Buscar

Números das importações da China em outubro mostram preferência do país pela soja do Brasil

terça-feira, novembro 23, 2021


Mais do que em temporadas anteriores, a demanda chinesa por soja ficou mais pulverizada entre Estados Unidos e Brasil, o que refletiu nos últimos números da balança comercial de outubro da nação asiática. As importações chinesas de soja norte-americana foram de 775,331 mil toneladas no mês passado, volume 77% menos do que as 3,4 milhões na comparação anual. Os dados partem da Administração Geral das Alfândegas. 

Entretanto, ainda em outubro, a China importou 3,3 milhões de toneladas de soja do Brasil. Apesar do bom volume, na comparação com o mesmo período do ano passado houve uma baixa de 22%, ainda de acordo com dados da alfândega do país. 

No total, as importações chinesas da oleaginosa no mês passado foram de 5,11 milhões de toneladas, 41% menos do que há um ano e o menor volume desde março de 2020. Nos primeiros 10 meses de 2021, as importações de soja da China somam 79,08 milhões de toneladas, 5% menos do que no mesmo intervalo de 2020. 

Segundo analistas de mercado, parte dessa diminuição das compras chinesas no mercado americano se deve às margens de esmagamento apertadas na China neste momento - pressionadas, principalmente, pelo momento difícil da suinocultura -, bem como a boa competitividade do produto brasileiro que se deu não só pelo preço, mas também pela qualidade. Seu maior teor de proteína e óleo resultavam em mais rendimento e para atender à demanda imediata foi vista pelos compradores como uma alternativa mais atrativa, como o Notícias Agrícolas veio informando nos últimos meses. 

Assim, a soja dos EUA - e demais fornecedores - foi buscada para embarques mais longos, principalmente os primeiros meses de 2022. Tradicionalmente, a oleaginosa dos EUA domina o mercado chinês no quarto trimestre do ano, quando a colheita no país está na fase conclusiva e há maior volume disponível de produto, o que acaba deixando a soja mais barata por lá. 

Além das características da soja brasileira terem-na deixado mais competitiva do que a americana, o comportamento do dólar frente ao real também contribuiu. A desvalorização da moeda brasileira diante da americana deixou a commodity dos EUA menos atrativa para os importadores e a do Brasil mais acessível.

Somente de 30 de setembro e 31 de outubro, o dólar subiu quase 6% frente ao real e deu espaço a esta busca maior pela soja nacional por parte dos importadores. 

CHEGADA MAIS CEDO DA SOJA BRASILEIRA

O mercado está bastante atento à chegada da soja 2021/22 do Brasil nesta temporada que pode acontecer mais cedo. Dado o plantio acontecendo em ritmo recorde no país, as primeiras colheitas deverão se dar já depois do Natal e mesmo pontualmente começam a trazer mais oferta ao mercado. 

“O ritmo acelerado de semeadura no Brasil e as perspectivas de safra recorde e precoce têm ajudado a pressionar os preços de Chicago, já que os EUA podem perder participação no comércio global”, disse Daniele Siqueira, analista da AgRural, à Bloomberg. 

Nas duas primeiras semanas de novembro, as exportações de soja do Brasil somam 1,539 milhão de toneladas, contra o volume de pouco mais de 1,4 milhão de todo novembro de 2020, de acordo com os últimos dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior). Em todo 2021, as vendas externas do Brasil somam 86,2 milhões de toneladas, contra 82 milhões do mesmo período de 2020. 

Assim, a sinalização acompanhada pelo mercado é de que as exportações dos EUA, naturalmente, poderiam ficar mais lentas e, de acordo com analistas e consultores, não ser compensadas na totalidade pela demanda interna mais forte que tem sido registradas nas últimas semanas. Há um aumento expressivo do consumo de derivados no país, mas que pode ser insuficiente para conter um incremento dos estoques finais norte-americanos de soja.

“Essa demanda doméstica pode diminuir o impacto da lentidão nas exportações, mas infelizmente não vai compensá-la completamente”, disse o analista da AgriVisor LLC, Karl Setzer, em uma nota divulgada pela Bloomberg na última semana.

E ainda assim, as cotações da soja negociadas na Bolsa de Chicago seguem encontrando espaço para se manter acima dos US$ 12,00 por bushel. 

Fonte: Notícias Agrícolas

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (27) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (43) Acrocomia aculeata (78) Agricultura (324) Agricultura 4.0 (9) agriculture (1) Agroenergia (138) Agroindústria (37) Agronegócio (273) Agropecuária (63) Água (24) Àgua (1) Alimentação Saudável (24) Alimentos (367) Amazônia (78) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (97) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (470) Biodefensivos (12) Biodiesel (352) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (15) Bioeconomia (126) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (212) Biofertilizantes (12) Biofuels (104) Bioinsumos (22) Biomas (4) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (27) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (3) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (88) BNDES (2) Bolsa de Valores (37) Brasil (117) Brazil (29) Cadeia Produtiva (19) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (10) Carbono Neutro (10) Carbono Zero (21) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (8) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (16) Cerrado (28) Chuvas (11) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (427) Clima e ambiente (290) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (2) Cogeração de energia (30) Combustíveis (108) Combustíveis Fósseis (41) Combustíveis verde (1) Comércio (48) Consciência Ecológica (26) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (25) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (54) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (2) Curso (14) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (11) Desenvolvimento Sustentável (217) Desmatamento (16) Diesel (21) Diesel Verde (23) eco-friendly (5) Economia (109) Economia Circular (14) Economia Internacional (132) Economia Sustentável (5) Economia Verde (181) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (23) Emissões de Carbono (63) Empreendedorismo (9) Empresas (170) Energia (106) energia limpa (22) Energia Renovável (257) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (27) Estudo (2) Etanol (88) Europa (2) event (11) Eventos (176) Exportações (94) Extrativismo (63) FAO (7) Farelos (46) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (10) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (33) Floresta plantada (119) Fomento (42) Food (42) food security (9) forest (1) Fruticultura (17) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (19) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (12) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (207) Instituição (1) Insumos (17) Investimento (10) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (21) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (58) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (604) Madeira (24) Mamona (1) Manejo (5) Manejo e Conservação (118) MAPA (42) Máquinas e equipamentos (3) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (3) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (326) Melhoramento e Diversidade Genética (84) Mercado (4132) Mercado de Combustíveis (68) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (64) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (31) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (51) Mudanças Climáticas (69) mudas (4) Mundo (179) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (11) Oil (51) Oleaginosas (115) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (3) ONGs (1) ONU (19) Oportunidade (9) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (33) palmeiras (7) Paris Agreement (95) Pecuária (103) Pegada de Carbono (107) Personal Care (3) Pesquisa (96) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (6) pirólise (3) Plano Safra (2) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (92) Política Ambiental (6) Políticas (1) políticas públicas (2) Preços (74) Preservação Ambiental (57) Produção Agrícola (24) Produção Animal (10) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (78) Produção vegetal (25) Produtividade (77) Produtos (150) Proteção Ambiental (18) proteína vegetal (28) Qualidade (3) Qualidade do Ar (4) químicos verdes (1) reciclagem (2) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (35) regulamentação (3) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (76) Report (2) Research and Development (12) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (8) Safra (7) Saúde e Bem-Estar (136) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (172) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (8) silvicultura (3) Sistema Agroflorestal (42) Sistemas Integrados (26) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (120) Solos (61) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (679) Tecnologia (66) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (271) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página