Buscar

Como superar as deficiências da Terceira Revolução Agrícola

terça-feira, janeiro 07, 2020



A Revolução Verde - ou Terceira Revolução Agrícola - envolveu um conjunto de iniciativas de transferência de tecnologia de pesquisa introduzidas entre 1950 e o final da década de 1960.

Isso aumentou significativamente a produção agrícola em todo o mundo, principalmente nos países em desenvolvimento, e promoveu o uso de variedades de sementes, irrigação, fertilizantes e máquinas de alto rendimento, enfatizando a maximização da produção calórica alimentar, muitas vezes à custa de considerações nutricionais e ambientais.

Desde então, a diversidade de culturas diminuiu consideravelmente no mundo todo, com a maioria dos produtores optando ou sendo induzidos a mudar de cereais tradicionais, mais nutritivos, para culturas de maior rendimento, como o arroz.

Por sua vez, isso levou a um triplo ônus de desnutrição, no qual uma em cada nove pessoas no mundo está desnutrida, um em cada oito adultos é obeso e uma em cada cinco pessoas é afetada por algum tipo de deficiência de micronutrientes.

Consertar esses efeitos colaterais da Revolução Verde, segundo Kyle Davis, da Universidade de Colúmbia (EUA), com estratégias para melhorar a sustentabilidade dos sistemas alimentares, exige a quantificação e a avaliação de compensações e benefícios da mudança tecnológica em múltiplas dimensões.

Davis e sua equipe multidisciplinar e multi-institucional afirmam que diversificar a produção agrícola pode tornar o suprimento de alimentos mais nutritivo, reduzir a demanda de recursos e as emissões de gases de efeito estufa e aumentar a resiliência climática, tudo sem reduzir a produção de calorias ou exigir a ampliação da área plantada.

Usando como exemplo o caso da Índia, eles recomendam especificamente a substituição de algumas das culturas de arroz atualmente cultivadas por cereais nutritivos, como milheto e sorgo.
"Para tornar a agricultura mais sustentável, é importante pensar além de apenas aumentar a oferta de alimentos e também encontrar soluções que possam beneficiar a nutrição, os agricultores e o meio ambiente. Este estudo mostra que existem oportunidades reais de fazer exatamente isso," disse Davis.

Os autores descobriram que o plantio de cereais de granulação mais grossa poderia, em média, aumentar a proteína disponível em 1% a 5%; aumentar a oferta de ferro entre 5% e 49%; aumentar a resiliência climática (1% a 13% menos calorias seriam perdidas durante os períodos de seca); e reduzir as emissões de gases de efeito estufa de 2% a 13%.

A diversificação das culturas também reduziria a demanda por água de irrigação em 3% a 21% e reduziria o uso de energia em 2% a 12%, mantendo a produção de calorias e usando a mesma quantidade de terras cultiváveis.


Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (2) Acordo Internacional (2) Acrocomia aculeata (27) Agricultura (1) Agroenergia (4) Agronegócio (6) Agropecuária (2) Alimentos (237) Amazônia (1) animal nutition (1) ANP (8) Arte (1) Artigo (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (14) Bebidas (1) Biochemistry (3) Biocombustíveis (228) Biodiesel (121) Bioeconomia (25) Bioeletricidade (7) Bioenergia (31) Biofertilizantes (2) Biofuels (96) Biomass (7) Biomassa (67) Biomateriais (1) Biopolímeros (5) Bioprodutos (1) Bioquerosene (22) Biotechnology (29) Biotecnologia (18) Brasil (5) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Carvão Ativado (5) CBios (5) CCEE (1) Celulose (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (210) Clima e ambiente (196) climate changed (34) Cogeração de energia (14) Combustíveis (23) Consciência Ecológica (6) COP24 (76) COP25 (19) COP26 (1) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Créditos de Descarbonização (2) Cultivo (96) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (17) Diesel Verde (1) eco-friendly (4) Economia (37) Economia Internacional (84) Economia Verde (166) Economy (29) Ecosystem (2) Efeito estufa (9) Eficiência energética (20) Empreendedorismo (1) Empresas (1) Energia (41) Energia Renovável (186) Etanol (16) Europa (1) event (7) Eventos (85) Exportações (7) Extrativismo (24) FAO (1) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (76) Food (41) food security (6) forest (1) Fuels (22) Gastronomia (1) GEE (1) Global warming (85) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Industry 4.0 (1) Inovação (9) IPCC (14) Legislação (4) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (42) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (533) Mamona (1) Manejo e Conservação (50) MAPA (1) Meio Ambiente (101) Melhoramento e Diversidade Genética (57) Mercado (3920) Mercado de Combustíveis (1) Mercado florestal (56) Mercado Internacional (4) MME (1) Mundo (3) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (16) Oleochemicals (6) Óleos (224) Óleos Essenciais (1) other (1) Palma (4) Paris Agreement (74) Pecuária (68) Pegada de Carbono (64) Personal Care (1) Pesquisa (1) Petrobras (1) Petróleo (4) pirólise (2) Plant Based (14) Política (65) Preservação Ambiental (2) Produção Animal (2) Produção Sustentável (13) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (34) Relatório (1) renewable energy (16) RenovaBio (4) Research and Development (8) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (85) science and technology (41) Segurança Alimentar (62) Segurança Energética (1) Sistema Agroflorestal (7) Sistemas Integrados (1) Soil (8) Soja (1) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (380) Tecnologia (1) Transportes (1) Turismo Sustentável (1) Vídeo (207) World Economy (73)

Total de visualizações de página