Buscar

Pessimismo no mercado gera baixas nas cotações de soja, milho e café

terça-feira, setembro 21, 2021


De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a semana teve início com fluxo inexpressivo de negócios no mercado físico do boi gordo. Segundo o analista Fernando Iglesias, o volume negociado acaba ficando totalmente concentrado no atendimento ao mercado doméstico e a destinos menos relevantes na pauta de exportação.

Na B3, as cotações dos contratos futuros do boi gordo tiveram alta em toda a curva pelo segundo dia consecutivo. Porém, enquanto não houver posicionamento da China, os preços terão variações bem limitadas. O ajuste do vencimento para setembro passou de R$ 301,35 para R$ 302,50, do outubro foi de R$ 306,05 para R$ 307,85 e do novembro foi de R$ 315,00 para R$ 317,05 por arroba.


Milho: indicador do Cepea volta a ficar abaixo de R$ 93 por saca.

O indicador do milho do Cepea, calculado com base nos preços praticados em Campinas (SP), teve um dia de preços mais baixos. A cotação variou -0,92% em relação ao dia anterior e passou de R$ 93,67 para R$ 92,81 por saca. Portanto, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 18%. Em 12 meses, os preços alcançaram 56,8% de valorização.

Na bolsa brasileira, a B3, a grande maioria dos contratos futuros do milho apresentaram recuo e apenas o vencimento para maio/2022 teve alta. O ajuste do vencimento para novembro foi de R$ 93,25 para R$ 92,77, do janeiro de 2022 passou de R$ 94,53 para R$ 94,08, do março foi de R$ 94,47 para R$ 93,82 e por fim, do maio saiu de R$ 88,83 para R$ 89,23 por saca.


Soja: cotações seguem Chicago e têm desvalorização.

O indicador da soja do Cepea, calculado com base nos preços praticados no porto de Paranaguá (PR), seguiu Chicago e teve desvalorização. A cotação variou -1,03% em relação ao dia anterior e passou de R$ 175,44 para R$ 173,64 por saca. Desse modo, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 12,83%. Em 12 meses, os preços alcançaram 20,15% de valorização.

Na bolsa de Chicago, as cotações dos contratos futuros da soja chegaram ao segundo dia consecutivo em queda e se afastaram ainda mais do nível de US$ 13 por bushel. O dia foi marcado por aumento da aversão ao risco no mercado internacional. O vencimento para novembro recuou 1,68% na comparação diária e passou de US$ 12,84 para US$ 12,624 por bushel.


Café: preços caem no Brasil, diante de queda em Nova York.

De acordo com a Safras & Mercado, as cotações do café no Brasil recuaram, seguindo a queda observada em Nova York. No sul de Minas Gerais, o arábica bebida boa com 15% de catação passou de R$ 1.080/1.085 para R$ 1.065/1.070, enquanto que no cerrado mineiro, o bebida dura com 15% de catação foi de R$ 1.085/1.090 para R$ 1.070/1.075 por saca.

Na bolsa de Nova York, as cotações do café arábica também foram penalizadas pelas quedas observadas em vários mercados, em virtude do aumento do pessimismo em relação à economia da China. O vencimento para dezembro, o mais negociado atualmente, teve desvalorização de 2,04% na comparação diária e passou de US$ 1,864 para US$ 1,826 por libra-peso.


No exterior: crise com empresa imobiliária na China gera pessimismo nos mercados

Uma das maiores incorporadoras da China, a Evergrande, corre o risco de não ser capaz de pagar suas dívidas. Com isso, os mercados globais tiveram aumento do pessimismo e fortes quedas disseminadas nas principais bolsas. O temor é que uma crise imobiliária na China acabe afetando todo o setor financeiro mundial credor das dívidas.

