Buscar

Fiocruz e Ministério da Agricultura identificam potencial de mercado em 26 produtos da flora de 4 biomas

domingo, março 21, 2021



Chás, colírios, repelentes, hidratantes e azeites que têm como matéria-prima espécies vegetais da flora brasileira foram identificados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com potencial de serem inseridos no mercado. No total, são 26 produtos de plantas medicinais, aromáticas, condimentares e alimentares extraídas dos biomas Amazônia, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste.

Em nota divulgada nesta sexta-feira (19/3), Joseane Carvalho, coordenadora técnica e executiva do projeto ArticulaFito, que desde 2015 trabalha para promover cadeias de valor em plantas medicinais, disse que ainda é preciso superar desafios de capacitação e adequação para colocar os produtos nos mercados locais, nacionais e internacionais.

Estão na lista de produtos medicinais extrato seco e chá de calêndula e espinheira santa, chá de guaco, produtos de capim cidreira, pó de carapiá, semente de umburana, chá de cavalinha, pílula artesanal de babosa, chá medicinal de hortelã, semente de sucupira e extrato de pilocarpina das folhas de jaborandi. Nos cosméticos, vagem de fava d'anta, extrato de melão de São Caetano, extrato de arnica, cera de carnaúba, óleo e sabonete de copaíba, óleo de andiroba, óleo de pracaxi, repelente de andiroba, óleo e cosméticos de buriti, manteiga de tucumã e óleo do bicho do tucumã.

A lista se completa com os produtos alimentares óleo de macaúba, óleo extravirgem e farinha de babaçu, amêndoas de castanha-do-Pará, jambu in natura, cachaça de jambu, bacuri in natura, polpa, semente e casca e manteiga de bacuri.

Para o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa, Fernando Schwanke, o projeto contribui para a  geração de renda e agregação de valor aos produtos da sociobiodiversidade, base do Programa Bioeconomia Brasil. Já o coordenador-geral de Extrativismo do Mapa, Marco Aurélio Pavarino, destaca que a iniciativa fortalece a base produtiva nacional de plantas medicinais e fitoterápicas.

“Apoiar o aprimoramento das cadeias de valor de produtos da sociobiodiversidade brasileira é estratégico para impulsionar o desenvolvimento econômico local, a partir de ações que integrem produção sustentável, geração de renda, conservação da biodiversidade e empoderamento social das populações extrativistas e dos agricultores familiares”.

Para a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, preservar a cultura e os saberes tradicionais é, também, promover saúde e um dos impactos positivos do projeto é a equidade de gênero, conquistada a partir do protagonismo feminino nesses espaços.

O mapeamento das 26 cadeias envolveu agricultores familiares, extrativistas, representantes da indústria, do comércio e de instituições públicas, além da equipe técnica do ArticulaFito. O processo usou metodologia desenvolvida pela Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ, na sigla em alemão).


Parceria

Responsável pela metodologia usada na avaliação de produtos da biodiversidade feita pelo Mapa e pela Fiocruz, a GIZ também assinou nesta semana uma parceria com o Ministério, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF). O trabalho conjunto visa a execução do Projeto Bioeconomia e Cadeias de Valor, que visa expandir a comercialização de produtos de cooperativas e associações comunitárias para o desenvolvimento da bioeconomia sustentável e inclusiva na Amazônia.

O projeto já tem assegurado 5 milhões de euros do Ministério Federal Alemão de Cooperação Econômica e Desenvolvimento. As ações foram iniciadas este mês, começando pela fase técnica, e vão até março de 2024. Serão beneficiadas cooperativas e associações de quatro estados da Amazônia: Acre, Pará, Amazonas e Amapá.

“Os recursos são resultado das negociações intergovernamentais Brasil-Alemanha sobre cooperação para o desenvolvimento sustentável, que iniciamos em outubro de 2019, durante uma missão da delegação brasileira, na Alemanha. O resultado foi a assinatura de acordos de cooperação técnica e financeira com o governo alemão para o desenvolvimento de iniciativas voltadas para a bioeconomia”, afirmou o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Fernando Schwanke.


