Buscar

Como a agroindústria pode reduzir o consumo de energia

sexta-feira, agosto 13, 2021


Você já reparou como a nossa vida é “alimentada” pela energia elétrica? Na verdade, o invento de Benjamin Franklin está praticamente em tudo o que fazemos no dia a dia: aparelhos de ar condicionado, geladeira, lâmpadas, aquecedores, chuveiros, computadores, carregadores de celular... E com os reservatórios em baixa, e as contas de luz tão em alta, ser um consumidor consciente não é mais opção – e sim necessidade.

A utilização de energia elétrica no Brasil somou 474.231 GWh em 2020. O volume, segundo dados da Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica, divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), corresponde a uma queda de 1,6% na comparação com o consumo de energia em 2019. Só que, mesmo com essa economia, o Brasil continua mal posicionado no ranking dos países que mais combatem o desperdício, como mostra o Conselho Americano para Economia Eficiente de Energia. Ao todo, de 25 países com maiores consumo de eletricidade, o Brasil encontra-se na 20ª posição. E o troféu de “maior vilão” da improficuidade energética vai ao segmento industrial, que demanda 30% da energia produzida no País.

Para reverter essa realidade, a aposta está em painéis elétricos, que controlam as oscilações de potência elétrica dos equipamentos: os bancos capacitores, cujo objetivo é trabalhar a eficiência energética. O engenheiro eletricista e CEO da Engerey Painéis Elétricos, Fábio Amaral, explica o funcionamento: “O nosso sistema de energia é composto pela energia ativa, que é utilizada para acender uma lâmpada ou acionar um motor, por exemplo, sendo a mais convencional. Essa energia é responsável pelo “trabalho” da máquina, ou seja, a energia que é consumida durante o funcionamento e execução de uma tarefa. Há também a energia reativa, também necessária para fazer a magnetização dos transformadores e motores”.

Além da energia reativa não ser de fato consumida, ela circula entre a carga e a estação geradora, sobrecarregando o sistema e promovendo quedas de tensão, ocasionando acidentes e gerando multas na conta de energia. De maneira geral, quanto menor for o fator de potência, maior será a energia reativa e quanto maior o fator de potência, menor será essa energia. “Então, a melhor maneira para neutralizar essa energia reativa é instalando um banco de capacitores na rede, alterando assim a característica da carga e aumentando o fator de potência”, salienta Amaral.

A economia de energia com o uso dos bancos de capacitores se dá em duas vertentes: a primeira e mais importante diz respeito à extinção da multa de 30 a 40% no valor da fatura, que é aplicada pelo excesso de energia reativa e pode chegar até 30% da conta de energia [em outras palavras, em uma conta de R$10.000,00 a multa pode chegar a R$3.000,00]. Segundo: a indústria aumenta sua produção, não sendo necessário trabalhar em horas extras e nem fazer ampliações em sua estrutura. “E há ainda racionamento para as concessionárias, que não têm que fazer novos investimentos, nessa época de escassez de energia, utilizando a energia sobressalente para outros consumidores”, comenta Amaral.

O custo para a instalação de bancos de capacitores é extremamente acessível. O tempo para que ele mesmo “se pague” gira em torno de seis a oito meses. A partir daí é só rentabilidade. Via de regra, as empresas desconhecem o banco de capacitores porque, geralmente, a fatura de energia vai para o setor administrativo, que simplesmente põe no “contas a pagar” e realiza o pagamento. Ou seja: não há uma análise. E, se na fatura está descrito “excedente reativo”, isso significa que o consumidor está pagando multa.

De acordo com a Normativa Nº 414, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), consumidores do grupo A (indústria e comércio) são autuados caso o fator de potência [calculado na relação entre energia ativa e energia passiva] esteja abaixo de 92%. Quanto menor a porcentagem, maior é o consumo de energia reativa no sistema. 


Instalação

A instalação de um banco de capacitores funciona da seguinte forma: uma equipe técnica visita a planta onde as máquinas estão instaladas e gera um relatório de consumo energético, com medições da real necessidade capacitiva da empresa e como o banco de capacitores deve atuar no sistema elétrico do empreendimento. “O banco de capacitores é um equipamento primordial para a indústria. É importante que esses painéis elétricos sejam certificados e atendam minuciosamente todas as normas necessárias. Isso certamente vai garantir um consumo de energia eficiente, e claro, uma boa economia na conta de luz”, finaliza o diretor da Engerey.

Para saber mais, acesse o site www.engerey.com.br

Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (34) Acrocomia aculeata (77) Agricultura (289) Agricultura 4.0 (6) agriculture (1) Agroenergia (130) Agroindústria (26) Agronegócio (243) Agropecuária (57) Água (22) Àgua (1) Alimentação Saudável (18) Alimentos (365) Amazônia (75) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (89) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (447) Biodefensivos (4) Biodiesel (339) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (13) Bioeconomia (124) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (210) Biofertilizantes (11) Biofuels (104) Bioinsumos (16) Biomas (3) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (26) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (2) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (85) BNDES (2) Bolsa de Valores (30) Brasil (78) Brazil (29) Cadeia Produtiva (16) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (6) Carbono Neutro (9) Carbono Zero (19) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (4) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (15) Cerrado (24) Chuvas (6) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (403) Clima e ambiente (285) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (105) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (47) Consciência Ecológica (25) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (8) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (44) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (13) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (4) Desenvolvimento Sustentável (190) Desmatamento (6) Diesel (21) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (97) Economia Circular (13) Economia Internacional (115) Economia Sustentável (4) Economia Verde (174) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (6) Emissões de Carbono (62) Empreendedorismo (8) Empresas (170) Energia (105) energia limpa (17) Energia Renovável (256) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (26) Estudo (2) Etanol (82) Europa (2) event (11) Eventos (174) Exportações (93) Extrativismo (63) FAO (7) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (28) Floresta plantada (118) Fomento (42) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (14) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (200) Instituição (1) Insumos (5) Investimento (8) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (12) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (56) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (598) Madeira (22) Mamona (1) Manejo (1) Manejo e Conservação (114) MAPA (34) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (311) Melhoramento e Diversidade Genética (74) Mercado (4127) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (45) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (19) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (50) Mudanças Climáticas (42) mudas (3) Mundo (174) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (10) Oil (51) Oleaginosas (102) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (2) ONGs (1) ONU (16) Oportunidade (6) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (32) palmeiras (4) Paris Agreement (94) Pecuária (91) Pegada de Carbono (105) Personal Care (3) Pesquisa (81) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (6) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (84) Política Ambiental (2) Políticas (1) políticas públicas (2) Preços (71) Preservação Ambiental (53) Produção Agrícola (3) Produção Animal (8) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (65) Produção vegetal (10) Produtividade (55) Produtos (150) Proteção Ambiental (16) proteína vegetal (28) Qualidade (2) Qualidade do Ar (3) químicos verdes (1) reciclagem (1) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (33) regulamentação (3) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (75) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (6) Safra (3) Saúde e Bem-Estar (133) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (162) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (41) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (82) Solos (55) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (664) Tecnologia (60) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (270) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página