Buscar

Estudo coordenado pela Embrapa propõe calendário para evitar perdas em El Niño e La Niña

terça-feira, outubro 20, 2020



Pesquisadores latino-americanos, entre eles da Embrapa, avaliaram os efeitos dos eventos climáticos El Niño e La Niña em regiões produtoras de grãos do Brasil e criaram um calendário de cultivo para reduzir os riscos de estresse hídrico e perdas de produção. O trabalho utilizou tecnologias de Big Data para avaliar a variação e a distribuição das chuvas em 50 municípios de Rondônia, Mato Grosso, Goiás e Tocantins, responsáveis por 39% da produção de grãos no País, segundo informações antecipadas ao Broadcast Agro pela Embrapa.


Uma das fontes do trabalho foram dados sobre precipitação diária (de 1980 a 2013) de 50 estações meteorológicas nesses Estados, reunidos pelo Instituto Brasileiro de Meteorologia (Inmet), segundo um dos coordenadores do trabalho, o pesquisador Alexandre Heinemann, da Embrapa Arroz e Feijão (GO). Essas informações foram associadas a outras, da Agência Nacional de Águas do Brasil (ANA) e da agência de Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa). Todos os dados fora processados por recursos de Big Data (ferramentas tecnológicas estatísticas e computacionais que cruzam e analisam grandes volumes de informações, com rapidez e qualidade, para gerar dados novos).


"Um dos objetivos desse estudo foi aprimorar os calendários de cultivo já existentes e desenvolver opções estratégicas de gestão do período de semeadura, a fim de diminuir riscos de estresse hídrico que acarretem perdas na produção", explicou Heinemann. Os novos calendários trazem indicações do período inicial, ótimo e final de semeadura para cada um dos municípios. No trabalho, computadores simularam as necessidades de crescimento, desenvolvimento e produção de lavouras.


"Usamos os melhores dados disponíveis para avaliar o impacto do El Niño e La Niña sobre a dinâmica da estação chuvosa para os cultivos de grãos, soja, milho e arroz, em Rondônia, Mato Grosso, Goiás e Tocantins", afirmou o pesquisador.


Geralmente, o início do período chuvoso e da semeadura da safra de verão vai do fim de setembro ao começo de novembro. Contudo, de acordo com a pesquisa, pode haver a necessidade de ajustes pela ocorrência de El Niño e La Niña. No município de Alta Floresta (MT), por exemplo, as fases divididas entre inicial, ótima/ideal e final para cultivo sofrem alteração. Em anos de El Niño, o início do plantio pode ser feito mais cedo, entre 16 e 20 de setembro; no caso de La Niña, os trabalhos podem começar entre 11 e 15 de setembro. Além disso, conforme o estudo, em anos com El Niño a janela de plantio acaba mais cedo, de 26 a 30 de outubro, enquanto com La Niña a semeadura pode ser estendida até meados de novembro (dias 16 a 20).


Outro resultado da pesquisa, apontado por Heinemann, é que El Niño e La Niña acarretam perdas de produção principalmente na segunda safra - cultivada a partir de fevereiro - em todos os Estados pesquisados. "A dupla safra, especialmente as rotações de soja e milho, comuns em Mato Grosso, Rondônia e regiões de Goiás, trazem risco de perda por falta de água durante a fase de enchimento de grãos. Nesses casos, uma opção é plantar na safrinha culturas menos suscetíveis a déficits hídricos, como o sorgo ao invés do milho, ou escolher variedades precoces de ciclo mais curto", diz.


Ele lembra que, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), El Niño e La Niña são partes de um mesmo fenômeno atmosférico e oceânico que ocorre no Oceano Pacífico Equatorial, denominado El Niño Oscilação Sul (Enos). O Enos refere-se às situações nas quais o Oceano Pacífico Equatorial está mais quente (El Niño) ou mais frio (La Niña) do que a média normal histórica. A mudança na temperatura do Oceano Pacífico Equatorial acarreta efeitos globais na temperatura e nas precipitações.