Brasil passa a fazer parte do Protocolo de Nagoia sobre biodiversidade

Do Ártico à Amazônia, cientista brasileira se dedica ao estudo das mudanças climáticas e uso da terra

A proposta é incluir produtos da biodiversidade nas políticas públicas de comercialização, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Segundo a diretora de Projetos da GIZ, Tatiana Balzon, a inovação do projeto fica por conta dos temas, como a formação profissional em gestão de empreendimentos coletivos, por meio de parcerias com universidades, institutos federais e casas família agrícola. “Outra inovação é a área de financiamento público e privado para bioeconomia, que pretende apoiar na divulgação e articulação do Programa Nacional da Agricultura Familiar, o Pronaf, e de fundos de investimentos privados que atendam as cadeias de valor da sociobiodiversidade."


Fonte: Revista Globo Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (64) Agricultura (229) Agricultura 4.0 (4) agriculture (1) Agroenergia (125) Agroindústria (25) Agronegócio (205) Agropecuária (50) Água (18) Àgua (1) Alimentação Saudável (9) Alimentos (349) Amazônia (61) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (75) Arte (1) Artigo (44) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (4) Aviation market (20) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (413) Biodefensivos (1) Biodiesel (309) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (101) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (196) Biofertilizantes (9) Biofuels (103) Bioinsumos (9) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (42) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (80) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (40) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (25) CAR (3) Carbonatação (1) Carbono Neutro (3) Carbono Zero (17) Carvão Ativado (8) carvão vegetal (2) CBios (67) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (12) Cerrado (21) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (365) Clima e ambiente (267) climate changed (54) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (96) Combustíveis Fósseis (38) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (39) Crédito de Carbono (41) Crédito Rural (13) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (121) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (5) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Desenvolvimento Sustentável (167) Desmatamento (4) Diesel (17) Diesel Verde (21) eco-friendly (5) Economia (84) Economia Circular (10) Economia Internacional (112) Economia Sustentável (4) Economia Verde (172) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (51) Emissões de Carbono (45) Empreendedorismo (7) Empresas (114) Energia (95) energia limpa (7) Energia Renovável (251) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (12) Estudo (2) Etanol (79) Europa (1) event (11) Eventos (144) Exportações (88) Extrativismo (61) FAO (5) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Floresta (23) Floresta plantada (107) Fomento (34) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (6) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (113) Green Economy (127) health (23) História (1) IBP (1) ILPF (1) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (149) Instituição (1) Insumos (2) Investimento (4) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (9) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (51) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (580) Madeira (17) Mamona (1) Manejo e Conservação (104) MAPA (27) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (2) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (264) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4095) Mercado de Combustíveis (64) Mercado Financeiro (10) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (43) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (16) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (42) Mudanças Climáticas (33) mudas (2) Mundo (124) Nações Unidas (3) Negócios (5) net-zero (29) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (96) Oleochemicals (10) Óleos (250) Óleos Essenciais (7) Óleos Vegetais (18) OMC (2) ONGs (1) ONU (14) Oportunidade (5) Oportunidades (6) other (1) Palm (1) Palma (27) palmeiras (1) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (100) Personal Care (3) Pesquisa (71) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (31) PIB (5) pirólise (3) Plant Based (27) Política (81) Política Ambiental (2) Preços (57) Preservação Ambiental (43) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (56) Produção vegetal (8) Produtividade (48) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (45) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (22) regulamentação (2) Relatório (14) renewable energy (19) RenovaBio (70) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (12) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (120) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (134) Segurança Energética (13) Selo Social (11) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (36) Sistemas Integrados (19) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (70) Solos (49) Sustainability (58) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (608) Tecnologia (47) Tempo (1) Títulos verdes (2) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (251) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página