Buscar

Desenvolvimento sustentável: o que é e como aplicar na prática?

sábado, abril 17, 2021


Desenvolvimento é uma palavra que costuma ser atrelada à economia. O ponto é que o desenvolvimento que visa apenas o lucro, incansavelmente, é insustentável devido ao consumo de recursos naturais em larga escala. No futuro, caso as empresas e governos não pensem no meio ambiente, os recursos naturais podem esgotar. Por isso, o desenvolvimento sustentável torna-se um assunto ainda mais importante.


O que propõe o desenvolvimento sustentável

A definição de desenvolvimento sustentável foi elaborada pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. A instituição foi criada pelas Nações Unidas para fomentar debates que envolvam o desenvolvimento econômico em linha com a conservação ambiental.

Ela determina que o desenvolvimento sustentável é “capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações”. Ou seja, está relacionado ao desenvolvimento da sociedade como um todo, tanto no ambiente econômico quanto no social, com o objetivo de também conservar os recursos para o futuro.


Como alcançar o desenvolvimento sustentável?

O essencial para que haja desenvolvimento sustentável é o reconhecimento pela sociedade de que os recursos naturais podem, sim, acabar. Por isso, é preciso que todas as pessoas, principalmente as que trabalham em áreas ligadas ao desenvolvimento econômico, tenham em mente que a preservação do meio ambiente é algo determinante para o futuro do planeta.


Mas o crescimento econômico não depende dos recursos naturais?

A resposta é: sim. Mas é um consenso que preservar os recursos naturais é essencial para a humanidade, seja para o crescimento da economia ou para garantir a sobrevivência da humanidade.

Vale esclarecer também que o desenvolvimento sustentável não obriga empresas e governos a diminuírem suas demandas. O único propósito é melhorar a qualidade e otimizar o uso de matérias-primas e produtos. Isso é possível por meio de reutilização e reciclagem, cada vez mais essenciais.


Pegada ecológica

Apesar das ações de desenvolvimento sustentável ficarem mais concentradas entre governos federais e empresas, é preciso que todas as pessoas façam a sua parte para diminuir a pegada ecológica.

Pegada ecológica é um termo derivado da palavra em inglês footprint e refere-se ao quanto de terra e água seria necessário para sustentar as novas gerações, considerando todos os recursos materiais e energéticos gastos por uma população.

Em alguns sites, há testes em que é possível calcular o quanto cada pessoa gasta de recursos naturais ao longo da vida e mensura o quão agressivo isso é para o planeta. Ou seja, avaliam se você vive de forma sustentável e se sua demanda excede o que a terra pode repor.


Quais as atitudes para se alcançar o desenvolvimento sustentável

É importante ressaltar que, fazendo nossa parte, podemos ajudar na construção de um mundo melhor para as gerações futuras. Pensando nisso, a EXAME Invest enumerou algumas atitudes que podem ajudar no desenvolvimento de um mundo mais sustentável.

  •  Atente-se ao consumo de água e energia elétrica

Após uma semana cansativa, há quem prefira um banho mais longo e relaxante. Porém, o hábito é bastante prejudicial ao meio ambiente. O ideal é ficar de cinco a 10 minutos no banho.

O chuveiro elétrico gasta muita energia, e o desperdício de água ao longo do banho já é consideravelmente maior do que em outras atividades do dia a dia.

Mas não é só isso. Não deixe luzes acesas em cômodos desocupados ou tomadas plugadas na rede elétrica, mesmo sem uso. Isso pode tornar o seu consumo maior e, consequentemente, prejudicar mais o meio ambiente.

  • Reciclagem e reutilização

Reciclar o lixo é um hábito que nem todo mundo tem e que pode ajudar – e muito – o planeta. É preciso ter consciência de que o desenvolvimento sustentável parte de pequenas práticas como esta. Separar plásticos, vidros, latas e outros materiais recicláveis do lixo orgânico é essencial para o meio ambiente.

A reutilização, principalmente de água, também pode ser de grande ajuda para o desenvolvimento sustentável. Muitas vezes, a água com sabão, que sobra da máquina de lavar roupas, por exemplo, pode ser útil para lavar o quintal ou a calçada de casa.

  •  Consumo consciente

Segundo a WWF-Brasil (Fundo Mundial para a Natureza, na tradução para o português), organização sem fins lucrativos que visa mudar a atual trajetória de degradação socioambiental, os hábitos de consumo também são importantes.

Quanto mais compramos, mais as empresas aumentam a produção. E, dependendo do material, essa cadeia pode degradar ainda mais o meio ambiente e até aumentar o desmatamento.

