Buscar

Comprimido biológico elimina Aedes Aegypti

segunda-feira, fevereiro 26, 2018


Resultado de imagem para aedes aegypti

Resultado de pesquisa de cientistas ligados à Fundação Osvaldo Cruz

Um produto biológico que elimina larvas do Aedes Aegypti, desenvolvido por uma startup brasileira, é a nova alternativa contra o mosquito transmissor da febre amarela urbana, Dengue, Zika e Chikungunya. Chamado de DengueTech, o produto é resultado de pesquisa de cientistas ligados à Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz).

O inseticida biológico combate as larvas do mosquito usando a bactéria Bacillus thuringiensis israelensis, conhecida como Bti. Trata-se de um agente biológico recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tendo sido aprovado pela Anvisa para livre venda e uso pela população no no Brasil.

“O Aedes Aegypti possui uma capacidade de adaptação muito grande (frio, água limpa ou suja) e em poucos meses consegue se tornar resistente aos inseticidas atuais. Já o Bti consegue evitar que o mosquito crie essa resistência e ainda não afeta outros insetos benéficos ao meio ambiente, por isso é a forma mais segura e sustentável de controlar o Aedes. Com a nossa tecnologia, tornamos esse larvicida acessível à população e viabilize o que a OMS recomenda: engajar e empoderar a população para o controle sustentável do Aedes”, explica Rodrigo Perez, diretor da fabricante BR3, uma empresa residente no Cietec, entidade Gestora da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo

Com a forma de um comprimido, o DengueTech deve ser colocado diretamente nos locais com água parada a cada 60 dias. De acordo com a fabricante, apenas um comprimido é suficiente para até 50 litros, nos quais ele se dissolve e libera microrganismos e proteínas que matam as larvas que os ingerem.

“As doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti se tornaram temidas no mundo todo. Agora o Brasil passa por um momento em que a proliferação da febre amarela cresce a cada dia. Além disso, os números de circulação de Dengue, Zika e Chikungunya atestam a presença do mosquito em praticamente todo o território nacional. Por isso é importante que, junto com os órgãos responsáveis, a população se mobilize eliminando os criadouros em suas casas. Com estes cuidados é possível reduzir a densidade dos ovos em até 90%”, argumenta Perez.

Fonte: AgroLink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página