Buscar

Plataforma ajuda a neutralizar emissão de CO2

sexta-feira, setembro 25, 2020



A preocupação com o meio ambiente vem crescendo constantemente e cada vez mais ganha espaço nas agendas prioritárias das organizações, tanto no Brasil quanto globalmente. Diante disso, a BlockC, empresa especializada na neutralização das emissões de gases de efeito estufa (GEE), contou com o apoio da Logicalis, empresa global de soluções e serviços de tecnologia da informação e comunicação, para o desenvolvimento de uma plataforma baseada em blockchain, que simplifica o processo de neutralização de carbono (CO2), ajudando as empresas nesse movimento, nem sempre tão simples. 

A gestão responsável dos recursos tem estimulado o investimento de tempo e dinheiro por parte de pessoas e empresas na redução dos seus impactos na natureza, gerando resultados favoráveis, não somente para a população atual como também para as gerações futuras. Isso sem falar nas próprias empresas, que passaram a ser valorizadas pelos consumidores por suas ações nesse sentido, trazendo, inclusive, ganhos financeiros.

Uma das formas das empresas minimizarem seu impacto no meio ambiente é por meio da neutralização dos gases de efeito estufa. A plataforma que foi criada permite de forma simples e confiável neutralizar a pegada de carbono decorrente do consumo de energia elétrica por meio de Certificados de Energia Renovável (RECs). A solução, baseada em blockchain, garante rastreabilidade, segurança, transparência e auditabilidade de todas as transações realizadas por meio dela. 

“A plataforma orquestra um ecossistema de empresas que se relacionam e trocam informações por meio de ativos ambientais, como certificados de energia renovável, créditos de carbono ou certificados de descarbonização de biocombustível”, explica Eduardo Terzariol, gerente sênior de tecnologia da Logicalis. “Pioneira no mercado, a iniciativa segue as metodologias da ONU para o cálculo de emissões de gases de efeito estufa das companhias. A plataforma automatiza esse processo de contabilização ou inventário das emissões de GEE com base na cadeia produtiva da empresa, desde os fornecedores, passando pelos transportadores até o cliente final”, completa.

Para que se o cálculo seja feito de forma padronizada em todo o mundo, em 1998, o World Resources Institute (WRI) criou o GHG Protocol.  Esse é o método mais utilizado em todo o mundo por empresas e governos para a realização de inventários de GEE, sendo a base da plataforma BlockC. Dentre as características dessa metodologia destacam-se o fato de ela ser modular e flexível, englobando três tipos diferentes de escopos de emissões:
 
Escopo 1: emissões diretas de GEE provenientes de fontes que pertencem ou são controladas pela organização

Escopo 2: emissões indiretas de GEE provenientes da aquisição de energia elétrica que é consumida pela organização

Escopo 3: categoria de relato opcional, a qual considera todas as outras emissões indiretas, provenientes das atividades da organização que ocorrem em fontes não pertencentes a ela ou não submetidas a seu controle

Adriano Nunes, co-founder e COO da BlockC esclarece que a neutralização das emissões dos gases de efeito estufa ainda é uma decisão voluntária de cada empresa ou pessoa física. “A iniciativa ganhou força no país, especialmente após o Acordo de Paris, em 2015, e vem crescendo ao longo dos últimos anos. Decidimos investir numa tecnologia que automatiza esse processo visando impulsionar ainda mais esse movimento no Brasil ao torná-los mais simples e rápido, tudo isso lastreado em certificados emitidos pela BlockC e certificados por empresas reconhecidas mundialmente, como a SGS, por exemplo”. 

Já é sabido pelas organizações que é possível - e necessário - conciliar crescimento financeiro com a preservação de recursos naturais. Ao fazer a neutralização de suas emissões de CO2, além de se comprometer publicamente com o meio ambiente, tornando suas operações mais sustentáveis, as empresas ainda conquistam uma série de benefícios, como: acesso a créditos financeiros especiais, além de credibilidade e competitividade de mercado diante de uma população cada vez mais exigente.

Fonte: Clima Tempo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (24) Acrocomia aculeata (51) Agricultura (125) Agroenergia (120) Agroindústria (21) Agronegócio (127) Agropecuária (38) Água (3) Àgua (1) Alimentos (306) Amazônia (26) animal nutition (1) ANP (66) Arte (1) Artigo (30) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (17) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (381) Biodiesel (271) Biodiversidade (3) Bioeconomia (63) Bioeletricidade (25) Bioenergia (168) Biofertilizantes (5) Biofuels (102) Bioinsumos (3) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (8) Bioproducts (2) Bioprodutos (16) Bioquerosene (38) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (68) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (9) Carbonatação (1) Carbono Zero (8) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (8) Cerrado (13) Ciência e Tecnologia (298) Clima e ambiente (244) climate changed (45) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (15) Consciência Ecológica (22) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (30) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Dendê (1) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (129) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (15) Eficiência energética (42) Emissões de Carbono (4) Empreendedorismo (4) Empresas (33) Energia (83) Energia Renovável (237) Energia Solar Fotovoltaica (18) Etanol (67) Europa (1) event (11) Eventos (116) Exportações (69) Extrativismo (51) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (6) Floresta plantada (100) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (102) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (85) Instituição (1) Investimento (2) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (560) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (93) MAPA (12) Matéria Prima (1) matérias-primas (1) Meio Ambiente (186) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4027) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (65) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (18) Mundo (44) Nações Unidas (1) net-zero (9) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (246) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (1) ONGs (1) ONU (9) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (18) Paris Agreement (87) Pecuária (78) Pegada de Carbono (81) Personal Care (3) Pesquisa (39) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (18) Política (74) Preços (29) Preservação Ambiental (24) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produção vegetal (2) Produtividade (32) Produtos (150) Proteção Ambiental (9) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (1) Relatório (8) renewable energy (19) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (5) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (92) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (90) Segurança Energética (12) Selo Social (5) Sistema Agroflorestal (21) Sistemas Integrados (10) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (57) Solos (27) Sustainability (54) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (511) Tecnologia (26) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (234) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página