Vídeo (235) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página