Buscar

Painéis solares oferecem à escola do Rio de Janeiro um futuro brilhante

quarta-feira, janeiro 02, 2019

Imagem Divulgação
Nos últimos anos, tornou-se cada vez mais difícil associar a palavra favela – expressão exclusiva do Brasil às favelas – a notícias positivas. Especialmente se estamos falando sobre o Rio de Janeiro, onde as comunidades floresceram com o turismo durante a Copa do Mundo e as Olimpíadas, mas posteriormente se transformaram em uma crise econômica e de segurança. Portanto, quando mencionamos favelas , a primeira coisa que vem à mente é geralmente pobreza ou violência.

No Relatório Brasileiro , frequentemente destacamos as experiências positivas nas favelas do Brasil, onde 12,3 milhões de pessoas vivem em todo o país e, em geral, projetos surpreendentes e arrojados geralmente acontecem. No Rio de Janeiro, na Favela da Babilônia, uma grande comunidade de 3.800 pessoas que fica atrás do vizinho menos famoso de Copacabana, o Leme, uma escola pretende voltar das férias de fim de ano em plena capacidade, aproveitando a luz do sol que brilha no sol. colina todo o ano. 

Depois de um corte orçamentário do governo municipal e de uma ONG sueca que ajudou a manter a Escola Tia Percilia por 25 anos, a ONG local Revolusolar decidiu dar uma importante contribuição para manter o lugar vivo e agora torná-lo ambientalmente sustentável. Na semana passada, a organização instalou 12 painéis solares na escola que vão gerar quase 6.000 kWh por ano.  

“O sol está aqui para todos os dias, então por que não usá-lo para melhorar nossas vidas? O projeto é uma tentativa de reabrir a escola definitivamente. Esse é o nosso sonho ”, diz Adalberto Almeida, fundador da Revolusolar e morador da Babilônia há 18 anos. Criada em 1991 pelo líder comunitário homônimo, a Escola Tia Percília oferece educação gratuita para jovens da região, mas luta para manter as portas abertas. Almeida diz que os custos de energia costumavam chegar a mais de R $ 5 mil por ano.

“Economizando esse dinheiro, queremos ajudar a escola a contratar professores e reiniciar as aulas diárias”, afirma. Por enquanto, a Revolusolar também ajuda a ocupar o prédio da escola, dando aulas para crianças sobre sustentabilidade. Mas a maioria dos quartos ainda está vazia e à espera de professores.

A escola como “o lugar para estar”

O projeto no Rio de Janeiro foi inspirado em dois dos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, definidos para enfrentar os desafios globais como pobreza e mudança climática até 2030. Da lista de 17 metas, a Revolusolar escolheu o número 11, que visa cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis ​​”, e o número 12, que“ garante padrões sustentáveis ​​de consumo e produção ”.

Ele próprio técnico em painéis solares, Adalberto Almeida conseguiu firmar parceria com a ONG ambiental Fundo Socioambiental CASA e com outras duas empresas brasileiras para comprar e instalar os aparelhos. Os moradores locais serão responsáveis ​​pela manutenção dos painéis, pois serão treinados pela Revolusolar para a tarefa.

“Considerando tudo o que a escola representa para a comunidade e o momento atual que está passando, decidimos que esse era o lugar de que precisávamos para ajudar”, diz Almeida. Além de ensinar crianças na escola Tia Percília, o técnico e sua ONG iniciarão aulas para as mulheres da comunidade para aprender as habilidades necessárias para trabalhar com a energia solar e os princípios fundamentais da sustentabilidade.

Fonte: Click Petróleo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página