Buscar

Há espaço para desenvolvimento científico e tecnológico na indústria de biodiesel, diz Ubrabio

quinta-feira, julho 09, 2020

“Apesar de já termos 50 indústrias, há no biodiesel um espaço muito maior de desenvolvimento científico e tecnológico do que na indústria do petróleo, por exemplo”. A afirmação foi feita pelo diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski, durante live promovida pela Embrapa Agroenergia nesta quinta-feira (09/07).

O objetivo do encontro foi apresentar as contribuições da ciência e tecnologia para o desenvolvimento da cadeia de biocombustíveis no Brasil e como investimentos em inovação podem ajudar na expansão dos renováveis.

Sob a moderação do chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Alexandre Alonso, o evento online contou ainda com a participação do Diretor de Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Miguel Ivan Lacerda; do presidente da Unica, Evandro Gussi e do professor da Unicamp, Gonçalo Pereira.

Segundo Tokarski, as ações da Embrapa contribuíram muito para a implementação do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), que é hoje uma política de Estado sustentável técnica e economicamente, com qualidade, preços competitivos, e produção a partir de diferentes fontes de oleaginosas e em diversas regiões do país.

Desafios tecnológicos

“A ações voltadas à PD&I podem contribuir na superação dos desafios tecnológicos identificados na área de biodiesel”, afirmou o diretor superintendente da Ubrabio.

Dentre os desafios, Tokarski elencou sete: 1) diversificar as fontes de matérias-primas; 2) aumentar o uso de materiais graxos de baixa qualidade e de menor custo; 3) otimizar tecnologias de produção de biodiesel e de derivados graxos; 4) simplificar metodologias de controle da qualidade; 5) garantir a qualidade do biodiesel durante o transporte e armazenamento; 6) aumentar os percentuais de mistura com óleo diesel, com garantia de qualidade na produção, pós-produção e uso em motores e veículos; e 7) agregar valor aos coprodutos provenientes da cadeia de produção e uso.

“No campo de qualidade, a Ubrabio defende inclusive um Programa de Qualidade Unificado. Vale também lembrar que o nosso biodiesel já tem qualidade, diante das exigências das resoluções da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), superior às especificações da Europa ou EUA”, destacou.

Rastreabilidade da soja

A questão da rastreabilidade e elegibilidade da soja, e de outras matérias primas, essenciais a produção de biodiesel foi outro ponto abordado pelo superintendente da Ubrabio.

“A certificação de origem da soja está muito prejudicada análise de ciclo de vida da Renovacalc, o que dificulta muito a possibilidade de emissões de CBios neste importante programa que é o RenovaBio. Entretanto, já alinhamos com a Embrapa para elaborarmos uma metodologia para trabalhar a elegibilidade e, em um segundo momento, a rastreabilidade da soja”, revelou.

Novas matérias-primas alternativas à soja

“Só no Cerrado, segundo a própria Embrapa, temos mais de 12 mil espécies de plantas e com certeza várias dessas espécies poderiam ser utilizadas na produção de óleos, assim como em outros biomas”, conta Tokarski.

Para ele, é preciso que o CNPq promova prioritariamente linhas de pesquisa para biocombustíveis facilitando bolsas para mestrado e doutorado.

Além disso, ele acredita que associações ligadas aos biocombustíveis como a Ubrabio e a Unica deveriam ter representantes nos Conselhos Científicos do CNPq e da CAPES a fim de nortear os reais interesses e desafios científicos a serem resolvidos.

“A maior fonte de recursos para C&T no Brasil são recursos provenientes das empresas produtoras de petróleo (Petrobras, Shell, Total, Galp, Sinochem, Equinor etc). Deveríamos apoiar que um percentual mínimo (20%, por exemplo) seja aplicado em biocombustíveis”, completou.

Bioquerosene e diesel verde (HVO)

A introdução de novos biocombustíveis na matriz energética também teve espaço no diálogo.

De acordo com Tokarski, a grande discussão é como fazer o bioquerosene e o HVO (diesel verde) entrarem no mercado e para isso é preciso um Marco Regulatório que contemple os diversos elos dessas cadeias, garantindo previsibilidade de longo prazo.

Ao final do encontro, Tokarski anunciou que na semana de 10 a 14 de agosto, a Ubrabio vai promover um ciclo de webinars para discutir as diversas questões ligadas ao setor de biodiesel no Brasil e no mundo, na Biodiesel WeekSaiba mais aqui

Fonte: Ubrabio

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (22) Abiove (7) Acordo Internacional (19) Acrocomia aculeata (41) Agricultura (66) Agroenergia (90) Agroindústria (18) Agronegócio (86) Agropecuária (26) Alimentos (270) Amazônia (11) animal nutition (1) ANP (51) Arte (1) Artigo (16) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (344) Biodiesel (239) Bioeconomia (44) Bioeletricidade (21) Bioenergia (130) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Biomass (7) Biomassa (80) Biomateriais (2) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (13) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (48) Bolsa de Valores (20) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (12) Capacitação (3) Carbonatação (1) Carvão Ativado (6) CBios (39) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (9) Ciência e Tecnologia (264) Clima e ambiente (235) climate changed (41) CNA (1) Cogeração de energia (27) Combustíveis (71) Combustíveis Fósseis (23) Comércio (15) Consciência Ecológica (19) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (25) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (18) Cultivo (104) Curso (3) Davos (3) Desenvolvimento Sustentável (94) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (61) Economia Circular (3) Economia Internacional (108) Economia Verde (167) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (34) Empreendedorismo (2) Empresas (17) Energia (72) Energia Renovável (227) Energia Solar Fotovoltaica (13) Etanol (57) Europa (1) event (10) Eventos (105) Exportações (60) Extrativismo (40) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (3) Floresta plantada (95) Fomento (4) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (2) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (96) Green Economy (124) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (58) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (549) Madeira (10) Mamona (1) Manejo e Conservação (82) MAPA (8) Meio Ambiente (159) Melhoramento e Diversidade Genética (65) Mercado (3987) Mercado de Combustíveis (48) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (62) Mercado Internacional (31) Metas (2) Milho (9) MME (20) Mudanças Climáticas (13) Mundo (26) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (72) Oleochemicals (8) Óleos (240) Óleos Essenciais (2) ONU (7) other (1) Palma (14) Paris Agreement (82) Pecuária (72) Pegada de Carbono (73) Personal Care (2) Pesquisa (19) Petrobras (6) Petróleo (22) PIB (1) pirólise (3) Plant Based (14) Política (73) Preços (24) Preservação Ambiental (17) Produção Animal (4) Produção Sustentável (33) Produtividade (23) Produtos (150) Proteção Ambiental (5) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (37) Recuperação Econômica (3) Relatório (6) renewable energy (17) RenovaBio (42) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (3) Segurança Alimentar (75) Segurança Energética (11) Selo Social (2) Sistema Agroflorestal (18) Sistemas Integrados (6) Soil (9) Soja (47) Solos (18) Sustainability (49) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (462) Tecnologia (14) Transportes (4) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (226) World Economy (76)

Total de visualizações de página