Buscar

Fintech cria bolsa de créditos de carbono para pessoas físicas

sexta-feira, junho 19, 2020



O mercado de créditos de carbono é tido como uma solução para o aquecimento global. A ideia é que grandes poluidores compensem suas emissões pagando a quem não polui. As transações podem ser entre empresas ou países. O Brasil, por abrigar a maior floresta do mundo, a Amazônia, tem enorme potencial para se beneficiar desse mercado. 

No ano passado, a Amazon fez um compromisso de se tornar neutra em carbono até 2040. Dessa forma, se uniu a outras gigantes, como Microsoft e Apple, que também se comprometeram em zerar as emissões. Para atingir esse objetivo, elas terão de comprar créditos em larga escala. Somente essas três companhias vão gerar uma demanda superior a 60 milhões de toneladas, nos próximos anos. 

Atento a esse potencial, um ex-vice-presidente do Credit Suisse e gestor de um fundo de 500 milhões de dólares criou uma fintech para permitir que pessoas físicas participem desse mercado. A Moss vai funcionar como uma bolsa de créditos de carbono, em que investidores podem adquirir ativos quando ainda estão baratos, e vendê-los quando o preço subir. “Vai faltar crédito”, afirma Luis Felipe Adaime, fundador da startup. 

A compra e venda de créditos de carbono funciona como qualquer outro mercado de commodities. O preço é determinado pela lógica da oferta e da procura. Em momentos de escassez, o preço sobe. Adaime acredita que, agora, é um momento bom para entrar nesse mercado. “Com essa quantidade de compromissos assinados, haverá uma corrida por créditos de boa qualidade”, afirma o empreendedor. “E o Brasil tem os melhores créditos do mundo”.

Em três meses de operação, a Moss já adquiriu 7,5 milhões de créditos de carbono. Por meio de sua plataforma, os investidores podem comprar esses créditos ao custo de 10 dólares cada um — 1 crédito representa 1 tonelada de carbono que teve sua emissão evitada ou foi retirada da atmosfera. Esses ativos estão associados a projetos certificados internacionalmente, a maioria deles na Amazônia. 

Quando uma empresa compra créditos de carbono de outra empresa, ela neutraliza aquelas emissões imediatamente. A partir dessa compensação, o crédito não pode mais ser utilizado. O que a Moss faz é permitir que o investidor não utilize os créditos imediatamente, ou seja, ele pode guardá-los e vendê-los posteriormente. Independentemente de quando a compensação for feita, o dinheiro investido é direcionado para o projeto no ato da compra.  

Segundo Adaime, o Brasil não utiliza todo seu potencial em créditos de carbono. “A demanda por créditos da Amazônia é imensa”, diz ele. A ideia da fintech ambiental surgiu de uma observação que fez quando ainda trabalhava no mercado financeiro.  “Eu falava com o pessoal de meio ambiente e eles reclamavam que o mercado era difícil por falta de demanda. Mas quando eu conversava com os investidores, eles me falavam que o mercado era difícil por falta de oferta”, relata. “Percebi que o pessoal não estava se comunicando.”  

Além do Brasil, a Moss tem planos de conquistar mercados externos. A fintech prepara o lançamento de uma plataforma em inglês, que vai aceitar pagamentos por meio de cartões de crédito internacionais. Para os brasileiros, o investimento deve ser feito por meio de boleto ou transferência bancária. 

Acordo de Paris

A regulamentação de um mercado global de carbono é uma das diretrizes do Acordo de Paris. As tratativas, no entanto, esbarram na falta de entendimento entre os países desenvolvidos e os emergentes. 

Atualmente, os principais mercados de carbono regulados estão na Europa, na China e nos Estados Unidos. Embora o presidente Donald Trump tenha retirado a maior economia do mundo do Acordo de Paris, boa parte dos estados americanos possui seus próprios mercados. Alguns estão entre os maiores do mundo, como o da Califórnia. 

O Brasil não possui um mercado regulado, o que não impede o país de negociar créditos. Há uma espécie de mercado paralelo, em que empresas compram livremente o carbono certificado. No ano passado, o Brasil emitiu cerca de 5 milhões em créditos. 

Fonte:  Exame

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (19) Abiove (6) Acordo Internacional (11) Acrocomia aculeata (35) Agricultura (31) Agroenergia (46) Agroindústria (13) Agronegócio (60) Agropecuária (22) Alimentos (258) Amazônia (8) animal nutition (1) ANP (41) Arte (1) Artigo (10) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (313) Biodiesel (207) Bioeconomia (36) Bioeletricidade (13) Bioenergia (99) Biofertilizantes (3) Biofuels (102) Biomass (7) Biomassa (72) Biomateriais (2) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (6) Bioquerosene (32) Biotechnology (34) Biotecnologia (30) Bolsa de Valores (15) Brasil (9) Brazil (28) Cadeia Produtiva (9) Capacitação (2) Carbonatação (1) Carvão Ativado (6) CBios (33) CCEE (1) Celulose (4) Cerrado (8) Ciência e Tecnologia (243) Clima e ambiente (212) climate changed (41) CNA (1) Cogeração de energia (25) Combustíveis (59) Combustíveis Fósseis (19) Comércio (10) Consciência Ecológica (15) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (23) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (15) Cultivo (100) Curso (3) Davos (3) Desenvolvimento Sustentável (62) Diesel (12) Diesel Verde (6) eco-friendly (4) Economia (53) Economia Circular (2) Economia Internacional (108) Economia Verde (166) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (13) Eficiência energética (31) Empreendedorismo (2) Empresas (8) Energia (66) Energia Renovável (214) Energia Solar Fotovoltaica (9) Etanol (46) Europa (1) event (10) Eventos (98) Exportações (52) Extrativismo (34) FAO (2) Farelos (40) farm (1) Fibras (9) Finanças (3) Floresta plantada (91) Fomento (2) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (24) Gás (1) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (1) Global warming (92) Green Economy (124) health (22) IBP (1) Incentivos (2) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (48) IPCC (14) L72 (4) L73 (6) Legislação (6) Lignina (5) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (543) Madeira (8) Mamona (1) Manejo e Conservação (63) MAPA (5) Meio Ambiente (136) Melhoramento e Diversidade Genética (62) Mercado (3968) Mercado de Combustíveis (43) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (62) Mercado Internacional (29) Metas (2) Milho (4) MME (14) Mudanças Climáticas (9) Mundo (16) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (57) Oleochemicals (8) Óleos (239) Óleos Essenciais (2) ONU (5) other (1) Palma (10) Paris Agreement (81) Pecuária (71) Pegada de Carbono (69) Personal Care (2) Pesquisa (18) Petrobras (6) Petróleo (22) PIB (1) pirólise (2) Plant Based (14) Política (73) Preços (18) Preservação Ambiental (8) Produção Animal (2) Produção Sustentável (29) Produtividade (12) Produtos (150) Proteção Ambiental (2) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (36) Recuperação Econômica (2) Relatório (6) renewable energy (17) RenovaBio (36) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (1) Segurança Alimentar (74) Segurança Energética (8) Selo Social (2) Sistema Agroflorestal (14) Sistemas Integrados (4) Soil (9) Soja (32) Solos (13) Sustainability (48) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (439) Tecnologia (5) Transportes (3) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (221) World Economy (76)

Total de visualizações de página