Buscar

Norte-americana inova lançando hambúrguer OGM

quarta-feira, setembro 30, 2020





A Impossible Foods, a empresa de alimentos que ficou famosa por revolucionar o mundo dos hambúrgueres vegetarianos ao lançar o primeiro hambúrguer que "sangra" e não contém hormônios animais ou antibióticos, está inovando novamente. Ela acaba de anunciar que será a primeira empresa a incluir um 'Alimento feito por Bioengenharia de Organismos Geneticamente Modificados (OGM)' em sua embalagem. 


Em 2016, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou o projeto de lei que exige a rotulagem de alimentos produzidos com ingredientes geneticamente modificados por OGM. Após anos de debates e reivindicações legais, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos finalmente aprovou em dezembro de 2018 o regulamento final que será obrigatório a partir do próximo ano. 


Ao contrário de seu maior concorrente, Beyond Meat, que prega a verificação do Projeto Não-OGM para todas as suas proteínas vegetais, a Impossible Foods usa vários ingredientes geneticamente modificados. A empresa que alcançou o sucesso retumbante no Burger King escreveu extensivamente sobre o uso da engenharia genética, afirmando que a segurança de seus produtos é apoiada por numerosos experimentos científicos e chamando algumas vozes opostas de "anticientíficas". 


Desde que Impossible Foods estreou em restaurantes, grupos de defesa como o Center for Food Safety, o Non-GMO Project e Friends of the Earth levantaram preocupações sobre a pesquisa disponível sobre os ingredientes de seus produtos. 


“Permanece uma séria divisão entre a comunidade científica e o público consumidor, certificando que as autoridades não estão mediando adequadamente e que os consumidores estão recebendo educação inadequada sobre os prós e os contras dos OGM. Como uma tecnologia heroica para a sustentabilidade, a nutrição da população e o apoio à economia dos agricultores, os OGMs são vítimas de uma percepção negativa e estão bastante alinhados com as demandas predominantes dos consumidores”, afirma o Genetic Literacy Project, uma ONG em favor dos OGMs. 


Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (24) Acrocomia aculeata (51) Agricultura (126) Agroenergia (120) Agroindústria (22) Agronegócio (129) Agropecuária (38) Água (4) Àgua (1) Alimentos (306) Amazônia (27) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (31) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (17) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (382) Biodiesel (272) Biodiversidade (3) Bioeconomia (66) Bioeletricidade (25) Bioenergia (169) Biofertilizantes (5) Biofuels (102) Bioinsumos (3) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (8) Bioproducts (2) Bioprodutos (16) Bioquerosene (38) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (68) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (9) Carbonatação (1) Carbono Zero (8) Carvão Ativado (6) CBios (48) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (8) Cerrado (13) Ciência e Tecnologia (300) Clima e ambiente (244) climate changed (46) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (15) Consciência Ecológica (22) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (30) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (23) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Dendê (2) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (132) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (15) Eficiência energética (42) Emissões de Carbono (4) Empreendedorismo (4) Empresas (34) Energia (83) Energia Renovável (237) Energia Solar Fotovoltaica (18) Etanol (68) Europa (1) event (11) Eventos (117) Exportações (69) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (6) Floresta plantada (100) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (104) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (86) Instituição (1) Investimento (2) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (561) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (93) MAPA (12) Matéria Prima (1) matérias-primas (1) Meio Ambiente (188) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4027) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (65) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (20) Mundo (44) Nações Unidas (1) net-zero (9) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (246) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (1) ONGs (1) ONU (9) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (18) Paris Agreement (87) Pecuária (78) Pegada de Carbono (81) Personal Care (3) Pesquisa (40) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (18) Política (75) Preços (30) Preservação Ambiental (25) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produção vegetal (2) Produtividade (32) Produtos (150) Proteção Ambiental (9) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (1) Relatório (10) renewable energy (19) RenovaBio (51) Research and Development (10) Resíduos (5) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (92) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (90) Segurança Energética (12) Selo Social (5) Sistema Agroflorestal (21) Sistemas Integrados (10) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (57) Solos (27) Sustainability (54) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (513) Tecnologia (26) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (234) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página