Heinemann destaca que o estudo pode contribuir para a tomada de decisão não somente de agricultores, mas também de governos, seguradoras e outros segmentos envolvidos na produção agrícola. Ele avalia que o trabalho poderá pode ser estendido a outros Estados brasileiros e diz que, futuramente, a pesquisa deverá estar conectada a sistemas de assistência técnica rural que auxiliem produtores a diminuir potenciais riscos às lavouras.


O pesquisador ressaltou, ainda, que, apesar de já existirem muitos trabalhos sobre o impacto de El Niño e La Niña em relação ao clima e à produtividade de culturas agrícolas, poucos avaliam as alterações relacionadas à variabilidade das chuvas e sua repercussão para culturas como soja, milho e arroz durante a primeira e segunda safras.


Além da Embrapa, a pesquisa teve a participação do Centro Internacional de Agricultura Tropical (Ciat-Colômbia), Grupo Consultivo de Pesquisa Agrícola Internacional (Cgiar-Colômbia) e Universidade Federal de Goiás (UFG). Também contou com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid). O estudo está publicado na íntegra no jornal científico International Journal of Climatology, editado pela Sociedade Meteorológica do Reino Unido.


Fonte: Broadcast Agro

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (29) Acrocomia aculeata (54) Agricultura (139) Agroenergia (121) Agroindústria (23) Agronegócio (138) Agropecuária (41) Água (8) Àgua (1) Alimentos (317) Amazônia (31) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (32) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (18) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (386) Biodiesel (277) Biodiversidade (4) Bioeconomia (69) Bioeletricidade (25) Bioenergia (176) Biofertilizantes (7) Biofuels (102) Bioinsumos (5) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (9) Bioproducts (2) Bioprodutos (19) Bioquerosene (39) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (74) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (12) Carbonatação (1) Carbono Zero (13) Carvão Ativado (7) CBios (50) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (9) Cerrado (13) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (311) Clima e ambiente (245) climate changed (47) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (22) Consciência Ecológica (23) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (33) Crédito de Carbono (39) Crédito Rural (4) Créditos de Descarbonização (23) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (4) Dados (1) Davos (3) Dendê (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (140) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (14) eco-friendly (4) Economia (68) Economia Circular (7) Economia Internacional (109) Economia Sustentável (1) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (16) Eficiência energética (44) Emissões de Carbono (13) Empreendedorismo (5) Empresas (48) Energia (83) Energia Renovável (239) Energia Solar Fotovoltaica (19) Etanol (70) Europa (1) event (11) Eventos (129) Exportações (75) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (12) Floresta plantada (103) Fomento (15) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (105) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (97) Instituição (1) Investimento (3) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (564) Madeira (14) Mamona (1) Manejo e Conservação (97) MAPA (16) Matéria Prima (1) Matéria-Prima (1) matérias-primas (2) Meio Ambiente (205) Melhoramento e Diversidade Genética (69) Mercado (4031) Mercado de Combustíveis (58) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (67) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (28) Mudanças Climáticas (26) Mundo (52) Nações Unidas (1) net-zero (12) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (82) Oleochemicals (8) Óleos (246) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (2) ONGs (1) ONU (10) Oportunidade (2) Oportunidades (2) other (1) Palma (20) Paris Agreement (89) Pecuária (79) Pegada de Carbono (83) Personal Care (3) Pesquisa (49) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (21) Política (77) Preços (31) Preservação Ambiental (28) Produção Animal (7) Produção Sustentável (40) Produção vegetal (3) Produtividade (37) Produtos (150) Proteção Ambiental (10) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (3) Relatório (11) renewable energy (19) RenovaBio (54) Report (1) Research and Development (10) Resíduos (6) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (98) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (102) Segurança Energética (12) Selo Social (5) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (24) Sistemas Integrados (13) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (61) Solos (36) Sustainability (54) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (539) Tecnologia (35) Transportes (5) Turismo Sustentável (5) Unica (1) Vídeo (235) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página