Buscar

Gestão da água ainda é desafio no Brasil, Argentina e México

segunda-feira, março 19, 2018

Experiências em manejo hídrico na Argentina, México e Brasil foram apresentadas no primeiro dia do Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos (SPARH), nesta quarta-feira (14). Pelos relatos dos palestrantes da quinta edição do evento, o uso da água na agropecuária nos três países ainda é ineficiente.
No México, o consumo de carne aumentou muito nos últimos anos. Entre 1990 e 2013, o consumo mundial por pessoa passou de 67 para 81,5 quilos por ano. No mesmo período, o México registrou um incremento de 65%, passando de 67 para 111 quilos.
Resultado de imagem para gestão da agua
Para satisfazer essa demanda, a produção agropecuária também cresceu. De acordo com o professor Ricardo Morales, da consultoria agropecuária Agroder, do México, a consequência foi o aumento significativo da pressão sobre os recursos hídricos. “Infelizmente, a estratégia do setor é incrementar a produção sem considerar a conservação dos ecossistemas e dos recursos naturais, principalmente da água”, enfatizou.
O setor agropecuário é o principal usuário de água no México – 76,3% do volume total concessionado. A solução desse problema hídrico demanda concentrar esforços para melhorar a eficiência do uso da água. “Como não há incentivos para o produtor que usar a água de forma eficiente e o setor de produção de alimentos no México não paga pela concessão de água, a preocupação é produzir mais, sem pensar no manejo ambiental”, conta.
Já na Argentina, o cenário é um pouco mais animador. De acordo com a pesquisadora Veronica Charlon, do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA), grandes produtores de leite já estão adotando medidas para reduzir o consumo de água, como uso de cisterna para captação da água da chuva.

Palestrantes do primeiro dia do SPARH - Foto: Laura Souza Pereira

“Em uma pesquisa, observamos que as propriedades de leite menos produtivas eram aquelas com instalações e equipamentos de ordenha mais antigos, apresentando maior consumo de água e manejo deficiente de efluentes. Por outro lado, as que tinham maior produtividade, eram as que tinham melhores práticas de manejo do esterco e do uso da água”, conta Veronica.
O desafio é estender as boas práticas de produção a um maior número de fazendas, melhorar o cuidado do ambiente e fazer a gestão eficiente da água e dos efluentes. Segundo a pesquisadora, saber quanto é consumido de água para produzir alimentos agropecuários e identificar os pontos chaves de consumo de água em toda cadeia alimentícia é o primeiro passo para atuar diminuindo as pressões sobre as fontes de água e, por outro lado, realizar o uso racional desse recurso. “Para isso, é necessário continuar investigando e difundindo estratégias para incentivar a adoção de práticas e tecnologias para um manejo sustentável da água no país”, afirma.
No Brasil, o setor agropecuário tem sido incentivado a realizar a gestão da água. Medidas simples, mas eficazes, vêm sendo divulgadas para o uso mais eficiente dos recursos hídricos na produção de alimentos agropecuários. Segundo o pesquisador Julio Palhares, da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos – SP), deve-se adotar os 5 Rs na produção animal: reduzir o consumo de água, reutilizar os efluentes, recuperar a qualidade da água, reciclar a água em outros usos e reabastecer as fontes de água, preservando as nascentes, por exemplo.
Para Palhares, não existe gestão sem medição do consumo. Para isso, o produtor pode utilizar um hidrômetro. É a forma mais simples e direta para conhecer o consumo. No entanto, não basta ter o hidrômetro, deve-se fazer a leitura para saber quanto está sendo consumido e onde estão os desperdícios para, assim, manejar a água de forma eficiente.
“Além da melhor gestão da água na propriedade, o manejo hídrico é uma importante ferramenta para a preservação e conservação dos recursos naturais. É preciso que o produtor adote em suas rotinas práticas de produção hidricamente corretas para manter-se competitivo e fazer com que a produção agropecuária seja sustentável”, afirma Palhares.
Gisele Rosso (MTb/3091/PR)
Embrapa Pecuária Sudeste

Telefone: (16) 3411-5625
Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/
Fonte: Embrapa Notícias

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página