Buscar

Brasil e África do Sul colaboram nas áreas de Bioenergia, Bioeletricidade e Biocombustíveis

quarta-feira, fevereiro 26, 2020

Resultado de imagem para corporate discussion


A Embaixada do Brasil na África do Sul deve sediar um fórum político de alto nível em Pretória em março de 2020, para destacar as oportunidades de colaboração Brasil-SA nos campos de Bioenergia, Bioeletricidade e Biocombustíveis.

Na matriz energética brasileira, que possui 45% de fontes renováveis, os derivados de cana representam mais de 17,0% da produção total de energia primária do Brasil, atrás apenas do petróleo e seus derivados (34,4%) e à frente da hidrelétrica (12,4%).
O Brasil é hoje o segundo maior produtor e exportador mundial de etanol e 65% da safra de cana-de-açúcar do país é destinada à produção de etanol – um aumento significativo em relação aos 54% em 2017/18. É proporcionalmente o maior consumidor de etanol em sua matriz de transporte (19%), com o etanol já substituindo 40% da gasolina.
Além disso, o bagaço é uma fonte de energia para a produção de vapor na fabricação de etanol e açúcar. A bioeletricidade gerada a partir da biomassa da cana-de-açúcar é parcialmente consumida nas plantas, contribuindo para garantir sua auto-suficiência, e parcialmente exportada para a rede nacional. Em 2018, 61% da biomassa de cana-de-açúcar na geração de bioeletricidade foi exportada para a rede, que nos últimos dez anos representou uma injeção total de 150 TWh.
A produção de etanol e bioeletricidade também proporcionou benefícios significativos em termos de criação de empregos e mitigação de emissões de gases de efeito estufa, evitando de 2008 a 2018 a emissão de 560 MtCO2. Ao usar biocombustíveis líquidos, o Brasil reduziu consideravelmente as emissões de material particulado (MP2.5), monóxido de carbono, formaldeídos, hidrocarbonetos reativos e outros compostos orgânicos voláteis precursores da poluição fotoquímica e formação de ozônio, contribuindo muito para a qualidade do ar urbano.
A África do Sul, que já conta com indústrias açucareiras competitivas, foi identificada pela Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) como tendo potencial para expandir a produção sustentável de bioenergia a partir da cana, o que pode contribuir para a consecução dos objetivos expressos no NDP 2030 e o IRP 2019. Para aproveitar seu potencial, discussões sobre estrutura política, conhecimento e tecnologia devem ocorrer.
A Embaixada do Brasil na África do Sul, com o apoio do APLA (Grupo Brasileiro de Etanol) e do Banco de Desenvolvimento da África Austral (DBSA), sediará um Fórum de Políticas para facilitar a cooperação e o diálogo entre especialistas, formuladores de políticas, reguladores e indústria representantes sobre como usar bioenergia, bioeletricidade e biocombustíveis na África do Sul. O Fórum de Políticas será realizado em Pretória na segunda-feira, 16 de março de 2020.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (2) Acordo Internacional (1) Acrocomia aculeata (26) Agroenergia (3) Agronegócio (4) Agropecuária (1) Alimentos (236) animal nutition (1) ANP (5) Arte (1) Artigo (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (14) Biochemistry (2) Biocombustíveis (224) Biodiesel (118) Bioeconomia (22) Bioeletricidade (7) Bioenergia (21) Biofertilizantes (2) Biofuels (96) Biomass (7) Biomassa (67) Biomateriais (1) Biopolímeros (5) Bioprodutos (1) Bioquerosene (21) Biotechnology (29) Biotecnologia (16) Brasil (4) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Carvão Ativado (5) CBios (3) CCEE (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (206) Clima e ambiente (196) climate changed (34) Cogeração de energia (13) Combustíveis (18) Consciência Ecológica (6) COP24 (76) COP25 (19) COP26 (1) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Créditos de Descarbonização (2) Cultivo (96) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (17) Diesel Verde (1) eco-friendly (4) Economia (32) Economia Internacional (81) Economia Verde (166) Economy (29) Ecosystem (2) Efeito estufa (9) Eficiência energética (15) Empreendedorismo (1) Empresas (1) Energia (36) Energia Renovável (185) Etanol (14) Europa (1) event (6) Eventos (84) Exportações (5) Extrativismo (23) FAO (1) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (75) Food (41) food security (6) forest (1) Fuels (22) Gastronomia (1) GEE (1) Global warming (85) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Industry 4.0 (1) Inovação (6) IPCC (14) Legislação (3) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (42) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (532) Mamona (1) Manejo e Conservação (50) MAPA (1) Meio Ambiente (101) Melhoramento e Diversidade Genética (57) Mercado (3917) Mercado florestal (55) Mercado Internacional (1) Mundo (3) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (15) Oleochemicals (6) Óleos (223) Óleos Essenciais (1) other (1) Palma (3) Paris Agreement (73) Pecuária (66) Pegada de Carbono (63) Personal Care (1) Petrobras (1) Petróleo (2) pirólise (2) Plant Based (14) Política (60) Preservação Ambiental (2) Produção Animal (1) Produção Sustentável (11) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (32) Relatório (1) renewable energy (15) RenovaBio (1) Research and Development (8) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (85) science and technology (41) Segurança Alimentar (62) Sistema Agroflorestal (6) Soil (8) Soja (1) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (63) Sustentabilidade (380) Tecnologia (1) Transportes (1) Turismo Sustentável (1) Vídeo (206) World Economy (73)

Total de visualizações de página