Buscar

Em meio à polêmica, mercado de geração distribuída triplica, puxado pela energia solar

sexta-feira, janeiro 17, 2020



O mercado de geração distribuída triplicou em 2019, atingindo 2,1 GW de potência instalada em mais de 170 mil sistemas, que atendem a 226 mil consumidores de energia – apontado como um efeito da revisão das regras, que colocou o assunto na agenda nacional.

Nesta edição, destacamos o perfil da geração distribuída, majoritariamente composta por pela fonte solar fotovoltaica, com sistemas que ficaram mais potentes em 2019 e se consolidaram como um grande mercado em cidades de pequeno e médio portes.



A proposta da Aneel de reduzir descontos aplicados no cálculo dos créditos aos que os consumidores têm direito, ao injetar a energia na rede de distribuição – o debate entre "taxar o sol" versus redução de subsídios –, provocou uma corrida por novas conexões...

...Especialmente, de consumidores residenciais, que geram energia nos telhados de casa. Essa demanda também é responsável pela interiorização da geração distribuída, para cidades com menos de 50 mil habitantes.



Em quantidade de projetos, os maiores mercados continuam sendo em Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul, que crescem constantemente desde 2014. Ano passado, o Paraná assumiu a 4ª posição, ultrapassando Santa Catarina.

O principal mercado emergente é o do Centro-Oeste, com  muitos sistemas instalados e um crescimento da demanda superior à média nacional.

No Nordeste, destaques são Bahia, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Maranhão e, no Norte, o Pará – estados com milhares de micro e minigeradores e crescimento acelerado em 2019.


Empresas de telefonia e bancos lideram capacidade de geração distribuída
Apesar de os consumidores residenciais representarem a maior parte do mercado – mais de 147 mil unidades consumidoras, cerca de 70% gerando energia localmente –, a revisão das regras pela Aneel afeta os negócios de grandes empresas de atuação nacional.

No topo do ranque de potência instalada, estão as empresas Claro e Tim e os bancos Santander e Caixa Econômica Federal; além de desenvolvedoras de projetos, como Mori, Alsol e Ebes, que atuam no segmento.

A liderança, contudo, não implica em concentração do mercado. Nos dados disponíveis, a Claro é a maior titular, em termos de potência, mas com cerca de 1,7% de toda a capacidade conectada às redes de distribuição.


Fonte: EPBR

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (23) Abiove (8) Acordo Internacional (19) Acrocomia aculeata (42) Agricultura (70) Agroenergia (94) Agroindústria (19) Agronegócio (87) Agropecuária (26) Alimentos (271) Amazônia (11) animal nutition (1) ANP (52) Arte (1) Artigo (17) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (349) Biodiesel (243) Bioeconomia (46) Bioeletricidade (21) Bioenergia (133) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Biomass (7) Biomassa (81) Biomateriais (3) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (13) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (51) Bolsa de Valores (20) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (12) Capacitação (4) Carbonatação (1) Carvão Ativado (6) CBios (40) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (9) Ciência e Tecnologia (265) Clima e ambiente (235) climate changed (41) CNA (1) Cogeração de energia (27) Combustíveis (73) Combustíveis Fósseis (23) Comércio (15) Consciência Ecológica (19) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (25) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (18) Cultivo (105) Curso (3) Davos (3) Desenvolvimento Sustentável (96) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (61) Economia Circular (3) Economia Internacional (108) Economia Verde (167) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (34) Empreendedorismo (2) Empresas (18) Energia (72) Energia Renovável (227) Energia Solar Fotovoltaica (13) Etanol (58) Europa (1) event (10) Eventos (106) Exportações (60) Extrativismo (42) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (3) Floresta plantada (96) Fomento (4) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (2) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (96) Green Economy (124) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (59) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (549) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (82) MAPA (8) Meio Ambiente (159) Melhoramento e Diversidade Genética (65) Mercado (3991) Mercado de Combustíveis (49) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (62) Mercado Internacional (31) Metas (2) Milho (9) MME (20) Mudanças Climáticas (13) Mundo (26) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (74) Oleochemicals (8) Óleos (241) Óleos Essenciais (2) ONU (7) other (1) Palma (14) Paris Agreement (82) Pecuária (72) Pegada de Carbono (73) Personal Care (2) Pesquisa (19) Petrobras (6) Petróleo (22) PIB (1) pirólise (3) Plant Based (14) Política (73) Preços (25) Preservação Ambiental (17) Produção Animal (4) Produção Sustentável (33) Produtividade (24) Produtos (150) Proteção Ambiental (5) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (38) Recuperação Econômica (3) Relatório (7) renewable energy (17) RenovaBio (43) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (3) Segurança Alimentar (75) Segurança Energética (11) Selo Social (3) Sistema Agroflorestal (18) Sistemas Integrados (6) Soil (9) Soja (47) Solos (18) Sustainability (49) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (465) Tecnologia (15) Transportes (4) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (228) World Economy (76)

Total de visualizações de página