Buscar

Bieconomia foi tema de fórum realizado pela CNI

segunda-feira, novembro 30, 2020


Com o objetivo de debater as oportunidades e os desafios relacionados à Bioeconomia, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizou no dia 26 de novembro o Fórum Bioeconomia e a Indústria Brasileira. O Chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Alexandre Alonso, participou do painel “A Bioeconomia como Estratégia de Desenvolvimento”, ao lado de empresas como CropLife Brasil, L’Oréal Brasil, Raízen e Natura.


Uma das definições de bioeconomia é a que essa nova economia consiste na geração de renda e riqueza a partir do desenvolvimento de produtos derivados de recursos biológicos com o uso de tecnologias inovadoras. Segundo dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), na União Europeia, a Bioeconomia criou 18 milhões de empregos e movimentou € 2,3 trilhões em 2015.


Sobre este assunto, Alonso falou da experiência da Embrapa na atuação em bioeconomia. “A Embrapa é a principal empresa de pesquisa agropecuária atuante nos trópicos e tem a bioeconomia como uma das suas agendas mais estratégicas”, disse, lembrando que a empresa lançou recentemente o seu VII Plano Diretor da Embrapa e que as pesquisas com bioeconomia estão no cerne do que a empresa faz.


Alonso também falou da Embrapa Agroenergia, centro que dirige, cuja agenda é inteiramente focada no desenvolvimento de novas tecnologias e novos ativos tecnológicos para inserção no mercado de inovação em duas grandes vertentes, biocombustíveis e bioprodutos. “Essas duas cadeias de valor são bastante grandes nesse conceito da bioeconomia e é interessante poder discutir qual o papel da ciência, da tecnologia, da pesquisa, do desenvolvimento e da inovação na consolidação dessa bioeconomia”, afirmou. 


Os debates do fórum tiveram como foco a busca por estratégias que promovam eficiência no uso dos recursos naturais e na adequada adoção de tecnologias e processos industriais. Com 20% do total da biodiversidade do mundo, 12% das reservas de água doce, 8,5 milhões de km² de território e 3,6 milhões de km² de zona marítima, o Brasil tem como um de seus maiores desafios agregar valor e transformar essas vantagens comparativas em competitivas. 


Desafios para a inovação


Alonso também falou sobre as principais dificuldades para se promover a inovação no Brasil. “Para começar, precisamos pensar no próprio conceito de inovação, que pressupõe a introdução de uma novidade, um aperfeiçoamento no ambiente produtivo e social que vai resultar em novos produtos, serviços ou processos”, disse Alexandre.


Nesse sentido, Alonso afirmou que é preciso ter atenção à necessidade de estimular cada vez mais a proximidade entre as instituições de ciência, tecnologia e inovação, no qual a Embrapa está incluída, com empresas que atuam no segmento produtivo. “Precisamos favorecer o processo de codesenvolvimento e somar esforços para criar uma nova solução tecnológica, um novo produto, e também para facilitar o processo de transferência de tecnologia”.


Outro ponto abordado por Alonso foi a necessidade de estimular uma cultura de inovação no País, nas indústrias e empresas brasileiras, a fim de favorecer os ambientes de negócio. “Comentamos muito aqui sobre transição energética e para uma economia de baixo carbono. Eu acho que a gente carece de uma estratégia, um roadmap para essa transição que aponte efetivamente quais mercados, produtos, em quais horizontes de tempo, e acho que se somarmos esforços entre esses vários atores podemos construir esse roadmap e a partir dele ganhar sinergia entre diversos atores”, afirmou.


Alonso falou também da inovação aberta, e citou que pouquíssimas empresas no mundo detém conhecimento, infraestrutura e capacidade de realizarem pesquisa, desenvolvimento e inovação de modo fechado, por conta própria, então é preciso estimular essa interação pela inovação aberta.


