Buscar

Pesquisa usa inteligência artificial para apontar área prioritária de combate ao desmatamento na Amazônia

sexta-feira, agosto 05, 2022


Um método desenvolvido por pesquisadores brasileiros com base em imagens de satélite e inteligência artificial mostra que a área prioritária das ações de combate ao desmatamento poderia ser 27,8% menor do que a dos 11 municípios atualmente monitorados pelo governo federal no Plano Amazônia 2021/2022. Esse monitoramento, porém, deixa de considerar novas fronteiras de derrubada da floresta, que extrapolam os limites desses municípios-alvo.

Pesquisa publicada em junho na Conservation Letters, uma revista da Society for Conservation Biology, aponta que as regiões com as maiores taxas de desmatamento na Amazônia, classificadas de “alta prioridade”, englobam 414.603 km2 neste ano, ante a área total incluída no plano que, somando todos os municípios, é de 574.724 km2. Ou seja, a área a ser monitorada seria 160 mil km2 menor, uma extensão similar à do Suriname.

Mas, enquanto os hotspots identificados pelos pesquisadores responderam por 66% da taxa média anual de devastação da floresta, os 11 municípios-alvo do plano representaram 37% da taxa de desmatamento nos últimos três anos (2019 a 2021).

No artigo, cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e de universidades americanas concluem que o método proposto, além de dar um foco mais definido para a fiscalização, revela novas fronteiras de derrubada da floresta, atualmente fora do plano de monitoramento por extrapolar os limites desses municípios-alvo.

“Com essa nova abordagem, concluímos que há um ganho de efetividade ao priorizar áreas com maiores índices de desmatamento, não limitando por municípios. Esse resultado é importante, visto que cada vez mais órgãos de fiscalização, como o Ibama e o ICMBio, têm sofrido com cortes de recursos, tanto de servidores como de orçamento. Alguns desses hotspots de devastação ficam dentro dos 11 municípios-alvo, mas outros estão nas bordas, abrindo novas fronteiras”, diz à Agência FAPESP o autor correspondente do artigo Guilherme Augusto Verola Mataveli, da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Inpe.

O trabalho recebeu apoio da FAPESP por meio de quatro projetos: Influência do uso e cobertura da terra na emissão de material particulado fino por queimadas nos biomas Amazônia e Cerrado, Quantificando mortalidade de árvores com lasers, Uso de séries temporais densas Sentinel-2/MSI e algoritmos de aprendizado de máquinas para melhorar o monitoramento agrícola no bioma Cerrado e Variação interanual do balanço de gases de efeito estufa na Bacia Amazônica e seus controles em um mundo sob aquecimento e mudanças climáticas – Carbam: estudo de longo termo do balanço do carbono da Amazônia.

Procurado pela Agência FAPESP, o Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAL), responsável pelo Plano Amazônia 2021/2022 informou por meio de sua assessoria, que “o objetivo [do plano] foi focar onde a ocorrência dos ilícitos ambientais tinha maior impacto nos resultados da gestão ambiental brasileira, sem descuidar da atuação nas demais áreas da Amazônia Legal”. De acordo com o CNAL, “os municípios escolhidos foram aqueles que constavam com maiores áreas desmatadas, assim como maior incidência de queimadas, podendo ser incluídos outros que venham a ser mapeados pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia [Censipam]”.

O CNAL disse ainda que o Inpe foi uma das “instituições protagonistas no processo de indicação das prioridades estabelecidas”, mas que os cientistas que trabalharam na pesquisa poderiam “ter contribuído oportunamente de forma institucional”. “O CNAL trabalha sempre com a informação oficial gerida, trabalhada e analisada pelos órgãos oficiais do governo”, afirma o órgão.

Avanço no processamento de dados

No estudo, os cientistas destacam que o desmatamento nos 11 municípios-alvo do plano foi significativo nos últimos anos, motivando um monitoramento, mas isso não seria suficiente para priorizar somente esses locais. São eles: São Félix do Xingu, Altamira, Novo Progresso, Pacajá, Portel, Itaituba e Rurópolis, no Estado do Pará, Apuí e Lábrea, no Amazonas, Colniza, em Mato Grosso, e Porto Velho, em Rondônia.

Os pesquisadores citam que, mesmo com ações de fiscalização concentradas na região, houve aumento de 105% na taxa de devastação entre fevereiro e abril de 2021 se comparada à média nos anos anteriores (2017-2021). Pelos dados do Deter, programa oficial de alertas de desmatamento do Brasil, foram 524,89 km2 de novos pontos de devastação nessas áreas.

