Buscar

Embrapa desenvolve técnica que aumenta validade de frutas

quarta-feira, julho 25, 2018

Película biodegradável e comestível não muda aspecto ou gosto da fruta. Coco produzido com a técnica começa a ser exportado à Europa

Resultado de imagem para frutas
Películas que aumentam a validade de frutos, além de serem comestíveis, foram desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e prometem aumentar a competitividade de produtos brasileiros no mercado internacional. Caso disso é o coco, que, a partir do mês de junho, chega ao mercado europeu prometendo manter a qualidade de produto fresco por mais de um mês.

A película biodegradável é comestível e possibilita o aumento da vida útil do coco, superando 40 dias, mantendo características nutricionais, aparência e sabor. Cerca de 500 mil unidades de coco da variedade anão-verde já foram vendidas a Portugal. As frutas são produzidas no Polo de Fruticultura do Vale do São Francisco em Petrolina-PE.

O empresário Edivânio Domingos, da Fazenda Coco do Vale, que exporta o produto, conta que buscava há anos uma tecnologia que aumentasse a vida útil do coco verde in natura mantendo sua qualidade que, normalmente, dura em torno de dez dias.

"Essa tecnologia é espetacular porque é de baixo custo e requer pouca mão-de-obra. Conseguimos ampliar a vida útil do coco para mais de 40 dias, viabilizando a exportação para países como Portugal, Bélgica e Holanda", afirma o empresário.

O revestimento biodegradável e comestível pode ser usado em outras frutas como goiaba, manga, caqui e palmito de pupunha, que já foram testados. No caso do palmito, a vida útil sobre de sete para 20 dias, já a goiaba dura até um mês.

Na aplicação da tecnologia, os frutos passam por um processo de higienização, antes de serem imersos em uma solução filmogênica à base de um polissacarídeo e outros compostos, que contribuem para redução da atividade microbiana e manutenção do valor nutricional.

"O revestimento atua como barreira física e reduz o metabolismo do fruto ao diminuir a respiração, a atividade enzimática, degradação do açucar, minerais e vitaminas, conservando-o por mais tempo", explica Joseane Resende, professora da universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), que realizou o estudo em 2007. 

Fonte: O Povo Online

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Total de visualizações de página