Buscar

Frutas brasileiras são competitivas no exterior

quinta-feira, novembro 08, 2018


Imagem relacionada

Perfil de competitividade avaliado pelo Hortifruti/Cepea mostra que o País vem ganhando mais espaço

O Brasil vem se tornando cada vez mais competitivo no cenário internacional das frutas, especialmente para mamão, manga, melão, lima ácida e melancia. O País está entre os 10 maiores exportadores dessas frutas no mundo. O destaque é para o mamão, sendo o segundo maior exportador e a fruta brasileira mais competitiva frente aos demais exportadores-concorrentes.
A matéria de capa deste mês da revista Hortifruti Brasil, publicação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, mede o grau de competitividade das frutas brasileiras mais exportadas pelo Brasil. Baixos custos, qualidade, profissionalização e um calendário de oferta ao longo do ano muito competitivo são os destaques para explicar a posição de destaque do País.
O final do ranking fica para as frutas brasileiras menos competitivas: uva, maçã e banana. A alta concorrência externa, principalmente no caso da uva e da maçã, no qual os grandes compradores também são produtores, limitam muito a expansão das exportações nacionais.
Esse perfil de competitividade avaliado pelo Hortifruti/Cepea mostra que o País vem ganhando mais espaço, principalmente em frutas de nicho de mercado na Europa e Estados Unidos, como mamão, manga e lima ácida. Esse grupo de fruta não faz parte do hábito diário de consumo nesses países. Assim, mesmo que o Brasil apresente boas taxas de crescimento dessas frutas, o menor tamanho de mercado externo limita um aumento de receita compatível com os cinco maiores exportadores.
Para 2018, a projeção do Hortifruti/Cepea indica que a receita com os embarques deve somar US$ 740 milhões, 3% acima da obtida em 2017, mas inferior aos US$ 2 bilhões arrecadados por ano pelos cinco maiores exportadores de frutas do mundo (Estados Unidos, Equador, China, Chile e Espanha). Banana, uva e maçã são as frutas mais comercializadas por esses grandes exportadores.
Mesmo assim, a publicação destaca que as apostas nesses nichos de mercado ainda é a maior força que o País tem no comércio exportador. Assim, quanto mais promoções e diversificação de mercados compradores forem conquistados, mais o Brasil pode crescer no comércio externo. Claro que os tradicionais entraves – infraestrutura precária, baixo investimento em tecnologia e poucos incentivos governamentais –, se minimizados, também garantem uma força extra.
Fonte: AgroLink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (10) Abiove (2) Acordo Internacional (8) Acrocomia aculeata (32) Agricultura (13) Agroenergia (21) Agroindústria (8) Agronegócio (34) Agropecuária (15) Alimentos (242) Amazônia (5) animal nutition (1) ANP (22) Arte (1) Artigo (6) Aspectos Gerais (177) Aviação (28) Aviation market (14) B12 (1) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (279) Biodiesel (175) Bioeconomia (26) Bioeletricidade (9) Bioenergia (61) Biofertilizantes (3) Biofuels (97) Biomass (7) Biomassa (68) Biomateriais (2) Biopolímeros (7) Bioproducts (1) Bioprodutos (4) Bioquerosene (25) Biotechnology (31) Biotecnologia (22) Bolsa de Valores (11) Brasil (6) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Capacitação (1) Carvão Ativado (5) CBios (20) CCEE (1) Celulose (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (233) Clima e ambiente (199) climate changed (40) CNA (1) Cogeração de energia (20) Combustíveis (50) Combustíveis Fósseis (14) Comércio (2) Consciência Ecológica (9) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (3) Copolímeros (2) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Crédito Rural (1) Créditos de Descarbonização (11) Cultivo (97) Curso (1) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (33) Diesel (7) Diesel Verde (3) eco-friendly (4) Economia (50) Economia Circular (1) Economia Internacional (105) Economia Verde (166) Economy (30) Ecosystem (5) Efeito estufa (12) Eficiência energética (29) Empreendedorismo (2) Empresas (4) Energia (52) Energia Renovável (202) Energia Solar Fotovoltaica (5) Etanol (33) Europa (1) event (9) Eventos (92) Exportações (39) Extrativismo (30) FAO (1) Farelos (33) farm (1) Fibras (8) Finanças (3) Floresta plantada (85) Fomento (1) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (22) Gás (1) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (1) Glicerina (1) Global warming (87) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Incentivos (1) Industry 4.0 (1) Inovação (35) IPCC (14) L72 (4) L73 (2) Legislação (5) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (540) Madeira (4) Mamona (1) Manejo e Conservação (53) MAPA (3) Meio Ambiente (117) Melhoramento e Diversidade Genética (61) Mercado (3945) Mercado de Combustíveis (37) Mercado Financeiro (7) Mercado florestal (61) Mercado Internacional (23) Metas (1) Milho (4) MME (11) Mudanças Climáticas (4) Mundo (3) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (45) Oleochemicals (6) Óleos (231) Óleos Essenciais (1) ONU (5) other (1) Palma (7) Paris Agreement (80) Pecuária (71) Pegada de Carbono (69) Personal Care (2) Pesquisa (11) Petrobras (3) Petróleo (18) PIB (1) pirólise (2) Plant Based (14) Política (70) Preços (8) Preservação Ambiental (5) Produção Animal (2) Produção Sustentável (20) Produtividade (6) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (35) Recuperação Econômica (1) Relatório (1) renewable energy (16) RenovaBio (25) Research and Development (9) Resíduos (2) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (1) Segurança Alimentar (71) Segurança Energética (6) Selo Social (1) Sistema Agroflorestal (10) Sistemas Integrados (2) Soil (8) Soja (23) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (412) Tecnologia (1) Transportes (3) Turismo Sustentável (2) Vídeo (215) World Economy (74)

Total de visualizações de página