Buscar

Reduzir pegada de carbono pode ser vital para competitividade do óleo brasileiro

terça-feira, setembro 01, 2020



O Brasil deve utilizar sua matriz renovável para agregar valor à indústria de óleo e gás no mercado internacional, em um sistema em que iniciativas de descarbonização que colabore não apenas para uma economia mais limpa, mas também para a competitividade do setor.

Discussão promovida por Giovani Machado, diretor da , durante o painel sobre a transição energética no Plano Nacional de Energia – PNE 2050 nos Diálogos da Transição.

“Não acreditamos numa virada de chave, mas em um processo com formas hibridas. (…) O Brasil não pode perder suas vantagens competitivas e uma delas, sem dúvida é o caráter renovável da sua matriz, que deve ser entendido com um ativo geopolítico”, afirma.

Ele alerta que o Brasil tende a ser cada vez mais um exportador relevante de petróleo, com uma produção crescente que não será absorvida pelo mercado interno. E o mercado precisa levar em consideração o risco de o óleo encontrar restrições no mercado internacional, em um cenário de transição energética acelerada.

Segundo ele, é necessário “que a própria indústria de óleo e gás se aproveite das alternativas que o Brasil dá para que ela consiga mostrar ao mundo que possui um barril de petróleo com uma pegada ambiental menor que a maior parte dos países. Isso é um fator de diferenciação que pode gerar um prêmio de qualidade ao óleo brasileiro”.

Machado explicou que essa redução da pegada ambiental pode se dar de duas formas. A primeira, por meio da incorporação de fontes renováveis nas operações do próprio setor de óleo e gás, como por exemplo, a utilização de energia de eólicas offshore que operam no entorno das plataformas.

A outra maneira seria o direcionamento dos rendimentos da indústria petrolífera para financiar parte da transição energética e também mitigar as emissões de carbono.

“Usar a renda gerada nesse segmento para financiar boa parte dessa transição energética (…) E usar parte da própria riqueza gerada no óleo e gás para financiar reflorestamento (…) Existem oportunidades de fazer sequestro de carbono em reservatórios depletados”.

Biomaterias: transição e desenvolvimento econômico

O PNE 2050 também considera o potencial do Brasil para disputar o mercado internacional de biomateriais, como bioplásticos e biolubrificantes, derivados de biomassa.

“Materiais associados a uma lógica de biotecnologia, biorefinarias, ou de complexos energéticos podem transformar e tornar essa trajetória brasileira para transição energética bem mais vantajosa do ponto de vista de desenvolvimento econômico”, disse Machado.

Ele também vê oportunidades para o país no segmento de biocombustíveis avançados, como bioquereosene de aviação e o diesel verde.

“Se além do mais contribuirmos para o desenvolvimento de combustíveis avançados, vamos conseguir formar um mercado global”, defendeu.

Entre os desafios estratégicos para o setor de energia, Giovani apontou que o Brasil está atrasado em relação a outros países quando se fala em conectividade e inteligência artificial, que aumentam a competitividade e eficiência.

“Do ponto de vista da digitalização, o Brasil ainda tem passos importantes para dar”, disse o diretor da EPE, que também chamou a atenção para o pouco aproveitamento da posição estratégica que o país ocupa no cenário local e internacional.

“O Brasil ainda faz uso limitado da integração regional e global. Podemos buscar as vantagens logísticas regionais”, concluiu Machado, ressaltando que ainda que o GNL venha se globalizando, apenas o Gasbol e a Usina de Itaipu marcam relações de políticas energéticas do Brasil com países vizinhos.

Fonte: Agência EPBR

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (29) Acrocomia aculeata (56) Agricultura (143) Agroenergia (121) Agroindústria (23) Agronegócio (140) Agropecuária (41) Água (10) Àgua (1) Alimentos (321) Amazônia (34) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (33) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (19) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (386) Biodiesel (279) Biodiversidade (4) Bioeconomia (73) Bioeletricidade (25) Bioenergia (177) Biofertilizantes (7) Biofuels (102) Bioinsumos (6) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (9) Bioproducts (2) Bioprodutos (20) Bioquerosene (39) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (74) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (12) Carbonatação (1) Carbono Zero (13) Carvão Ativado (7) CBios (50) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (10) Cerrado (15) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (315) Clima e ambiente (246) climate changed (47) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (24) Consciência Ecológica (23) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (33) Crédito de Carbono (39) Crédito Rural (4) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (4) Dados (1) Davos (3) Dendê (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (141) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (14) eco-friendly (4) Economia (70) Economia Circular (7) Economia Internacional (109) Economia Sustentável (1) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (16) Eficiência energética (44) Emissões de Carbono (15) Empreendedorismo (6) Empresas (48) Energia (83) Energia Renovável (241) Energia Solar Fotovoltaica (19) Etanol (71) Europa (1) event (11) Eventos (132) Exportações (75) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (13) Floresta plantada (103) Fomento (16) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (106) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (101) Instituição (1) Investimento (3) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (48) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (565) Madeira (14) Mamona (1) Manejo e Conservação (98) MAPA (17) Matéria Prima (1) Matéria-Prima (1) matérias-primas (2) Meio Ambiente (209) Melhoramento e Diversidade Genética (69) Mercado (4032) Mercado de Combustíveis (59) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (69) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (30) Mudanças Climáticas (27) Mundo (54) Nações Unidas (1) net-zero (12) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (82) Oleochemicals (8) Óleos (247) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (3) ONGs (1) ONU (10) Oportunidade (2) Oportunidades (2) other (1) Palma (20) Paris Agreement (90) Pecuária (79) Pegada de Carbono (86) Personal Care (3) Pesquisa (49) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (21) Política (77) Preços (31) Preservação Ambiental (28) Produção Animal (7) Produção Sustentável (40) Produção vegetal (3) Produtividade (39) Produtos (150) Proteção Ambiental (10) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (4) Relatório (11) renewable energy (19) RenovaBio (56) Report (1) Research and Development (10) Resíduos (6) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (98) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (105) Segurança Energética (12) Selo Social (5) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (24) Sistemas Integrados (13) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (62) Solos (37) Sustainability (55) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (542) Tecnologia (36) Transportes (5) Turismo Sustentável (5) Unica (1) Vídeo (237) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página