Buscar

ES: espécies nativas podem ser atrativas na silvicultura

segunda-feira, março 22, 2021



O Espírito Santo já se consolidou como líder brasileiro de políticas de base florestal. Com um dos maiores polos nacionais de florestas plantadas com espécies exóticas, o estado foi pioneiro em iniciativas de restauração, como o Programa Reflorestar e também de produção sustentável, como o Programa Mais Floresta Produtiva. Agora, dando sequência a este protagonismo, o ES dá outro passo importante nesta direção ao instituir um Grupo de Trabalho  que tem como objetivo criar incentivos para que as espécies nativas tenham mais atratividade econômica, ganhem mercado e escala.

A iniciativa foi anunciada em um evento do Governo do Estado neste dia da água (22 de março), já que uma das medidas mais eficientes para garantir a segurança hídrica é investir nas florestas. Elas são fundamentais e influenciam diretamente no regime de chuvas e também na recuperação e preservação de nascentes. Estudos mostram ainda seu enorme potencial de filtragem de partículas, que podem gerar economia para os sistemas de captação e abastecimento de água.

Com alto potencial nos mercados interno e externo, as espécies nativas cumprem funções ecológicas importantíssimas e são capazes de gerar retornos econômicos consideráveis. Apesar disso, as mesmas ainda são pouco utilizadas na silvicultura por conta de inúmeros obstáculos, que vão desde a falta de investimento a questões de legislação. É nesse contexto que a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura – movimento formado por mais de 280 representantes do agronegócio, setor financeiro, sociedade civil e academia – e o governo do Espírito Santo decidiram iniciar uma parceria para apoiar o GT Nativas a implementar no estado um conjunto de propostas que visam superar esses entraves e dar escala à silvicultura de nativas.

A Coalizão Brasil propõe quatro linhas prioritárias para transformar o país em líder global neste tema: Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PDI); Marco Regulatório; Mercado; e Financiamento e Investimentos. É esse conhecimento que será aportado e alavancado no Grupo de Trabalho lançado pelo Governo do Espírito Santo.

“O Acordo de Paris, a Declaração de Nova York, a Iniciativa 20 x 20 e o Desafio de Bonn são iniciativas que reconhecem a restauração de florestas e o reflorestamento como uma estratégia fundamental para mitigar as mudanças climáticas e melhorar a resiliência econômica e social”, explica Miguel Calmon, líder do tema na Coalizão Brasil.  “A silvicultura de espécies nativas tem tudo para ser um bom negócio e, ao mesmo tempo, contribuir para a meta de restaurar e reflorestar os 12 milhões de hectares de terras degradadas que o Brasil assumiu sob o Acordo de Paris”, completa.

Hoje, o estado do Espírito Santo já possui programas de P&D de espécies nativas que são referência no Brasil, como a Reserva Natural Vale, além de contar com outras empresas como a Suzano, que podem impulsionar essa agenda por meio de sua cadeia produtiva. Organizações de conservação e restauração, como TNC Brasil, WRI Brasil e WWF Brasil também atuam na região e, assim como a Vale e a Suzano, integram a Coalizão Brasil e estarão à frente deste Grupo de Trabalho junto com o Governo do Estado.


Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (64) Agricultura (229) Agricultura 4.0 (4) agriculture (1) Agroenergia (125) Agroindústria (25) Agronegócio (205) Agropecuária (50) Água (18) Àgua (1) Alimentação Saudável (9) Alimentos (349) Amazônia (61) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (75) Arte (1) Artigo (44) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (4) Aviation market (20) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (413) Biodefensivos (1) Biodiesel (309) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (101) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (196) Biofertilizantes (9) Biofuels (103) Bioinsumos (9) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (42) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (80) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (40) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (25) CAR (3) Carbonatação (1) Carbono Neutro (3) Carbono Zero (17) Carvão Ativado (8) carvão vegetal (2) CBios (67) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (12) Cerrado (21) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (365) Clima e ambiente (267) climate changed (54) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (96) Combustíveis Fósseis (38) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (39) Crédito de Carbono (41) Crédito Rural (13) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (121) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (5) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Desenvolvimento Sustentável (167) Desmatamento (4) Diesel (17) Diesel Verde (21) eco-friendly (5) Economia (84) Economia Circular (10) Economia Internacional (112) Economia Sustentável (4) Economia Verde (172) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (51) Emissões de Carbono (45) Empreendedorismo (7) Empresas (114) Energia (95) energia limpa (7) Energia Renovável (251) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (12) Estudo (2) Etanol (79) Europa (1) event (11) Eventos (144) Exportações (88) Extrativismo (61) FAO (5) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Floresta (23) Floresta plantada (107) Fomento (34) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (6) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (113) Green Economy (127) health (23) História (1) IBP (1) ILPF (1) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (149) Instituição (1) Insumos (2) Investimento (4) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (9) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (51) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (580) Madeira (17) Mamona (1) Manejo e Conservação (104) MAPA (27) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (2) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (264) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4095) Mercado de Combustíveis (64) Mercado Financeiro (10) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (43) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (16) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (42) Mudanças Climáticas (33) mudas (2) Mundo (124) Nações Unidas (3) Negócios (5) net-zero (29) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (96) Oleochemicals (10) Óleos (250) Óleos Essenciais (7) Óleos Vegetais (18) OMC (2) ONGs (1) ONU (14) Oportunidade (5) Oportunidades (6) other (1) Palm (1) Palma (27) palmeiras (1) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (100) Personal Care (3) Pesquisa (71) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (31) PIB (5) pirólise (3) Plant Based (27) Política (81) Política Ambiental (2) Preços (57) Preservação Ambiental (43) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (56) Produção vegetal (8) Produtividade (48) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (45) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (22) regulamentação (2) Relatório (14) renewable energy (19) RenovaBio (70) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (12) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (120) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (134) Segurança Energética (13) Selo Social (11) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (36) Sistemas Integrados (19) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (70) Solos (49) Sustainability (58) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (608) Tecnologia (47) Tempo (1) Títulos verdes (2) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (251) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página