Por fim, falou sobre o potencial brasileiro para adentrar na nova bioeconomia: “Temos uma agricultura pujante, muito diversificada, que atua num componente ambiental de preservação muito forte. E estamos caminhando para uma agricultura multifuncional, na qual não é produzido um único produto, mas vários, e aproveitar essa oportunidade que a agricultura brasileira nos fornece é fundamental”, disse.


“Temos a possibilidade concreta, com ciência e inovação, para valorar de forma sustentável essa biodiversidade procurando bioativos e moléculas químicas de valor agregado. Isso somado ao ambiente de inovação efervescente que temos no Brasil, junto com a indústria empreendedora e inovadora, cria um ambiente muito favorável para equacionar algumas dificuldades e deslanchar no campo da Bioeconomia. O Brasil tem não somente potencial como efetivamente vai ajudar a liderar essa transição energética para uma economia de baixo carbono no mundo”, finalizou.


Para assistir a palestra de Alexandre Alonso e dos demais convidados no Fórum Bioeconomia e a Indústria Brasileira promovido pela CNI, clique aqui


Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (67) Agricultura (246) Agricultura 4.0 (5) agriculture (1) Agroenergia (126) Agroindústria (25) Agronegócio (215) Agropecuária (50) Água (19) Àgua (1) Alimentação Saudável (11) Alimentos (356) Amazônia (66) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (80) Arte (1) Artigo (44) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (5) Aviation market (21) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (2) Biochemistry (5) Biocombustíveis (420) Biodefensivos (3) Biodiesel (318) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (106) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (198) Biofertilizantes (10) Biofuels (103) Bioinsumos (11) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (43) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (82) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (46) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (27) CAR (3) Carbonatação (1) Carbono Neutro (5) Carbono Zero (17) Carvão Ativado (9) carvão vegetal (2) CBios (67) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (13) Cerrado (21) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (377) Clima e ambiente (274) Clima e ambiente Preços (1) climate changed (59) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (98) Combustíveis Fósseis (40) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (6) Copolímeros (2) Cosméticos (39) Crédito de Carbono (42) Crédito Rural (14) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (7) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Descarbonização (1) Desenvolvimento Sustentável (175) Desmatamento (4) Diesel (19) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (88) Economia Circular (11) Economia Internacional (113) Economia Sustentável (4) Economia Verde (173) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (52) Embrapa (2) Emissões de Carbono (53) Empreendedorismo (8) Empresas (135) Energia (95) energia limpa (10) Energia Renovável (252) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (18) Estudo (2) Etanol (79) Europa (1) event (11) Eventos (148) Exportações (89) Extrativismo (61) FAO (6) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Floresta (24) Floresta plantada (113) Fomento (38) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (7) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (113) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (3) História (1) IBP (1) ILPF (4) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (160) Instituição (1) Insumos (3) Investimento (6) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (10) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (52) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (583) Madeira (18) Mamona (1) Manejo e Conservação (104) MAPA (30) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (4) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (276) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4100) Mercado de Combustíveis (66) Mercado Financeiro (12) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (44) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (16) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (44) Mudanças Climáticas (35) mudas (2) Mundo (139) Nações Unidas (4) Negócios (8) net-zero (33) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (98) Oleochemicals (10) Óleos (250) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (19) OMC (2) ONGs (1) ONU (15) Oportunidade (5) Oportunidades (7) other (1) Palm (1) Palma (28) palmeiras (3) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (102) Personal Care (3) Pesquisa (76) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (32) PIB (5) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (27) Política (81) Política Ambiental (2) políticas públicas (1) Preços (62) Preservação Ambiental (45) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (60) Produção vegetal (10) Produtividade (49) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) químicos verdes (1) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (45) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (24) regulamentação (2) Relatório (14) renewable energy (19) RenovaBio (71) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (14) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (123) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (138) Segurança Energética (13) Selo Social (11) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (38) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (74) Solos (50) Sustainability (58) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (626) Tecnologia (48) Tempo (1) Títulos verdes (2) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (257) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página