Buscar

Produção russa de hortaliças de estufa pode dobrar até 2023

sexta-feira, novembro 23, 2018


Resultado de imagem para plantio em estufa

As projeções da Associação Nacional de Hortaliças da Rússia indicaram que, entre 2023 e 2024, a produção de hortaliças com efeito de estufa (pimentão, berinjela, abóbora e outros) provavelmente dobrará. De acordo com Kirill Lashin, chefe de análise da organização, enquanto isso, o segmento de tomates e pepinos premium deve ser plenamente satisfeito pela produção nacional até 2020.  
O especialista explicou que o crescimento e a atividade no mercado de vegetais cultivados em estufa provavelmente continuarão a acelerar depois de 2020, quando os programas do governo em apoio à agricultura de estufa chegarem ao fim. Segundo ele, a área disponibilizada para esse tipo de cultivo está pronta para aumentar.
“Todos os anos, no total, 200 a 300 hectares de espaços novos para estufas estão sendo construídos na Rússia, oferecendo capacidade de produção adicional de mais de 100 mil toneladas.  Nessas condições, e tendo em vista a nova capacidade que está sendo construída, entre 2018 e 2022, a área total de produção disponível para hortaliças chegará a 800 hectares”, explica.
Para a diretora-geral da empresa de consultoria agrícola Greenhouse Growth, Tamara Reshetnikova, o tempo é o fator mais importante para elevar o segmento de hortaliças de estufa de seu estado embrionário atual. “Quando a demanda do mercado por tomates e pepinos for satisfeita, os produtores diminuirão sua produção à medida que os preços caírem. Os empresários, então, começarão a explorar as muitas oportunidades em vegetais de nicho de mercado”, comenta.
Em 2017, segundo dados da Rosstat, o cultivo de hortaliças em campo fechado na Rússia totalizou 922 mil toneladas, enquanto em 2013 o mesmo indicador atingiu apenas 615 mil toneladas. A porcentagem de pepinos e tomates na colheita global de vegetais com efeito de estufa, de acordo com dados da National Horticultural and Vegetable Association, ultrapassou os 97%.
Fonte: Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página