“Essa pesquisa valida a importância do Inpe, que há 60 anos forma pesquisadores de ponta e produz ciência e tecnologia, a partir de dados satelitários, para a sociedade e o desenvolvimento nacional. Os avanços no processamento de dados apresentados neste estudo com o uso de inteligência artificial para o planejamento do combate ao desmatamento são críticos para a mitigação de problemas ambientais nacionais e para a construção de um plano de desenvolvimento sustentável para o país”, afirma o chefe da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Inpe, Luiz Aragão, e um dos autores do artigo.

Áreas prioritárias

O grupo utilizou, entre outras fontes, dados do Prodes – o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite, do Inpe. Desde 1988, o Prodes produz as taxas anuais de desmatamento na região usadas pelo governo brasileiro para definir políticas públicas. Essas taxas são estimadas com base no corte raso identificado em cada imagem de satélite que cobre a Amazônia Legal.

Segundo o último relatório do Prodes, a área desmatada na Amazônia foi de 13.235 km² entre agosto de 2020 e julho de 2021, um aumento de 22% em relação ao período anterior (agosto de 2019 a julho de 2020) e a maior taxa desde 2006 (leia mais aqui).

“A ideia do artigo surgiu em fevereiro de 2021, quando o Plano Amazônia 2021/2022 foi lançado. À época foi divulgado que o desmatamento nesses 11 municípios representava 70% do total registrado na Amazônia, mas o Prodes estava diferente. Com a evolução do modelo, percebemos que poderíamos apresentar uma ferramenta para ajudar no direcionamento da fiscalização”, completa Mataveli.

Para estabelecer as áreas prioritárias, os pesquisadores definiram primeiramente as chamadas células de grade distribuídas regularmente sobre a Amazônia – regiões de 25 km2 por 25 km2. Com base no algoritmo Random Forest, que constrói automaticamente conjuntos de regressões multivariadas para prever hotspots de desmatamento no ano seguinte, foi determinada uma classe de prioridade para cada uma destas células. Esse método identifica uma fração maior de áreas com risco de derrubada de árvores em relação à região total e a terras públicas.

Foram considerados cinco preditores: as taxas de desmatamento em anos anteriores; a distância para células da grade com alto desmatamento cumulativo em anos anteriores; a distância para infraestruturas (como rodovias e/ou hidrovias); a área total protegida na célula da grade e o número de focos de calor.

Depois houve a definição de três classes de prioridade, com base nas estimativas de desmatamento previsto – baixa (valores abaixo do percentil 70); média (entre os percentis 70 e 90) e alta (acima de 90). Os pesquisadores separaram, então, apenas as células das grades com percentis acima de 90 (alta) para mapear as áreas prioritárias de 2022, chegando aos 414.603 km2.

O método também permite a definição das regiões prioritárias anualmente usando as taxas de corte raso do período anterior, não dependendo das fronteiras geopolíticas. De acordo com os pesquisadores, entre os exemplos que estão fora do Plano Amazônia 2021/2022, mas apareceram como prioridade “alta”, estão Roraima e Acre.

"Priorizar esses 11 municípios será insuficiente para que o Brasil consiga cumprir compromissos internacionais, como o de zerar o desmatamento ilegal até 2028 assumido na COP-26 [Conferência do Clima das Nações Unidas]. Além disso, o Plano Amazônia 2021/2022 traz uma meta de combate ao desmatamento de 8.719 km2 por ano. Mas um decreto de 2018 já estabelecia um limite de 3.925 km2/ano após 2020. Ou seja, menos ambiciosa", completa Mataveli.

O pesquisador se refere ao decreto 9.578, de 2018, que trata da Política Nacional da Mudança do Clima e estabelece uma redução de 80% dos índices anuais de desmatamento na Amazônia Legal em relação à média entre 1996 e 2005. Essa meta está entre as ações a serem adotadas pelo Brasil para conter emissões de gases de efeito estufa.

Na COP-26, além do compromisso de zerar o desmatamento ilegal até 2028, o Brasil se comprometeu a reduzir até 2030 as emissões de gases de efeito estufa em 50% em relação aos níveis de 2005 e a atingir a neutralidade climática até 2050. No entanto, o crescimento das taxas de devastação da Amazônia contrasta com esses objetivos – cerca de 11% das emissões de gases estufa são causadas pela má gestão das florestas e do uso da terra, incluindo o desmatamento e incêndios.

