Buscar

Prejuízo com frutas e hortaliças é de R$ 773 milhões

quarta-feira, maio 30, 2018

Resultado de imagem para produtor de tomate joganmdo tomate fora greve
Toneladas de tomates são descartadas devido ao baixo preço

Os setores de frutas e de hortaliças calculam prejuízos de cerca de R$ 773 milhões com produtos estragados e vendas não realizadas, tanto no mercado interno como no externo

Calculo considera volume de produtos estragados que deixaram de ser vendidos e também exportados pelo Brasil
Os setores de frutas e de hortaliças calculam prejuízos de cerca de R$ 773 milhões com produtos estragados e vendas não realizadas, tanto no mercado interno como no externo. A soma é composta por R$ 567 milhões de perdas em hortaliças e R$ 206 milhões em frutas, segundo as associações nacionais de produtores.
Ainda que a greve termine nas próximas horas, o total do prejuízo deve continuar a repercutir com a derrubada dos preços das mercadorias. A perda de qualidade dos alimentos faz os preços caírem. Centenas de carretas contendo perecíveis ainda estão retidas nas estradas. “Esse estoque de oferta parado, sofrendo danos, está arriscado a ter cancelado seu pedido, o que levará à necessidade de uma renegociação de venda e consequente redução de preços”, afirma o presidente da Abrafruta (Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados ), Luiz Roberto Barcelos .
O produtor e exportador de limão Waldyr Pronicia, da Bahia, é um dos que está com cargas travadas no bloqueio de caminhoneiros. “Estou com duas cargas paradas na rodovia BR 324 desde segunda-feira (21) tentando chegar a Santos para embarcar pro exterior e outras oito na fazenda prontas para despachar, esperando caminhão chegar”, diz. Com exportação para países de toda a Europa, o produtor esta semana se viu obrigado a descartar três toneladas de limão, encaminhadas para o lixo por falta de refrigeração.
Ao não embarcar a mercadoria negociada com os europeus, o produtor terá de arcar com multas pelo não cumprimento do contrato de venda e entrega. “A multa é o menor dos problemas, pois dá para recuperar depois. O pior é ocorrer quebra de contrato, ou seja, o fim da relação com o cliente. Estamos tentando mostrar que estamos lidando com um problema totalmente fora de nosso controle”, diz ele.
O nordeste brasileiro é o maior produtor e exportador de frutas do país. A produção é concentrada na região do Vale do Rio São Francisco. O setor de frutas fatura cerca de R$ 18 bilhões por ano no Brasil.
Mamão, manga e uva são os mais prejudicados pela paralisação, devido à fragilidade dos produtos. A produção está distribuída por todo o país, mas se mostra mais atingida em localidades como Mossoró (CE), São Joaquim (SC), Petrolina (PE), regiões com atividade econômica concentrada na fruticultura e cuja população local também sofre os efeitos da crise.
Só o efeito sobre os exportadores de frutas é estimado em R$ 6 milhões durante os cinco dias de greve nas estradas. O preferido do mercado externo é o melão, seguido de uva, manga e limão. “O contêiner não consegue chegar às fazendas para coletar as mercadorias, nem percorrer o trajeto até o porto para embarque”, afirma Luiz Roberto Barcelos, presidente da Abrafruta.
Apesar dos problemas provocados à cadeia produtiva com a mobilização dos transportadores, os agricultores apoiam a manifestação. E o anúncio feito pelo presidente Michel Temer nesta sexta-feira (25) de que o governo usará força armada para desobstruir estradas indignou os produtores de hortaliças. “Um grande número de agricultores reagiu à declaração declarando apoio à causa dos caminhoneiros, inclusive fechando rodovias”, afirma o diretor da Ibrahort (Instituto Brasileiro de Horticultura e Hortaliças do Brasil), Luciano Vilela.
No setor de hortaliças, o impacto está sendo considerado “desastroso” pela Ibrahort principalmente pelo fato de 90% dos agricultores serem familiares. A cadeia de produção do setor, que inclui 12 tipos de cultura, movimenta cerca de R$ 29,5 bilhões, segundo a entidade.
“Nosso prejuízo ultrapassa milhões. Perdemos R$ 200 mil por dia na região da Grande São Paulo, pois além de não conseguirmos escoar os produtos para os pontos de varejo, enfrentamos depredação de nossos veículos”, relata o presidente da Aphortesp (Associação dos Produtores de Hortifrutis do Estado de São Paulo), Marcio Hasegawa.
Fonte: Globo Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página