Buscar

Biodieseis leves derivado dos óleos da macaúba e do palmiste: propriedades de misturas com o querosene na perspectiva de um combustível alternativo de aviação

quarta-feira, novembro 13, 2019

Resultado de imagem para biodiesel macaúba
Fonte: Google

Autores: Douglas Queiroz Santos, Luiz Vitor Leonardi Harter, Ricardo Reis Soares, Luiz Claudio de Almeida Barbosa, José Domingos Fabris

Resumo: A busca contínua por novos combustíveis renováveis, em resposta à crescente demanda global de energia, mas também, e até principalmente, às questões ambientais, enfatiza fortemente a importância de se desenvolver combustíveis alternativos para a aviação, particularmente aqueles derivados da biomassa obtidos de frações destiladas do biodiesel convencional, para comporem misturas, com ou mesmo substituir integralmente, os combustíveis fósseis. Óleos da amêndoa da macaúba (Acrocomia aculeate) e do palmiste (Elaeis guineensis) foram previamente, cada um, transesterificados com metanol pela reação clássica sob catálise alcalina homogênea. Os ésteres metílicos do ácido graxo da macaúba ou do palmiste (FAME) foram então submetidos à destilação fracionada sob pressão atmosférica para obtenção de frações enriquecidas em ésteres de cadeia molecular curta, variando de C8 a C14, para serem misturadas com o combustível de jato mineral convencional. Neste estudo, misturas de tais biodieseis leves foram preparadas com o querosene Jet A-1 (conforme denominação da ASTM, ou QAV 1, de acordo com a nomenclatura da ANP brasileira) e caracterizadas por sua densidade, frações de destilação, comportamento térmico (termogravimetria e análise calorimétrica diferencial), ponto de congelamento, ponto de fulgor e poder calorífico. Essas análises foram realizadas como critério para se determinar a razão (biodiesel leve):(querosene) mais adequada, baseando-se nos valores recomendados pela ANP para as propriedades avaliadas. As misturas correspondentes a 5, 10 e 20% em volume de ésteres metílicos de ácidos graxos enriquecidos em cadeia curta, no combustível misturado com Jet A-1 apresentaram valores dentro dos limites recomendados pelas resoluções ANP 37 e ASTM D1655.

Para ler o artigo completo, clique aqui.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página