Buscar

PNUMA apoia projetos de bioenergia sustentável no continente africano

segunda-feira, janeiro 13, 2020

Resultado de imagem para biogás africa
O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) alertou para a necessidade de ações urgentes para reduzir o uso da lenha como combustível no continente africano. De acordo com a agência da ONU, apenas 25% da população africana tem acesso a combustíveis e energia limpos para cozinhar.
Na Etiópia e no Quênia, o PNUMA apoia projeto que fornece assistência técnica a funcionários e especialistas governamentais para avaliar a sustentabilidade de seus setores de bioenergia e desenvolver capacidades de monitoramento.
O uso de lenha como combustível nas residências é uma fonte de poluição do ar em ambientes fechados. Foto: Unsplash
O uso de lenha como combustível nas residências é uma fonte de poluição do ar em ambientes fechados. Foto: Unsplash

Embora a energia renovável esteja avançando rapidamente na África devido a esforços e investimentos consistentes, a madeira ainda é amplamente utilizada no continente como combustível.
Contudo, a alta dependência na biomassa (matéria orgânica de origem vegetal ou animal utilizada na produção de energia), mesmo com o desenvolvimento de fogões aprimorados, contribui para o desmatamento, a degradação da qualidade do solo e a redução da biodiversidade.
O uso de lenha como combustível nas residências também é uma fonte importante de poluição do ar em ambientes fechados o que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mata 4 milhões de pessoas todos os anos.
Portanto, são necessárias ações urgentes para abordar o uso e o gerenciamento da lenha no continente, onde apenas 25% da população tem acesso a combustíveis e energia limpos para cozinhar.
Um recente estudo publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela União Africana fez um balanço da situação atual e propôs políticas e estratégias para os Estados-membros acelerarem a transição para fontes de energias renováveis.
O PNUMA e seus parceiros promovem o desenvolvimento de fontes renováveis ​​de energia e eficiência energética como parte da iniciativa “Energia Sustentável para Todos” e dos esforços de mitigação das mudanças climáticas.
Com o apoio financeiro da Iniciativa Internacional para o Clima, o PNUMA concluiu capacitação pela melhoria da sustentabilidade de bioenergia por meio da Parceria Global de Bioenergia na Etiópia e no Quênia.
O projeto fornece assistência técnica a funcionários e especialistas do governo da Etiópia e do Quênia para avaliar a sustentabilidade de seus setores de bioenergia e desenvolver sua capacidade de monitoramento periódico a longo prazo.
A iniciativa está estruturada em torno da aplicação e interpretação de 24 indicadores para avaliar os impactos ambientais, sociais e econômicos da produção e uso de bioenergia. Os resultados dos indicadores serão usados ​​para informar o processo de tomada de decisão.
O consumo de energia na Etiópia foi estimado em 42 milhões de toneladas de equivalente em petróleo em 2016. As fontes de energia de biomassa representam 91% do consumo final de energia e 98% do consumo de energia no setor residencial.
A Parceria Global de Bioenergia na Etiópia examinou o desenvolvimento da produção de biogás e biomassa sólida (lenha e carvão vegetal) para entender como ele pode contribuir para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), assim como para as políticas nacionais de desenvolvimento, como a Estratégia de Economia Verde de Resiliência Climática.
Com 99 milhões de pessoas na Etiópia contando com o uso tradicional de biomassa para cozinhar, o acesso à energia moderna, a redução da pobreza e a melhoria da saúde são alguns dos benefícios potenciais que o biogás e outras alternativas à biomassa podem trazer. Outros benefícios decorrentes dessa intervenção incluem geração de empregos, maior equidade de gênero e mitigação das mudanças climáticas.
“Essas descobertas ajudam a melhorar nosso conhecimento e entendimento geral sobre o setor de bioenergia da Etiópia e servem como ponto de partida para melhorar a sustentabilidade desse setor e apoiar políticas eficazes de bioenergia sustentável como parte das estratégias de desenvolvimento de baixo carbono”, disse Fikadu Beyene, Comissário de Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas na Etiópia.
O consumo de energia no Quênia é dominado pela biomassa, seguida do petróleo e derivados, a geotérmica e outras energias renováveis, segundo sua Secretaria Nacional de Estatísticas. A biomassa contribui com grande parte do consumo final de energia do país, suprindo mais de 90% das necessidades de energia das famílias rurais. Mais de 43 milhões de pessoas dependem do uso tradicional de biomassa para cozinhar no país.
O projeto ajudou a avaliar o potencial atual e futuro do setor de bioenergia do país, focando em dois cursos de ação: o uso de resíduos de briquetes de bagaço de cana de açúcar pela indústria de chá e a produção de carvão vegetal de florestas, bosques e terras agrícolas para uso doméstico.
A indústria de chá consome quase 1 milhão de toneladas de lenha por ano, ou mais de 4% do volume de lenha consumido anualmente no Quênia. O relatório de síntese preparado para o projeto descreve, portanto, as consequências da crescente lacuna entre oferta e demanda de lenha, com o atual fornecimento de lenha superando a demanda em várias partes do país.
“Os resultados do projeto oferecem uma melhor compreensão do impacto ambiental, social e econômico do uso de bioenergia e auxiliam no gerenciamento sustentável desse importante recurso nacional no Quênia”, disse Charles Mutai, Diretor, Diretório de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente e Florestas.
No Quênia, o projeto foi implementado pelo Stockholm Environment Institute, em colaboração com o Ministério do Meio Ambiente e Florestas e o PNUMA. O Stockholm Environment Institute conduziu o cálculo e a análise dos 24 indicadores aplicados às duas vias prioritárias, juntamente com o Kenya Forestry Research Institute, Strathmore University e o World Agroforestry Center.
Na Etiópia, o projeto foi realizado pela Comissão de Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas e o Instituto Etíope de Pesquisa em Meio Ambiente e Florestas, que conduziu o cálculo e a análise técnica dos 24 indicadores aplicados às duas vias prioritárias.
Esses indicadores foram desenvolvidos em um processo colaborativo, liderado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que atualmente abriga a Secretaria de Parcerias Globais de Bioenergia. A parceria trabalha com várias partes interessadas, como governos, organizações intergovernamentais e a sociedade civil.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (49) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (285) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (64) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (557) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (16) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página