Com isso, pode haver aumento da liberação de gases na atmosfera responsáveis pelo efeito estufa e pela consequente aceleração do aquecimento global.

O ideal, antes de comprar qualquer produto, é questionar: “eu realmente preciso disso agora?” Somente se de fato for uma necessidade, a compra é válida.

  • Utilização de meios alternativos de transporte

Diante da pandemia causada pela covid-19, desde 2020, não é aconselhável usar transportes públicos e/ou ficar em ambientes com muitas pessoas aglomeradas.

Quando a rotina voltar ao normal, é importante repensar os meios de locomoção para ajudar o meio ambiente. Usar patinetes elétricos e bicicletas, por exemplo, pode diminuir sua pegada ecológica.


Economia sustentável

De acordo com a head de ESG da EXAME Invest Pro, Renata Faber, o conceito de economia sustentável também é importante para os investidores. As empresas que buscam boas práticas ESG (Ambiental, Social e Governança, na tradução da sigla para o português) têm um controle melhor de riscos e, historicamente, está provado que elas têm maior retorno do que as outras companhias.

“Essas empresas que possuem maior responsabilidade em relação ao meio ambiente têm funcionários e clientes mais fiéis. Elas tendem a ser empresas mais inovadoras e a apresentar maior crescimento”, destaca a especialista.


Empresas que usam de recursos naturais

Mas e as companhias que têm os recursos naturais como base para o seu negócio, o que podem fazer para diminuir a pegada ecológica? Segundo Faber, é muito importante pensar na maneira de compensar a emissão de carbono.

“Quando as empresas começam a pensar na compensação da sua pegada de carbono procuram também meios de emitir menos poluentes. Além disso, a sustentabilidade traz novos negócios. Por exemplo: a nova onda de proteínas vegetais. O segmento tem crescido muito e a ideia é que ofereça algo muito mais sustentável do que a proteína animal”, afirma a analista.

Fonte: Revista Exame

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (34) Acrocomia aculeata (77) Agricultura (289) Agricultura 4.0 (6) agriculture (1) Agroenergia (130) Agroindústria (26) Agronegócio (240) Agropecuária (54) Água (22) Àgua (1) Alimentação Saudável (17) Alimentos (365) Amazônia (75) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (89) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (447) Biodefensivos (4) Biodiesel (339) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (13) Bioeconomia (124) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (210) Biofertilizantes (11) Biofuels (104) Bioinsumos (16) Biomas (3) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (26) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (2) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (85) BNDES (2) Bolsa de Valores (30) Brasil (78) Brazil (29) Cadeia Produtiva (16) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (6) Carbono Neutro (9) Carbono Zero (19) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (4) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (15) Cerrado (23) Chuvas (6) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (402) Clima e ambiente (285) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (105) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (47) Consciência Ecológica (25) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (8) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (44) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (13) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (4) Desenvolvimento Sustentável (189) Desmatamento (6) Diesel (21) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (94) Economia Circular (13) Economia Internacional (114) Economia Sustentável (4) Economia Verde (174) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (6) Emissões de Carbono (62) Empreendedorismo (8) Empresas (170) Energia (104) energia limpa (17) Energia Renovável (256) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (26) Estudo (2) Etanol (82) Europa (2) event (11) Eventos (174) Exportações (93) Extrativismo (63) FAO (6) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (28) Floresta plantada (118) Fomento (42) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (14) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (200) Instituição (1) Insumos (5) Investimento (8) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (12) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (56) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (598) Madeira (22) Mamona (1) Manejo (1) Manejo e Conservação (114) MAPA (33) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (311) Melhoramento e Diversidade Genética (73) Mercado (4127) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (45) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (18) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (50) Mudanças Climáticas (42) mudas (3) Mundo (174) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (10) Oil (51) Oleaginosas (102) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (2) ONGs (1) ONU (15) Oportunidade (5) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (32) palmeiras (4) Paris Agreement (94) Pecuária (91) Pegada de Carbono (105) Personal Care (3) Pesquisa (81) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (5) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (82) Política Ambiental (2) Políticas (1) políticas públicas (1) Preços (71) Preservação Ambiental (52) Produção Agrícola (3) Produção Animal (8) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (65) Produção vegetal (10) Produtividade (54) Produtos (150) Proteção Ambiental (16) proteína vegetal (28) Qualidade (2) Qualidade do Ar (3) químicos verdes (1) reciclagem (1) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (33) regulamentação (2) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (75) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (6) Safra (3) Saúde e Bem-Estar (133) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (160) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (41) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (82) Solos (54) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (664) Tecnologia (58) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (270) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página