Quando o Plano Amazônia 2021/2022 foi lançado, especialistas criticaram as metas estabelecidas, classificando-as de insuficientes. Isso porque o governo estabeleceu como objetivo reduzir o desmatamento com base na média registrada no período 2016-2020, que já era cerca de 35% maior do que a dos dez anos anteriores.

Ações complementares

A pesquisa sugere que, além de métodos mais diretos para definir alvos de políticas públicas, é necessário uma série de ações complementares para combater a devastação. Aponta entre elas a educação e conscientização ambiental; a identificação e responsabilização dos atores que infringem as leis de proteção ambiental e lucram com o desmatamento ilegal; o incentivo a projetos que invistam em ações voltadas à economia verde e para manter a floresta em pé, além da regularização de terras públicas e indígenas.

"O código que usamos para gerar o modelo e as áreas prioritárias é aberto. Estamos conversando com a plataforma Terra Brasilis para tentar incluir essas áreas nas informações disponíveis para quem quiser acessar. Assim, se algum governo, incluindo estaduais ou municipais, tiver interesse, é possível aplicá-lo na prática", conclui Mataveli.

O artigo Science-based planning can support law enforcement actions to curb deforestation in the Brazilian Amazon, dos pesquisadores Guilherme Mataveli, Gabriel de Oliveira, Michel Chaves, Ricardo Dalagnol, Fabien H. Wagner, Alber H.S. Ipia, Celso H.L. Silva-Júnior e Luiz Aragão, pode ser lido aqui.

