Buscar

Índia ratifica acordo de Paris contra mudanças climáticas

segunda-feira, outubro 03, 2016

Índia é o terceiro emissor mundial de gases de efeito estufa.
28 estados da União Europeia também concordaram com ratificação.

A Índia, o terceiro emissor mundial de gases de efeito estufa, ratificou neste domingo (2) oacordo de Paris sobre o clima, estabelecido na COP 21, anunciou o ministro indiano do Meio Ambiente.

Todo o procedimento ocorreu sem cerimônias. Com a ideia de cultivar sua imagem de governo ecologista, o poder Executivo do nacionalista hindu Narendra Modi escolheu a simbólica data de 2 de outubro, aniversário do nascimento de Mahatma Gandhi, para ratificar o acordo da COP21.

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

Modi afirmou, para explicar sua decisão, sua vida foi marcada pela pegada do carbono.

O pacto pretende manter o aumento médio das temperaturas “bem abaixo” dos 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais para lidar com o aquecimento global. Isso irá exigir um rompimento dramático com os combustíveis fósseis neste século como parte dos esforços para limitar ondas de calor, inundações, secas e a elevação dos mares.

Para que entre em vigor, o acordo, anunciado em dezembro de 2015, deve ser ratificado por, ao menos, 55 países que sejam responsáveis, como mínimo, de 55% das emissões de gases de efeito estufa.

Assim, com a Índia e seus 4,1% das emissões mundiais, um total de 62 países responsáveis por quase 52% das emissões totais, terão ratificado o acordo.

China e Estados Unidos, os dois países que mais contaminam, contribuíram para acelerar o processo ao assinarem o texto no início de setembro, durante uma cúpula na qual se reuniram os presidentes Xi Jinping e Barack Obama.

Países europeus também entraram em acordo
Os estados da União Europeia (UE) também concordaram nesta sexta-feira (30) com uma ratificação acelerada e conjunta do acordo de Paris contra as mudanças climáticas, garantindo apoio suficiente para que o pacto entre em vigor neste ano e encaminhe uma mudança radical da economia mundial que a distancie dos combustíveis fósseis.

O entendimento entre os ministros do Meio Ambiente de todos os 28 países-membros é um avanço político raro para a UE em um momento de discórdia a respeito da crise imigratória e de incerteza após o referendo de desfiliação do Reino Unido.

Fonte: France Press - retirado de Aprobio

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Total de visualizações de página