Buscar

De milho a cana, empresas apostam no ‘plástico verde’

quarta-feira, fevereiro 26, 2020

Resultado de imagem para short earth day quotes
De acordo com a European Bioplastics, associação das empresas do setor, os plásticos feitos a partir de fontes renováveis respondem por apenas 1% da produção global de plásticos, de 359 milhões de toneladas. Mas uma série de iniciativas deve incrementar essa fatia, inclusive no Brasil.
— Há um esforço de toda a indústria em criar novos plásticos, mais leves e mais fáceis de serem reciclados, a partir de fontes renováveis. Essas soluções ainda são muito novas e muitas ainda estão em fase inicial. Mas são extremante importantes para o futuro – disse José Ricardo Roriz, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast).
No Brasil, a Braskem, maior produtora de resinas da América Latina, vem investindo no desenvolvimento de plásticos a partir da cana-de-açúcar. A companhia tem uma unidade no Rio Grande do Sul voltada para esse tipo de plástico, que consumiu investimentos de US$ 290 milhões.
A empresa se prepara para atingir a produção de 10 mil toneladas por ano de uma resina a partir do etanol (chamada de Eva), que tem aplicação para diversos setores, como o de calçados e automotivo, entre outros. E estuda ampliar suas operações.
— A gente imagina que a demanda pelo plástico verde vai crescer mais rápido do que a do plástico de origem fóssil (a partir do petróleo), e a gente avalia oportunidade de novos investimentos — disse Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Olefinas e Poliolefinas da Braskem na América do Sul.
Segundo ele, há uma demanda crescente no mercado por esse tipo de produto, e a companhia tem analisado novas alternativas possíveis de investimento, mas ainda não foi tomada qualquer decisão nesse sentido.
— Trabalhamos em diferentes opções de aumento de capacidade da produção do plástico verde. Estamos sempre atentos a oportunidades de negócios sustentáveis — afirmou Terra, destacando que a companhia vem desenvolvendo pesquisas para buscar outras fontes renováveis.
Na ponta dessa cadeia, a indústria vem adotando com rapidez as inovações. É o caso da Copapa, uma fabricante de papel higiênico que usa plástico feito a partir do milho. Fernando Pinheiro, diretor executivo da Copapa, lembra que, ao iniciar uma série de mudanças sustentáveis em sua linha de produção, buscou novas opções para o plástico usado nas embalagens do papel higiênico.
Após estudar alternativas, passou a usar uma resina a partir do milho, que é importada da Alemanha. A troca faz parte dos R$ 10 milhões que a companhia investiu em pesquisa e desenvolvimento.
— O plástico ganhou uma fama de vilão no mundo todo. Hoje, a dificuldade é buscar os fornecedores certos. Apesar de termos um custo maior com o plástico feito de milho, reduzimos a margem de lucro para que o produto fosse acessível – disse Pinheiro, cuja unidade fabril fica em Santo Antônio de Pádua, no Rio de Janeiro.
Kate Melges, especialista na campanha de plástico do Greenpeace nos Estados Unidos, critica a busca pelo plástico verde. Ela diz que mudar de plástico descartável para papel, bioplástico ou até materiais compostáveis não é solução.
— Isso é apenas uma lavagem verde usada por multinacionais para manter viva a cultura descartável. E com apenas 9% do plástico produzido realmente reciclado no mundo, sabemos que esse também não é o caminho a seguir — afirmou Kate.
Para ela, não se pode considerar o plástico de base biológica recurso renovável:
— Não é renovável, pois há pressões do uso da terra e de emissões e processos agrícolas. O plástico de base biológica representa cerca de 1% do plástico do mundo. E a maioria do mercado não é 100% (de fonte renovável), mas, sim, uma combinação de material com origem em combustível fóssil e não fóssil.
Além da busca de mais fontes renováveis, outra área de atuação da indústria é a reciclagem do plástico. O Brasil tem hoje um índice de reciclagem de 26%, percentual bem abaixo do de países da Europa,como Portugal, Espanha e Alemanha, cuja taxa oscila entre 40% e 50%.
Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Olefinas e Poliolefinas da Braskem na América do Sul, destaca as iniciativas que visam ao reaproveitamento do plástico. Segundo ele, outra frente de trabalho é conseguir produzir novamente uma resina plástica com qualidade a partir da reciclagem dos materiais usados.
— Temos trabalhado de forma conjunta com toda a cadeia petroquímica para encontrar soluções para os resíduos de plásticos, porque é um problema que não dá para ignorar — explicou Terra.
Hoje, no Brasil, a reciclagem de plástico ainda é pequena: cerca de um quarto de todo o material descartado é reaproveitado, dizem a Braskem e a associação do setor.
— Estamos investindo no desenvolvimento de tecnologias no campo da reciclagem química, e o nosso foco é transformar plásticos pós-consumo, como sacolinhas de mercado e filmes de embalagens de salgadinhos e biscoitos, novamente em produtos químicos que podem ser utilizados em diversas cadeias de valor — destacou Terra.
A SC Jonhson, fabricante de produtos como Off e Raid, selou uma parceria com a canadense Plastic Bank, que recolhe e recicla garrafas e sacos que chegam aos mares.
A organização, que acabou de abrir três centros de coleta no Rio, vai inaugurar seis novas unidades entre fevereiro e maio deste ano.
David Katz, presidente da empresa e idealizador da iniciativa, diz que os novos locais ainda não foram definidos.
— Pretendemos estar em áreas vulneráveis socialmente, perto da região da Baía de Guanabara. O Rio é a nossa primeira cidade escolhida fora da Ásia — afirmou.
A Plastic Bank paga pelo plástico que recebe de catadores. Segundo o Sindicato Independente de Recicladores do Rio de Janeiro, existem cerca de 300 mil catadores independentes que dependem da coleta de materiais recicláveis nas ruas.
O que o centro de coleta faz é revender esse plástico a empresas. A SC Jonhson, por exemplo, vai lançar neste ano uma garrafa 100% reciclada para uma de suas marcas.
— Construir uma infraestrutura que interrompa o ciclo desses resíduos antes que terminem no oceano é fundamental — disse Fisk Johnson, presidente do Conselho de Administração e presidente executivo da SC Johnson.(R. O. e B. R.)


Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (2) Acordo Internacional (2) Acrocomia aculeata (27) Agricultura (1) Agroenergia (4) Agronegócio (6) Agropecuária (2) Alimentos (237) Amazônia (1) animal nutition (1) ANP (8) Arte (1) Artigo (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (14) Bebidas (1) Biochemistry (3) Biocombustíveis (228) Biodiesel (121) Bioeconomia (24) Bioeletricidade (7) Bioenergia (31) Biofertilizantes (2) Biofuels (96) Biomass (7) Biomassa (67) Biomateriais (1) Biopolímeros (5) Bioprodutos (1) Bioquerosene (22) Biotechnology (29) Biotecnologia (18) Brasil (5) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Carvão Ativado (5) CBios (5) CCEE (1) Celulose (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (209) Clima e ambiente (196) climate changed (34) Cogeração de energia (14) Combustíveis (23) Consciência Ecológica (6) COP24 (76) COP25 (19) COP26 (1) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Créditos de Descarbonização (2) Cultivo (96) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (17) Diesel Verde (1) eco-friendly (4) Economia (36) Economia Internacional (84) Economia Verde (166) Economy (29) Ecosystem (2) Efeito estufa (9) Eficiência energética (19) Empreendedorismo (1) Empresas (1) Energia (41) Energia Renovável (186) Etanol (16) Europa (1) event (7) Eventos (85) Exportações (7) Extrativismo (24) FAO (1) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (76) Food (41) food security (6) forest (1) Fuels (22) Gastronomia (1) GEE (1) Global warming (85) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Industry 4.0 (1) Inovação (8) IPCC (14) Legislação (4) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (42) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (533) Mamona (1) Manejo e Conservação (50) MAPA (1) Meio Ambiente (101) Melhoramento e Diversidade Genética (57) Mercado (3919) Mercado de Combustíveis (1) Mercado florestal (56) Mercado Internacional (4) MME (1) Mundo (3) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (16) Oleochemicals (6) Óleos (224) Óleos Essenciais (1) other (1) Palma (4) Paris Agreement (74) Pecuária (68) Pegada de Carbono (64) Personal Care (1) Pesquisa (1) Petrobras (1) Petróleo (4) pirólise (2) Plant Based (14) Política (65) Preservação Ambiental (2) Produção Animal (2) Produção Sustentável (13) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (34) Relatório (1) renewable energy (16) RenovaBio (4) Research and Development (8) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (85) science and technology (41) Segurança Alimentar (62) Segurança Energética (1) Sistema Agroflorestal (7) Sistemas Integrados (1) Soil (8) Soja (1) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (380) Tecnologia (1) Transportes (1) Turismo Sustentável (1) Vídeo (207) World Economy (73)

Total de visualizações de página