Buscar

Pequi, conheça o fruto que é a salvação do sertão

terça-feira, fevereiro 12, 2019

Resultado de imagem para pequi
Imagem Ilustrativa
Mesmo com redução de cerca de 40% na safra, fruto símbolo do cerrado continua sendo a aposta de milhares de famílias no Norte de Minas para geração de trabalho e de renda

A safra do pequi sofreu uma redução da ordem de 40%, devida à seca e ao ataque de uma praga que mata os pequizeiros. Mesmo com a queda na produção, o fruto símbolo do cerrado voltou a gerar renda e a garantir o sustento de milhares de famílias nos pequenos municípios do Norte de Minas, nos últimos três meses. A atividade extrativista virou uma espécie de salvação no sertão, tendo em vista que o sol forte do “veranico” de janeiro destruiu as plantações de milho e feijão, além de comprometer as pastagens, elevando o desemprego e a falta de renda no meio rural na região.

Nos últimos anos, o pequi teve valor agregado com o beneficiamento do produto e a comercialização de polpa e do fruto em conserva. Também aumentaram as vendas do pequi in natura para os grandes centros.

'O fruto trouxe verdadeira bonança para a população da cidade no fim de 2018 e início de 2019, aquecendo as vendas no comércio local''Fernando Cardoso de Oliveira, técnico da Emater-MG

Japonvar, de 8,6 mil habitantes, é um dos municípios mineiros que teve a economia movimentada pela safra do pequi, que começou em novembro e terminou no fim de janeiro. De acordo com o técnico Fernando Cardoso de Oliveira, do escritório da Empresa de Assistência e Extensão Rural (Emater-MG), “mesmo com a queda de 40% na produção, o fruto (apanhado no mato pelos moradores) trouxe verdadeira bonança para a população da cidade no fim de 2018 e início de 2019, aquecendo as vendas no comércio local”.

Fernando Cardoso calcula que a safra do pequi movimentou cerca de R$ 3 milhões na economia de Japonvar, somente com a comercialização do fruto “in natura”, ou seja, com a venda do produto em casca, que sai do município transportado em caminhões. As cargas do fruto símbolo do cerrado são enviadas para Belo Horizonte, São Paulo, Brasília e Goiânia, além de outras regiões mineiras e estados do Nordeste, como Bahia e Paraíba.

EXTRAÇÃO 

Segundo ele, em torno de 4 mil pessoas, quase a metade população do município, passaram a catar pequi, atividade que envolve homens, mulheres e crianças. O fruto é apanhado no chão, debaixo dos pequizeiros, com os moradores entrando em qualquer fazenda ou sítio, independentemente de quem seja o proprietário da área, para a prática extrativista.

“Embora tenha ocorrido uma queda na safra, o preço do pequi melhorou. Antes, a caixa de pequi em casca, de 30 quilos, era vendida pelos catadores em Japonvar por preços que variavam entre R$ 5 e R$ 7. Este ano, a caixa do pequi passou a ser vendida por R$ 10 a R$ 12. Isso agregou valor ao produto e foi muito bom para os moradores”, disse o técnico. “Esses são os preços pagos pelos atravessadores aqui na cidade. Eles entregam o pequi em Belo Horizonte e outras cidades por R$ 20 ou R$ 22 a caixa”, observa Oliveira.

Sobrevivência de safra em safra

“Pra mim, o pequi representa tudo”, afirma a agricultora Maria dos Anjos Ferreira da Silva, a “dona Nenem”, de 40 anos, uma dos moradores de Japonvar que retira a renda do fruto símbolo do cerrado. “A produção diminiuiu, mas deu pra gente ganhar um dinheirinho. Foi uma bênção. O que ganhamos numa safra dá para (garantir) a nossa sobrevivência até a safra seguinte”, declara.

Dona Nenem já não é mais uma simples catadora de pequi, como foi desde criança. Ela também compra de outros catadores para produzir polpa e pequi em conserva. Com os rendimentos da safra 2018/2019, ela construiu uma pequena unidade de beneficiamento no local onde mora, na comunidade de Cabeceira do Mangaí, a três quilômetros da área urbana.

A agricultora disse que somente nesta safra conseguiu produzir 4 mil quilos de pequi com caroço em conserva e 500 quilos de polpa. Informou ainda que, assim que terminar a safra, vai trabalhar no beneficiamento da castanha do pequi. “O meu objetivo é vender 200 quilos de castanha de pequi este ano”, revela dona Nenem, que fornece o derivado do pequi para Brasília.

O extrativismo também garante a melhoria de vida de Teodomiro Alves de Sales, de 59, o “Duzinho”. “Para nós aqui, o pequi é mais que uma renda extra. É o nosso sustento mesmo”, assegura o pequeno agricultor, que mora na comunidade de Cabeceira de Passagem Funda, a 1,5 quilômetro da sede urbana de Japonvar.

Duzinho apanha pequi junto com a mulher, Marlene Aquino Alves, de 51, e a filha, Amanda Aquino Alves, de 26. Ele conta que se dedica à atividade extrativista desde que era muito pequeno. “Aqui é assim: quando o menino começa a andar, já vai pro mato catar pequi.”

As famílias sempre acordam cedo, por volta das 5h, para apanhar o pequi caído no chão nas áreas de cerrado. “Mas este ano, a concorrência aqui aumentou muito. Teve dia em que a gente saiu para catar pequi 10 horas da noite”, confessa o experiente agricultor.

PRAGAS 

Há vários anos que os pés de pequi vêm sofrendo o ataque de besouro. O inseto ataca o cerne e consome a parte lenhosa, provocando “brocas” (buracos) no caule das árvores, impedindo a passagem da seiva. As plantas começam a perder as folhas e morrem. Os prejuízos são enormes para os pequenos agricultores e comunidades extrativistas. “Existem lugares em que mais de 60% dos pequizeiros já morreram por causa do ataque da praga”, afirma Fernando Cardoso de Oliveira, técnico da Emater-MG, em Japonvar. Ele disse que o ataque ocorre também em outros pequenos municípios do Norte de Minas produtores de pequi, como Lontra, Coração de Jesus e Campo Azul. O técnico disse, ainda, que a Emater-MG já pediu a realização de um estudo sobre as mortes dos pequizeiros e o combate à praga junto à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Cerrados), em Brasília, mas ainda não teve retorno.

Fonte: Estado de Minas

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (284) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página