Buscar

COP-24 quer regular Acordo de Paris

terça-feira, dezembro 04, 2018

Na abertura, presidente da conferência do clima pede união para articular ação global

KATOWICE (POLÔNIA) - Com a missão de criar um plano de ação para implementar o Acordo de Paris, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP-24, foi aberta neste domingo, 2, em Katowice, na Polônia. O encontro, que seguirá até o dia 14, reúne cerca de 30 mil delegados de 197 países.

“Não devemos esquecer as razões pelas quais estamos aqui. Estamos aqui para articular a ação global contra mudanças climáticas. Nenhum governo sozinho pode resolver esse problema. É hora de dar vida ao Acordo de Paris”, declarou o polonês Michal Kurtyka, presidente da COP-24, na abertura.
"Nenhum governo sozinho pode resolver esse problema", afirmou o polonês Michael Kurtyka, presidente da COP-24 Foto: Andrzej Grygiel/EFE

Assinado em 2015, o Acordo de Paris tem o objetivo de conter as emissões de gases de efeito  stufa e manter o aumento da temperatura do planeta abaixo de 2ºC, se possível em até 1,5°C. No centro da COP deste ano está o financiamento das ações necessárias, considerando a meta de doação de pelo menos US$ 100 bilhões (cerca de R$ 386 bilhões) por ano de países desenvolvidos para as nações de menor renda.


Entre as ações que devem ser promovidas está a proteção de ecossistemas que absorvem gases causadores do efeito estufa, como as florestas, além do fortalecimento de iniciativas de adaptação e de redução da vulnerabilidade aos efeitos das mudanças climáticas. 
A organização da COP-24 também espera estimular que os países criem planos para iniciar o cumprimento das metas a partir de 2020, data estabelecida pelo Acordo de Paris. A expectativa é de que os países acordem como serão feitos os registros e como os governos reportarão suas emissões de gases de efeito estufa. 

Neste ano, a delegação brasileira, representada por integrantes do Itamaraty, do Ministério do Meio Ambiente, da academia e da sociedade civil, está menor e, para especialistas, deverá ter uma atuação diferente da dos anos anteriores, em razão das posições do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e da desistência do futuro governo de sediar, em 2019, a COP-25.
“A delegação brasileira vai estar profundamente constrangida e inibida com a situação. E o Brasil, que sempre foi vanguarda nos processos negociadores, sempre teve um grande papel de articulação dos outros países, possivelmente será o mais discreto possível”, afirma o coordenador executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, Alfredo Sirkis.
Para ele, a COP deste ano terá importância política. Sirkis afirma que terão peso durante as discussões o anúncio do presidente americano, Donald Trump, de que os Estados Unidos sairão do Acordo de Paris, além de aceno semelhante feito por Bolsonaro.

Também deve influenciar o clima político a recém realizada reunião do G-20 em Buenos Aires. Nela, o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que os acordos comerciais do seu país estão condicionados ao compromisso dos governos da América Latina em relação ao Acordo de Paris. Na ocasião, os presidentes dos países latino-americanos, entre eles Michel Temer, reforçaram a adesão ao Acordo de Paris.

De acordo com o secretário de Mudança do Clima e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Thiago Mendes, o Brasil apresentará 42 projetos de empresas e da sociedade civil que promovem baixas emissões de CO2. “Isso é muito inovador. Não vimos nenhum país trabalhando nessa linha, com número de casos tão vasto e tão diverso.”

Mendes também afirmou que serão apresentados “dados sólidos” da redução do desmatamento no País dos últimos dez anos. “Mesmo tendo variações, caímos de mais de 20 mil m2 (desmatados) para 7,9 mil m2 por ano.” No fim de novembro, o governo divulgou aumento de 13,7% no desmate entre agosto de 2017 e julho de 2018, em comparação ao ciclo anterior.

Cidade-sede. Tradicionalmente associada à exploração de carvão e à indústria pesada, a pequena Katowice, com 300 mil habitantes, foi a escolhida para sediar a COP-24.

A mineração de carvão, principal base energética da Polônia, foi revitalizada no município, que se tornou referência por adotar novas tecnologias, modernizar o setor de negócios e atrair investimentos sustentáveis. Mesmo assim, a organização da COP-24 espera forte presença do lobby dos combustíveis. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS E AGÊNCIA BRASIL 

Banco Mundial 

O Banco Mundial (BM) anunciou neste domingo um plano de investimento de US$ 200 bilhões para combater a mudança climática entre 2021 e 2025, um número que duplica a quantidade do período anterior.
O órgão, com sede em Washington, detalhou que este programa, cujo anúncio coincidiu com o início da Cúpula do Clima da Polônia, pretende "reconhecer o impacto da mudança climática na vida das pessoas", especialmente nos países mais pobres do mundo e em desenvolvimento.
"A mudança climática é uma ameaça existencial para os mais pobres e vulneráveis do mundo. Estes novos objetivos demonstram o quão seriamente estamos levando esta questão", afirmou em comunicado o presidente do Grupo Banco Mundial, Jim Yong Kim. Nessa nota, Kim pediu à comunidade global que tome mais ações contra a mudança climática.
O pacote anunciado pelo BM tem o objetivo de construir sistemas de proteção social contra a mudança climática em 40 países e financiar "investimentos em agricultura inteligente" em 20 países.
Além disso, pretende ajudar cem cidades para que alcancem um planejamento urbano "sustentado e de baixa emissão de carbono" e um desenvolvimento orientado ao trânsito, entre outras iniciativas.
O BM contribuirá com a metade dos fundos do plano, enquanto o resto será arrecadado pela Corporação Financeira Internacional, pela Agência Multilateral de Garantia de Investimentos e recursos de capital privado.
O anúncio do BM coincide com o início da Cúpula do Clima (COP24), que começou neste domingo em Katowice, na Polônia, com a missão de encontrar as fórmulas para implementar o Acordo de Paris de 2015, que pede para se frear o aquecimento global baixando de forma drástica as emissões poluentes. / EFE
Entenda o aquecimento global

Temperatura da Terra

Em outubro, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) indicou que a Terra já está 1°C mais quente do que antes da Revolução Industrial.

Efeitos

As consequências do aquecimento já podem ser percebidas: a ocorrência de mais eventos extremos – como a onda de calor no verão europeu e os incêndios nos EUA –, a alta do nível do mar e o derretimento do gelo do Ártico.

Longe da meta

Se for mantido o ritmo atual de emissões de gases de efeito estufa, o planeta esquentará 1,5°C entre 2030 e 2052, estimam os pesquisadores.

Fonte: O Estado de São Paulo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página