Buscar

CNA diz que produção de fibras naturais é alternativa para desenvolvimento da Amazônia

terça-feira, maio 11, 2021


A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) afirmou, em reunião da Câmara Setorial de Fibras Naturais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), na terça (11), que são necessários investimentos e a aplicação de políticas públicas para que a atividade se torne uma alternativa de desenvolvimento da região amazônica.

“A cadeia produtiva das fibras naturais na Amazônia representa um segmento que envolve e ocupa diretamente um grande contingente de pessoas e suas famílias. Porém, vem sofrendo com redução na produção em decorrência de fatores como a carência de novas tecnologias e a necessidade de maior intensidade de políticas públicas de apoio e fomento à atividade”, afirmou Muni Lourenço, presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea) e da Comissão Nacional de Desenvolvimento da Região Norte da CNA.

A reunião comemorou os 10 anos da Câmara Setorial e recebeu o vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, além de representantes de diversas entidades do setor.

Lourenço falou sobre o potencial econômico e social da cadeia produtiva de fibras naturais na Amazônia. Segundo ele, a indústria que processa as fibras está importando fibra do sudeste asiático para atender a demanda. “Estamos em uma situação de dependência parcial da compra de fibra natural de outros países, que poderíamos estar produzindo, gerando emprego, renda e oportunidades para nossa gente”.

O presidente da Faea ressaltou que a implantação de um projeto piloto no programa de Vendas de Balcão da Companhia Nacional de Abastecimento (Mapa) contribuiria para apoiar a produção de fibras na região.

“Ao substituir o uso da sacaria de plástico pela de fibras naturais biodegradáveis na comercialização de milho em grãos, por exemplo, a Conab servirá como referência para que outras esferas do governo e dos agentes privados sejam estimuladas a isso e, consequentemente, iremos impulsionar a produção primária das fibras e o segmento industrial dos produtos derivados das fibras naturais”.

O vice-presidente Hamilton Mourão destacou a importância da reunião para manter um diálogo transparente e construtivo, que forneça à entidade informações sobre os problemas que afligem o setor.

“Nós podemos estabelecer alguma forma de auxiliar o setor por meio de políticas públicas nos diferentes ministérios e também em parcerias com o setor privado, o que é extremamente importante nessa ala. O Conselho não tem só foco no combate ao desmatamento ilegal e queimadas, nossa missão é muito mais abrangente. Além da preservação, temos a questão da proteção da Amazônia, mas principalmente o desenvolvimento da região”, disse.

Mourão afirmou que, no período em que está à frente do Conselho, tem estruturado uma agenda para criar ciclos de crescimento para a Amazônia, como intensificar as ações de regularização fundiária, proteção ambiental e melhoria da infraestrutura e logística.

Em relação à cadeia de fibras, o vice-presidente disse que existe um tripé que deve ser encarado para transformar a biodiversidade em bioeconomia, com geração de emprego e renda para a população local: investimento em pesquisa, por meio da Embrapa e do Centro de Biotecnologia da Amazônia; infraestrutura e logística eficientes; e financiamento público e privado.

“Tenho recebido diferentes grupos preocupados com a preservação na Amazônia que afirmam que colocarão os seus recursos em bons projetos. Ou seja, a floresta vai ser preservada porque as pessoas que ali residem estarão explorando a riqueza ligada à biodiversidade sem a necessidade de derrubar uma árvore sequer”.

Para que essas ações sejam feitas, Hamilton Mourão ressaltou a necessidade da parceria entre governo, setor privado e academia.

“Não são ações simples, os desafios são grandes na Amazônia. Temos um caminho a percorrer, mas temos um espaço para crescer e, sendo muito bem ocupado, esse espaço tem ampla aceitação no mundo, onde a bioeconomia vai avançar cada vez mais e, consequentemente, os nossos produtores e toda a cadeia de valor que trabalha nessa área será beneficiada. Compete a nós fazermos avançar esse caminho trabalhando integradamente.”

Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (74) Agricultura (261) Agricultura 4.0 (5) agriculture (1) Agroenergia (126) Agroindústria (25) Agronegócio (225) Agropecuária (51) Água (21) Àgua (1) Alimentação Saudável (12) Alimentos (361) Amazônia (70) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (83) Arte (1) Artigo (46) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (7) Aviation market (21) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (431) Biodefensivos (4) Biodiesel (322) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (11) Bioeconomia (114) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (207) Biofertilizantes (10) Biofuels (103) Bioinsumos (12) Biomas (1) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (3) Bioprodutos (23) Bioquerosene (44) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (83) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (59) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (29) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (2) Carbono Neutro (7) Carbono Zero (19) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (3) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (15) Cerrado (21) Chuvas (5) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (388) Clima e ambiente (278) Clima e ambiente Preços (1) climate changed (60) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (99) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (6) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (42) Crédito Rural (17) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (10) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Descarbonização (2) Desenvolvimento Sustentável (178) Desmatamento (6) Diesel (19) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (90) Economia Circular (12) Economia Internacional (113) Economia Sustentável (4) Economia Verde (173) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (54) Embrapa (2) Emissões de Carbono (55) Empreendedorismo (8) Empresas (152) Energia (98) energia limpa (13) Energia Renovável (252) Energia Solar Fotovoltaica (22) ESG (20) Estudo (2) Etanol (81) Europa (1) event (11) Eventos (152) Exportações (91) Extrativismo (61) FAO (6) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (1) Floresta (25) Floresta plantada (114) Fomento (40) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (8) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (114) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (3) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (182) Instituição (1) Insumos (3) Investimento (7) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (10) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (53) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (590) Madeira (20) Mamona (1) Manejo e Conservação (109) MAPA (32) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (3) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (288) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4107) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (12) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (45) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (17) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (48) Mudanças Climáticas (36) mudas (2) Mundo (152) Nações Unidas (4) Negócios (9) nergia limpa (1) net-zero (36) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (99) Oleochemicals (10) Óleos (252) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (23) OMC (2) ONGs (1) ONU (15) Oportunidade (5) Oportunidades (7) other (1) Palm (2) Palma (30) palmeiras (3) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (103) Personal Care (3) Pesquisa (77) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (33) PIB (5) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Política (81) Política Ambiental (2) políticas públicas (1) Preços (64) Preservação Ambiental (46) Produção Agrícola (1) Produção Animal (8) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (61) Produção vegetal (10) Produtividade (52) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) químicos verdes (1) Recuperação Ambiental (6) Recuperação de área Degradada (47) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (27) regulamentação (2) Relatório (15) renewable energy (19) RenovaBio (73) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (16) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (128) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (150) Segurança Energética (14) Selo Social (12) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (40) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (77) Solos (52) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (643) Tecnologia (51) Tempo (1) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (260) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página