Buscar

Mamona atóxica pode alavancar agricultura do semiárido e abrir novas portas para exportação

quinta-feira, agosto 09, 2018


Resultado de imagem para mamona atoxica

Confira no programa Conexão Ciência pesquisa da Embrapa, pioneira em nível mundial, que resultou no desenvolvimento de variedades de mamona sem ricina.
A mamona (Ricinus communis L.) é uma planta oleaginosa com uma ampla gama de aplicações para a agricultura e agroindústria. Por suas características, é capaz de produzir bem em condições de clima extremas, como o semiárido brasileiro. Entretanto, é portadora de uma substância chamada ricina, tão venenosa, que é tratada como arma biológica em países como os Estados Unidos, onde o seu cultivo é proibido.  
A boa notícia é que a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade da Embrapa localizada em Brasília, DF, conseguiu desenvolver variedades de mamona atóxicas, sem a presença da ricina. Para falar sobre essa novidade, que pode alavancar a agricultura dessa região e até mesmo abrir a possibilidade de exportação da mamona para novos mercados, o programa Conexão Ciência desta semana entrevista o pesquisador Francisco Aragão. O programa vai no dia 07/08 às 19h15 na TV NBR e, depois, fica disponível no canal da emissora no YouTube.
A presença da ricina prejudica o potencial altamente nutritivo da mamona, fazendo com que hoje seja muito utilizada na fabricação de adubo. Segundo Aragão, a pesquisa objetiva usos mais nobres para essa planta, como por exemplo, na fabricação de torta para alimentação animal. “Trata-se de uma opção de baixo custo que, aliada à adaptação da mamona a climas extremamente secos, poderia alavancar a produção agropecuária do semiárido brasileiro”, destaca.
Para se ter uma ideia do teor de veneno da ricina, ela é considerada arma biológica em países como os Estados Unidos, onde seu cultivo é proibido. Por isso, as variedades atóxicas desenvolvidas pela Embrapa vêm despertando interesse de vários países. Além dos EUA, China, Índia e outros já procuraram a Empresa de olho no bom potencial que apresenta para diversos segmentos, da indústria, como alimentação, química, têxtil, plástico e borracha, papéis, perfumaria, cosméticos, farmácia, eletroeletrônicos e telecomunicações, tintas e adesivos, e lubrificantes, entre outros.
Pesquisa é pioneira no mundo
Essa é a primeira vez no mundo que cientistas conseguem transformar geneticamente a mamona para eliminação da ricina. A técnica utilizada por Aragão e sua equipe foi a de silenciamento gênico, que permite “desligar” genes específicos.

Proteínas das sementes foram usadas em experimentos com ratos em uma quantidade de 15 a 230 vezes os valores da dose letal mediana (DL50), suficiente para matar metade da população dos animais pesquisados, e todo o grupo sobreviveu sem sequelas. “Uma vez incorporado, esse resultado promoverá grandes impactos econômicos na cadeia produtiva da mamona e da produção animal, com inserção estratégica e competitiva na bioeconomia”, acredita Aragão.
Por ser um produto geneticamente modificado, as variedades de mamona terão que passar pelas análises de biossegurança exigidas pela legislação brasileira. O prazo estimado para que cheguem ao setor produtivo é de cerca de cinco anos.
Confira essas e outras novidades no programa Conexão Ciência. Assista aqui a edições anteriores.
Leia aqui a matéria completa sobre a pesquisa da mamona.
Fonte: Embrapa News

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página