Os investidores ainda também seguem atentos à reunião de política monetária do Banco Central dos Estados Unidos. É esperada a manutenção do nível de juros, mas também comunicação sobre a retirada de estímulos econômicos para os próximos encontros. Com a queda nos mercados, alguns analistas já apostam que o FED mude de ideia sobre a redução nos estímulos.


No Brasil: apreensão externa faz Ibovespa ficar abaixo dos 110 mil pontos

O aumento da aversão ao risco causado pelo risco de crise imobiliária na China penalizou o Ibovespa novamente. Dessa forma, o principal índice de ações da bolsa brasileira recuou 2,33% na comparação diária e ficou cotado aos 108.843 pontos. Enquanto isso, o dólar comercial subiu 0,93% e passou de R$ 5,282 para R$ 5,331.

De acordo com os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), até a terceira semana de setembro, a balança comercial brasileira teve um saldo positivo de US$ 2,407 bilhões. O resultado veio de uma soma de US$ 14,468 bilhões em exportações e de US$ 12,060 bilhões em importações. Com a suspensão de exportações de carne bovina para a China, o saldo teve uma queda anual de 17,1%.

Fonte: Canal Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (37) Acrocomia aculeata (77) Agricultura (297) Agricultura 4.0 (8) agriculture (1) Agroenergia (130) Agroindústria (32) Agronegócio (252) Agropecuária (58) Água (22) Àgua (1) Alimentação Saudável (22) Alimentos (367) Amazônia (77) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (93) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (451) Biodefensivos (10) Biodiesel (346) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (15) Bioeconomia (126) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (211) Biofertilizantes (12) Biofuels (104) Bioinsumos (19) Biomas (3) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (27) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (3) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (86) BNDES (2) Bolsa de Valores (35) Brasil (101) Brazil (29) Cadeia Produtiva (17) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (7) Carbono Neutro (9) Carbono Zero (20) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (6) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (16) Cerrado (25) Chuvas (10) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (415) Clima e ambiente (288) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (105) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (48) Consciência Ecológica (26) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (16) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (48) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (2) Curso (14) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (5) Desenvolvimento Sustentável (206) Desmatamento (12) Diesel (21) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (100) Economia Circular (14) Economia Internacional (126) Economia Sustentável (5) Economia Verde (176) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (13) Emissões de Carbono (63) Empreendedorismo (8) Empresas (170) Energia (105) energia limpa (17) Energia Renovável (257) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (26) Estudo (2) Etanol (84) Europa (2) event (11) Eventos (176) Exportações (94) Extrativismo (63) FAO (7) Farelos (46) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (30) Floresta plantada (119) Fomento (42) Food (42) food security (9) forest (1) Fruticultura (15) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (9) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (202) Instituição (1) Insumos (7) Investimento (8) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (14) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (56) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (599) Madeira (23) Mamona (1) Manejo (2) Manejo e Conservação (114) MAPA (35) Máquinas e equipamentos (2) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (313) Melhoramento e Diversidade Genética (78) Mercado (4127) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (52) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (24) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (50) Mudanças Climáticas (56) mudas (3) Mundo (174) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (11) Oil (51) Oleaginosas (105) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (3) ONGs (1) ONU (19) Oportunidade (8) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (32) palmeiras (4) Paris Agreement (94) Pecuária (92) Pegada de Carbono (105) Personal Care (3) Pesquisa (87) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (6) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (87) Política Ambiental (4) Políticas (1) políticas públicas (2) Preços (73) Preservação Ambiental (56) Produção Agrícola (11) Produção Animal (9) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (73) Produção vegetal (13) Produtividade (61) Produtos (150) Proteção Ambiental (16) proteína vegetal (28) Qualidade (3) Qualidade do Ar (4) químicos verdes (1) reciclagem (2) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (35) regulamentação (3) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (75) Report (2) Research and Development (12) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (8) Safra (5) Saúde e Bem-Estar (135) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (166) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (6) silvicultura (3) Sistema Agroflorestal (41) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (96) Solos (57) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (673) Tecnologia (64) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (271) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página