Buscar

Padrão RTRS atende aos objetivos contra o desmatamento da Declaração de Amesterdã

segunda-feira, dezembro 03, 2018


A RTRS é uma organização reconhecida internacionalmente e que promove a produção, comércio e uso responsáveis da soja


O desmatamento “legal” em grande escala tem crescido ultimamente na América do Sul e a Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) enfrenta a situação com seu sistema de certificação de soja e oferece oportunidades para eliminar o desmatamento legal com vistas a garantir uma cadeia de alimentos verdadeiramente sustentáveis.
A RTRS é uma organização reconhecida internacionalmente e que promove a produção, comércio e uso responsáveis da soja. Segundo estimativas do World Wildlife Fund (WWF), 88 milhões de hectares da Amazônia e do Cerrado ainda podem ser "legalmente" desmatados se nada for feito para protegê-los.
A RTRS oferece uma solução para o desmatamento 'legal' na América do Sul com seu sistema de certificação de soja. Desde 2009, o sistema de verificação e certificação da RTRS promove e garante o desenvolvimento de cadeias de alimentos sustentáveis.
Os produtores responderam a esse desafio e, globalmente, certificaram 4 milhões de toneladas de soja pelo padrão RTRS em 2017 e esperam ultrapassar esse número em 2018. Assim, através de sua ampla rede de produtores, a RTRS oferece um padrão robusto e reconhecido de certificação da soja, bem como uma solução prontamente disponível para abordar, com amplo alcance, temas como o desmatamento e a conversão de terras naturais.
Dois relatórios sobre padrões de certificação lançados recentemente pela Mekon Ecology e pela Thunen em apoio à Amsterdam Declarations Partnership - a iniciativa de países europeus que trabalha para eliminar o desmatamento decorrente da produção e comércio agrícola e de commodities, assinada pela Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Holanda, Noruega e Reino Unido - destacam que a RTRS garante o desmatamento zero na produção de soja e oferece um sistema transparente de certificação do processo de produção.
O relatório da Thunen também conclui que, embora muitos sistemas - como os da Diretriz de Suprimento de Soja da FEFAC – representem avanços positivos em direção ao suprimento sustentável da soja, mas apenas alguns poucos sistemas de certificação atendem aos objetivos de desmatamento zero da Amsterdam Declarations Partnership.
O sistema de certificação da RTRS é uma abordagem verdadeiramente holística que protege o meio ambiente e exige a implementação as práticas agrícolas sustentáveis e o cumprimento de direitos sociais e laborais.
À ocasião do anúncio do Manifesto do Cerrado em 2017, Jean F. Timmers, Líder Global de Soja do WWF, declarou que a RTRS será fundamental para garantir os avanços contra o desmatamento.
“O WWF assinou o Manifesto do Cerrado, é parceiro-chave na Colaboração para Florestas e Agricultura e considera a RTRS o único padrão que proíbe, explicitamente, toda e qualquer conversão de vegetação natural. É uma ferramenta muito útil para garantir a consecução transparente desse objetivo”.
De acordo com Marcelo Visconti, Diretor Executivo da Associação Internacional de Soja Responsável, “para tratar da questão do desmatamento 'legal', a RTRS reúne os produtores, indústria, governos e ONGs e oferece uma solução integral para toda a cadeia de valor da soja. Organizações em destaque dos setores de alimentos e rações para animais podem se inscrever em nosso sistema de certificação para participar ativamente da proteção da Amazônia e do Cerrado”.
Sobre a Declaração de Amsterdã
A Declaração de Amsterdã foi assinada por vários países europeus, incluindo o Reino Unido, a França, a Dinamarca, a Alemanha, os Países Baixos e a Noruega. A declaração reconhece a necessidade de eliminar o desmatamento no comércio de commodities agrícolas nesses países, que são Estados Membros da União Europeia. Todos esses países apoiam o setor privado e as iniciativas públicas para eliminar o desmatamento até 2020.
 Fonte: Portal do Agronegócio

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (24) Acrocomia aculeata (51) Agricultura (126) Agroenergia (120) Agroindústria (22) Agronegócio (129) Agropecuária (38) Água (4) Àgua (1) Alimentos (306) Amazônia (27) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (31) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (17) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (382) Biodiesel (272) Biodiversidade (3) Bioeconomia (66) Bioeletricidade (25) Bioenergia (169) Biofertilizantes (5) Biofuels (102) Bioinsumos (3) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (8) Bioproducts (2) Bioprodutos (16) Bioquerosene (38) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (68) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (9) Carbonatação (1) Carbono Zero (8) Carvão Ativado (6) CBios (48) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (8) Cerrado (13) Ciência e Tecnologia (300) Clima e ambiente (244) climate changed (46) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (15) Consciência Ecológica (22) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (30) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (23) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Dendê (2) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (132) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (15) Eficiência energética (42) Emissões de Carbono (4) Empreendedorismo (4) Empresas (34) Energia (83) Energia Renovável (237) Energia Solar Fotovoltaica (18) Etanol (68) Europa (1) event (11) Eventos (117) Exportações (69) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (6) Floresta plantada (100) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (104) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (86) Instituição (1) Investimento (2) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (561) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (93) MAPA (12) Matéria Prima (1) matérias-primas (1) Meio Ambiente (188) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4027) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (65) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (20) Mundo (44) Nações Unidas (1) net-zero (9) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (246) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (1) ONGs (1) ONU (9) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (18) Paris Agreement (87) Pecuária (78) Pegada de Carbono (81) Personal Care (3) Pesquisa (40) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (18) Política (75) Preços (30) Preservação Ambiental (25) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produção vegetal (2) Produtividade (32) Produtos (150) Proteção Ambiental (9) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (1) Relatório (10) renewable energy (19) RenovaBio (51) Research and Development (10) Resíduos (5) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (92) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (90) Segurança Energética (12) Selo Social (5) Sistema Agroflorestal (21) Sistemas Integrados (10) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (57) Solos (27) Sustainability (54) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (513) Tecnologia (26) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (234) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página