Buscar

Sistema de baterias da Itaipu já ilumina pelotão do Exército e comunidade indígena na Amazônia

quarta-feira, dezembro 12, 2018

O projeto é uma parceria entre a Itaipu Binacional e o Exército Brasileiro


Desde o final de novembro, o Pelotão Especial de Fronteira (PEF) do Exército em Tunuí-Cachoeira, no Amazonas, substituiu os geradores a diesel pela energia solar. No domingo (2), um grupo de profissionais da Itaipu voltou da região após duas semanas fazendo o comissionamento de um sistema híbrido de armazenamento de energia, o primeiro deste tipo no País. O projeto é uma parceria entre a Itaipu Binacional e o Exército Brasileiro.

“Foi feito todo o comissionamento e o sistema já está funcionando perfeitamente. Ainda é preciso que o pessoal de lá ajuste a instalação elétrica da comunidade, para a energia produzida chegar até eles. Mas o nosso sistema está em pleno funcionamento”, explicou o engenheiro Bruno Giacchetta, da Assessoria de Mobilidade Elétrica de Itaipu, que liderou a equipe de sete pessoas – quatro da Itaipu e três da empresa espanhola Ingeteam – na missão ao Amazonas.

O sistema que integra gerador, painéis fotovoltaicos e baterias de sódio recicláveis foi desenvolvido pela equipe do Programa Veículo Elétrico (VE), da Itaipu. Durante o dia, parte da energia produzida pelos painéis alimenta a rede e o excedente é armazenado nas baterias. No período noturno, quando não há luz solar, as baterias abastecem a rede. O gerador a diesel vai funcionar apenas como backup.

De acordo com o coordenador brasileiro do Projeto VE e chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica de Itaipu, Celso Novais, o grande diferencial do projeto esta no software de gestão e nas baterias de sódio 100% recicláveis. “Elas são resistentes às altas temperaturas da região, não perdendo vida útil nem correndo o risco de explosão, se comparadas com outros tipos de baterias”, conta Novais. Segundo ele, Itaipu trabalha, atualmente, no desenvolvimento de outra bateria de sódio com características planar, ainda mais moderna e que deverá reduzir em um terço o custo de fabricação além de outras vantagens.

Na Amazônia, o sistema integrado vai abastecer um pelotão com 60 pessoas, além da comunidade de 200 indígenas das etnias coripaco e baniwa, que está localizada ao lado do posto militar. “A participação de uma comunidade no projeto foi uma exigência da Itaipu quando assinou o acordo com o Exército, em 2014”, explicou o chefe da Assessoria de Inteligência da Itaipu, Luiz Felipe Kraemer Carbonell. Na comunidade indígena, a energia vai abastecer postes de luz, uma escola, um posto de saúde e o centro de artesanato.

De acordo com Carbonell, no futuro, este modelo poderá atender outros pelotões e povos em regiões remotas do País. No total, o Exército mantém 28 destacamentos em toda a faixa fronteiriça brasileira. “Nosso maior objetivo é garantir a segurança energética desta região.” O próximo pelotão deve ser o de São Joaquim, também na Amazônia Legal, que tem uma comunidade de indígenas yonamis nas redondezas.

Logística complicada

A missão da Itaipu em Tunuí-Cachoeira é a terceira ida da equipe à região. Na primeira viagem, eles identificaram a área onde seria colocado o sistema. Na segunda, foi feito o transporte e a instalação dos equipamentos e dos softwares. “É uma logística bastante complicada, depende do regime dos rios e das chuvas. Foi preciso o apoio de barcos da região para levar os equipamentos”, complementa Carbonell. Agora, o sistema foi comissionado e deixado pronto para uso.

A dificuldade de acesso também era um encarecedor da energia em Tunuí-Cachoeira. O litro de óleo diesel, para operar o antigo gerador, custava mais que R$ 40. “O deslocamento é complexo. O combustível acaba dividindo espaço com os mantimentos nas aeronaves ou nos barcos”, explica Novais.

“Agora será feito um monitoramento remoto, para acompanhar o status operacional dos equipamentos”, conta. Foi necessário adaptar o nosso sistema para se adequar à banda de internet da região, que é mais lenta. “Alguns ajustes podemos fazer remotamente e outros podem ser realizados pelo pessoal local, que recebeu treinamento básico para isso. Ajustes mais complexos vão exigir nosso deslocamento à região”, conclui.

Fonte: Portal CGN

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página