Fonte: Um só Planeta

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (27) ABC Plan (1) abiotic stresses (3) Abiove (10) ácaros (1) acerola (2) acordo (1) Acordo Internacional (43) Acrocomia aculeata (78) açucar (1) Adubação (4) adubação orgânica (1) adubos (2) Adubos organominerais (1) Africa (5) agribusiness (74) Agricultura (498) Agricultura 4.0 (23) agricultura digital (3) agricultura familiar (7) agricultura orgânica (6) agricultura sustentável (2) agricultural (4) agriculture (93) agriculture 4.0 (4) agrochemistry (1) Agroenergia (200) agroenergy (18) Agrofloresta (3) Agroindústria (68) agroindustry (9) agrometeorologia (1) Agronegócio (396) Agropecuária (85) agrotóxicos (2) Água (26) Àgua (1) air pollution (1) algodão (2) Alimentação Saudável (27) Alimentos (392) amazon (3) amazon monitoring (4) Amazônia (106) Ambiente (1) Ambition 2030 (1) amêndoas (1) amendoim (2) ANDA (1) animal breeding (2) animal health (2) animal nutition (1) animal production (7) ANP (117) antioxidants (1) anvisa (3) aplicação de insumos (1) APPs (4) Aprobio (1) aquaculture (3) aquecimento global (6) aquecimento golbal. (1) argentina (8) armazenamento (2) arroz (1) Arte (1) artificial intelligence (2) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (42) avian influenza (2) Aviation fuel (19) Aviation market (24) avicultura (1) Azeite (2) B10 (5) B12 (6) B13 (2) b14 (2) b15 (2) b40 (1) bacteria (2) banco de germoplasma (1) bancos (1) banks (2) barley (1) based protein (1) Bebidas (3) beef (1) bees (2) Benefícios ambientais (1) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (575) Biodefensivos (13) Biodiesel (402) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (26) biodiversity (19) Bioeconomia (128) Bioeconomia Agronegócio (1) bioeconomy (1) Bioeletricidade (27) Bioenergia (219) bioenergy (4) bioetanol (1) bioethanol (3) Biofertilizantes (17) biofertilizers (3) Biofuels (155) biofuels market (13) biogas (3) Bioinsumos (28) Biologia do Solo (1) biological nitrogen fixation (1) Biomas (20) Biomass (7) Biomassa (95) Biomateriais (6) biomes (4) biometano (4) biopesticides (4) Bioplastic (1) bioplásticos (3) bioplastics (1) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (29) Bioquerosene (52) biorefinery (1) Biorrefinaria (4) Biorrenováveis (1) Biotechnology (40) Biotecnologia (90) BNDES (5) bolivia (1) Bolsa de Valores (41) boron (1) bovinocultura (1) Brahman (1) bran (1) Brasil (154) Brazil (64) breeding (2) Caatinga (1) Cacau (8) Cadeia Produtiva (24) café (5) calcium (1) Cambodia (1) cana-de-açucar (11) cana-de-açúcar (3) canada (3) Canadá (1) cannabis (1) canola (1) Capacitação (31) CAR (5) carbon credit (7) carbon dioxide (1) carbon emissions (20) carbon market (5) carbon sequestration (4) Carbonatação (1) Carbono (14) carbono negativo (1) Carbono Neutro (13) Carbono Zero (26) carne orgânica (1) carnes (4) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (8) cattle (1) CBios (80) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (19) central america (1) cereais de inverno (2) cereals (13) Cerrado (37) Certificação (1) certification (1) Chile (3) china (18) Chuvas (17) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (481) circular economy (3) cítricos (1) citros (4) Classificação (1) Clima e ambiente (336) Clima e ambiente Preços (2) climate and environment (34) climate change (56) climate changed (68) CNA (2) CNPE (3) coal (1) Código Florestal (6) Cogeração de energia (30) colheita (4) Colombia (2) Combustíveis (118) Combustíveis Fósseis (42) Combustíveis verde (6) comercialização (1) Comércio (49) commodity (8) comodities (1) complexo soja (5) Consciência Ecológica (28) conservação (1) conservação de alimentos (2) conservation units (2) controlled fires (1) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (27) cop27 (2) Copolímeros (2) coqueiro (1) corn (26) Cosméticos (40) cotton (5) covid-19 (1) Crédito de Carbono (65) Crédito Rural (21) Créditos de Descarbonização (30) CRISPR-Cas9 (1) crop 21/22 (1) crop 22/23 (1) crops (1) Culinária (1) Cultivo (122) cultivo de grãos (3) cultura energética (1) Culturas Perenes. Agricultura (6) Curso (14) Dados (1) dairy products (2) Davos (4) decarbonization (2) decarbonization credits (3) defensivos (3) deforestation (14) demandaXoferta (2) Dendê (5) derivados do leite (1) Desafios (3) Descarbonização (30) descarbonization (7) desenvolvimento econômico (3) desenvolvimento rural (3) Desenvolvimento Sustentável (247) desert (1) Desmatamento (35) Diesel (27) Diesel Verde (24) digital agriculture (2) discovery (1) diseases (6) diversidade (2) Doenças Vegetais (7) domestic market (1) drones (5) droughts (6) eco-friendly (5) ecology (1) Economia (167) Economia