Buscar

Prédio modular de madeira promete pegada de carbono zero

quarta-feira, março 18, 2020

Prédio de madeira modular pode ter pegada de carbono zero
Edifício modular de madeira
Ainda não são os arranha-céus de madeira resistentes a terremotos que a tecnologia promete, mas é mais uma demonstração de que a construção civil pode estar achando um caminho mais sustentável para viabilizar os prédios de madeira.
Engenheiros e arquitetos do MIT estão trabalhando com a empresa de engenharia Placetailor em um prédio de madeira laminada para demonstrar que a madeira também pode ser usada em construções modulares, que saem mais baratas e podem ser erguidas mais rapidamente.
O edifício, que será construído na cidade de Boston, será montado no local principalmente a partir de subunidades construídas em uma fábrica, de forma a baixar o custo de construção.
E, segundo seus criadores, o edifício será tão eficiente em termos de energia que suas emissões líquidas de carbono serão essencialmente zero.
Segundo o engenheiro John Klein, líder do projeto, a construção de prédios modulares de madeira está sendo viabilizada por desenvolvimentos tecnológicos recentes, envolvendo a produção de componentes de madeira em larga escala, com a tradicional madeira maciça, e o uso de novas técnicas para a fabricação de materiais de madeira em escala industrial.
Entre esses materiais industriais destaca-se a madeira laminada cruzada, um produto de madeira colada em várias camadas, com as fibras orientadas perpendicularmente entre uma camada e outra.
Edifícios com baixa emissão
Prédio modular de madeira promete pegada de carbono zero
Fruto de uma colaboração chamada "Projeto de Demonstração de Casa Passiva", o edifício consistirá em 14 unidades residenciais de vários tamanhos, além de um espaço de trabalho no térreo.
Klein e seus colegas modelaram nove versões diferentes de um edifício de madeira maciça de oito andares, juntamente com uma versão de aço e outra de concreto do mesmo prédio, todas com a mesma escala e especificações gerais. Sua análise mostrou que os materiais para o edifício à base de aço produziriam as maiores emissões de efeito estufa - a versão de concreto produziria 8% menos, enquanto a versão do edifício de madeira maciça produzirá 53% menos.
Como os elementos estruturais de madeira são naturalmente bons isolantes, as necessidades de energia do edifício para aquecimento e resfriamento serão reduzidas em comparação à construção convencional, disse Klein. Esses elementos também produzem muito bom isolamento acústico, além do que o edifício foi projetado para ter painéis solares no telhado, o que ajudará a compensar o uso de energia do edifício.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (2) Acordo Internacional (2) Acrocomia aculeata (27) Agricultura (1) Agroenergia (4) Agronegócio (6) Agropecuária (2) Alimentos (237) Amazônia (1) animal nutition (1) ANP (8) Arte (1) Artigo (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (14) Bebidas (1) Biochemistry (3) Biocombustíveis (228) Biodiesel (121) Bioeconomia (24) Bioeletricidade (7) Bioenergia (31) Biofertilizantes (2) Biofuels (96) Biomass (7) Biomassa (67) Biomateriais (1) Biopolímeros (5) Bioprodutos (1) Bioquerosene (22) Biotechnology (29) Biotecnologia (18) Brasil (5) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Carvão Ativado (5) CBios (5) CCEE (1) Celulose (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (209) Clima e ambiente (196) climate changed (34) Cogeração de energia (14) Combustíveis (23) Consciência Ecológica (6) COP24 (76) COP25 (19) COP26 (1) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Créditos de Descarbonização (2) Cultivo (96) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (17) Diesel Verde (1) eco-friendly (4) Economia (36) Economia Internacional (84) Economia Verde (166) Economy (29) Ecosystem (2) Efeito estufa (9) Eficiência energética (19) Empreendedorismo (1) Empresas (1) Energia (41) Energia Renovável (186) Etanol (16) Europa (1) event (7) Eventos (85) Exportações (7) Extrativismo (24) FAO (1) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (76) Food (41) food security (6) forest (1) Fuels (22) Gastronomia (1) GEE (1) Global warming (85) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Industry 4.0 (1) Inovação (8) IPCC (14) Legislação (4) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (42) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (533) Mamona (1) Manejo e Conservação (50) MAPA (1) Meio Ambiente (101) Melhoramento e Diversidade Genética (57) Mercado (3919) Mercado de Combustíveis (1) Mercado florestal (56) Mercado Internacional (4) MME (1) Mundo (3) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (16) Oleochemicals (6) Óleos (224) Óleos Essenciais (1) other (1) Palma (4) Paris Agreement (74) Pecuária (68) Pegada de Carbono (64) Personal Care (1) Pesquisa (1) Petrobras (1) Petróleo (4) pirólise (2) Plant Based (14) Política (65) Preservação Ambiental (2) Produção Animal (2) Produção Sustentável (13) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (34) Relatório (1) renewable energy (16) RenovaBio (4) Research and Development (8) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (85) science and technology (41) Segurança Alimentar (62) Segurança Energética (1) Sistema Agroflorestal (7) Sistemas Integrados (1) Soil (8) Soja (1) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (380) Tecnologia (1) Transportes (1) Turismo Sustentável (1) Vídeo (207) World Economy (73)

Total de visualizações de página