Circular (18) Economia Internacional (154) Economia Sustentável (5) Economia Verde (185) Economy (52) ecossitemas (2) Ecosystem (9) Ecosystem services (4) Educação (1) education (1) Efeito estufa (25) Eficiência energética (56) egypt (1) eletric power (1) emater (3) Embrapa (74) Emissões de Carbono (74) Empreendedorismo (9) Empresas (170) Energia (108) energia eólica (1) energia limpa (26) Energia Renovável (277) Energia Solar Fotovoltaica (25) energy (3) energy crisis (3) energy security (5) energy transition (8) engenharia (2) entomologia (14) entomology (5) environment (39) environment issues (3) environment protection (9) environmental benefits (3) environmental conservation (10) environmental policies (17) enzimas (1) enzymes (1) erva-mate (1) ervas daninhas (1) ESG (32) espécies ameaçadas (1) espécies nativas (1) essential oils (1) estiagem (1) estresse hídrico (2) estresses abióticos (2) Estudo (5) Etanol (119) ethanol (17) etileno (1) EU (10) eucalipto (2) Europa (2) europe (7) event (11) Eventos (178) exploração de madeira (1) Exportações (132) exports (31) extensão (1) Extrativismo (65) factory (1) FAO (14) Farelos (53) farm (1) fatty acids (1) fauna (1) feijão (2) Fertilidade (18) fertility (3) fertilizantes (13) Fertilizers (28) Fibras (12) fibres (1) Finanças (5) Financiamento (2) fiscalização (2) fishing (1) fisiologia vegetal (1) fitopatologia (12) Fitossanidade (11) Fixação de Nitrogênio (2) flavored rice (1) flax (1) Floresta (58) Floresta plantada (123) floricultura (4) floriculture (2) Fomento (42) Food (47) food crisis (1) food production (4) food safety (6) food security (38) foreign market (2) forest (13) forest code (1) forest fires (7) forest management (4) forest products (1) forest restoration (2) forestry (1) Fosfato (3) fósforo (1) fossil fuels (5) fotossíntese (2) fruit growing (4) Fruticultura (66) Fuels (28) full color (1) functional redundancy (1) G7 (2) gabrage (1) Gamificação (1) Gás (4) Gás natural (2) Gasolina (4) Gastronomia (1) gdp (1) GEE (49) genetic engineering (27) genetic improvement (7) Genome (1) geração de emprego (1) Germany (4) girassol (2) Glicerina (2) Global warming (148) GM (1) governance (2) grain (11) grãos (2) grape (1) green ammonia (1) green cement (1) green chemistry (1) green consumerism (1) green diesel (1) Green Economy (134) green hydrogen (4) green steel (1) greenhouse gases (32) Guerra (3) Guerra RussiaxUcrânia (4) Harvest (4) health (27) herbicidas (2) híbridos (1) Hidrogênio Verde (7) História (1) horticultura (3) horticulture (2) hybrid (1) hydrogen (4) IBP (1) ICMS (1) ILPF (15) iluminação (1) impacto ambiental (2) import (5) importação (7) impostos (8) incêndios (1) incêndios florestais (5) Incentivos (4) India (8) indigenous knowledge (1) indigenous lands (3) indíos (1) Indonesia (5) indústria (2) Industry (2) Industry 4.0 (2) inflação (1) inflation (1) innovation (11) Ìnovaç (1) Inovação (221) insects (2) inseticidas (1) insetos (4) inspections (1) Instituição (1) Insumos (41) integrated pest management (9) integrated systems (3) inteligência artificial (4) international agreement (7) international economy (24) international trade (5) Investimento (13) Investimentos (3) IPC (1) IPCC (18) IPFL (1) Irrigação (5) irrigation (2) jabuticaba (1) JBS (1) kinetic energy (1) L72 (4) L73 (7) land use (5) LED's (1) Legislação (60) legislation (17) Leguminosas (3) leite (1) licenciamento ambiental (3) liga árabe (1) lignin (1) Lignina (9) livestock (18) livestock farming (1) logística (2) logistics (1) Low Impact Agriculture (2) Low-Carbon (64) Lubrificantes e Óleos (20) macarrão (1) Macaúba (612) machine learning (1) Madeira (28) Malaysia (1) Mamona (1) management (5) mandioca (2) manegement (2) Manejo (40) Manejo e Conservação (138) manejo integrado de pragas (10) manejo sustentável (1) manure (1) MAPA (71) Máquinas e equipamentos (4) marine ecosystems (1) Market (4) Mata Atlântica (12) matéria orgânica (1) Matéria Prima (5) Matéria-Prima (4) matéria-prima renovável (1) Matéria-PrimaResíduos (2) matérias-primas (4) MCTI (3) meat (5) medicinal cannabis (1) Medida Provisória (1) Meio Ambiente (433) Melhoramento e Diversidade Genética (114) Mercado (4150) mercado de carbono (7) Mercado de Combustíveis (92) Mercado de fertilizantes (1) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (78) mercado global (1) Mercado Internacional (94) metano (2) Metas (5) methane (7) Micotoxinas (1) microbiologia (2) microbiology (2) micromobility (1) micronutrient (1) Milho (65) Minas Gerais (1) Minas Gerias (1) Mineração (3) mineral nutrition (3) mining (3) ministério da economia (2) mirtilo (1) mites (1) MMA (5) MME (65) monitoramento (2) Morocco (2) Mudanças Climáticas (114) mudas (5) Mundo (203) Nações Unidas (4) NASA (1) national production (1) natural disasters (1) natural gas (2) nature (6) natureza (3) Negócios (13) nematoides (2) nergia limpa (1) net-zero (47) neutral carbon (1) Neutralidade Tributária (2) new species (1) new zealand (1) nitrogen (5) nitrogenand (1) nitrogênio (2) novos produtos (1) Nutrição animal (19) Nutrição Mineral (9) nutrição vegetal (1) nutrition (15) nutritional quality (2) ocean heat (1) oceans (1) OECD (6) OGM (1) Oil (54) Oil Food (1) Oleaginosas (143) óleo de palma (6) óleo de soja (9) Oleochemicals (11) Óleos (255) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (40) oliva (1) Olivicultura (1) OMC (4) ONGs (1) ONU (33) Oportunidade (9) Oportunidades (9) organic agriculture (2) organic food (1) other (1) otimização (1) oxidative stability (1) ozone layer (2) Palm (2) palm oil (6) Palma (36) palmeiras (9) pampa (1) pantanal (4) papel e celulose (1) PARAGUAY (1) Paris Agreement (100) partnership (1) pastagens (1) Pasture Management (1) Pasture Recovery (1) pecan (1) Pecuária (140) pecuária sustentável (1) Pegada de Carbono (108) Personal Care (3) Peru (1) Pesquisa (145) Pessoas (2) pesticides (8) pests (1) Petrobras (9) Petróleo (34) phosphates (4) phytoplankton (1) phytosanitary (4) PIB (16) pinhão-manso (2) pirólise (3) Piscicultura (1) pitaya (1) planejamento estratégico (1) Plano Safra (3) Plant Based (29) plant patology (1) plant production (9) Plant-Based (4) plantas daninhas (4) plantas de cobertura (1) plantio direto (2) pnpb (1) Política (102) Política Ambiental (46) política de preços de combustíveis (1) Políticas (1) políticas públicas (2) politics (5) pollination (1) polluting activities (1) pollution (4) pork (1) Portugal (1) pós-colheita (1) potássio (1) potassium (3) potato (2) poultry (1) pragas (15) Preços (85) Preservação Ambiental (77) prices (2) Produção Agrícola (59) Produção Animal (31) produção de alimentos (3) Produção Integrada (3) Produção Sustentável (82) Produção vegetal (51) production (1) productivity (17) Produtividade (155) Produtos (151) produtos florestais não madeireiros (2) Proteção Ambiental (21) proteção de nascentes (3) proteína animal (1) proteína vegetal (28) proteins (4) public health (9) Qualidade (14) qualidade da água (2) qualidade de vida (2) Qualidade do Ar (10) queimadas (1) química (1) químicos verdes (1) rapeseed (1) reciclagem (9) record (1) Recuperação Ambiental (8) Recuperação de área Degradada (55) Recuperação Econômica (3) Recycling (4) REDD+ (1) redução da poluição (3) Reflorestamento (37) reforestation (3) regulamentação (4) regulation (1) Relatório (17) renewable energy (47) renewable fuel (3) RenovaBio (100) renovaCalc (3) Report (2) research (5) Research and Development (26) Reservas Legais (3) Resíduos (29) resistence (3) Responsabilidade Social (1) rice (4) rotação de culturas (1) Russia (16) Rússia (1) Russia x Ukraine (31) Sabão (1) SAF (8) Safra (11) safra 21/22 (1) safra 22/23 (1) safrinha (1) Santa Catarina (1) Saúde e Bem-Estar (153) SBNs (1) science (4) science and technology (75) sea (1) sea levels (1) seaports (1) Sebo (6) seca (1) seeds (1) Segurança Alimentar (192) Segurança Energética (17) Selo Social (16) sementes (18) sequestro de carbono (5) serviços ambientais (1) sewage waste (1) silvicultura (4) Sistema Agroflorestal (47) Sistemas Integrados (38) social (1) social inequality (1) Sociobiodiersidade (9) Soil (11) soil biology (1) Soja (195) solar energy (1) solid waste (4) Solos (83) sorgo (1) south korea (1) southern Agricultural Council (1) soybean (11) soybean oil (2) soybeans (18) steam (1) storage (1) sugar (3) sugarcane (12) suinocultura (1) sunflower (7) sunflower oil (5) Sustainability (104) sustainable agriculture (2) Sustainable Development (14) Sustainable Energy (71) Sustentabilidade (766) swine (1) taxes (3) taxonomy (1) technology (13) Tecnologia (103) tecnologias digitais (3) Tempo (2) terras indígenas (2) Títulos verdes (3) transgenic (11) transgênicos (5) transição energética (11) Transportes (13) transports (9) trees (2) Trigo (9) tubers (1) Turismo Sustentável (7) turkey (1) ubrabio (5) Ucrânia (3) UK (1) Ukraine (9) Unica (1) Unidades de Conservação (4) urea (2) uruguay (1) USA (27) USDA (5) uso do solo (3) uva (1) vaccination (1) vaccine (1) vazio sanitário (1) vegetable nutrition (8) vegetable oils (9) versatilidade (1) Vídeo (281) vinhos (1) viruses (1) War (22) waste (1) water (2) webinar (1) wheat (17) wine (2) World (72) World Economy (87) WTO (1) ZARC (2) zero tariff (2) Zero-Carbon (3) zoneamento agrícola (5) zoneamento climático (2) zoneamento territorial (1) zootecnia (1)

Total de visualizações de página