Buscar

Alunos se tornam multiplicadores de projetos de preservação ambiental

segunda-feira, outubro 28, 2019

Resultado de imagem para belo horizonte
Fonte: Google Imagens

Práticas de sustentabilidade em escolas da capital mineira estimulam jovens a se envolverem em iniciativas ambientais


Não basta aprender na teoria: frente à urgência da preservação ambiental para a manutenção da qualidade de vida no planeta, crianças estão sendo estimuladas desde cedo para a adoção de práticas de sustentabilidade. E colocam a mão na massa.

Na rede de ensino da Grande BH sobram exemplos de que o aprendizado prático já gera resultados nas escolas e para além de seus muros. Um deles vem da turma de Gustavo Guimarães Motta, de 16 anos, estudante do 1º ano do ensino médio do Colégio Santo Agostinho – unidade Nova Lima.

Ano passado, a turma que integra o Grupo de Trabalho de Envolvimento e Iniciativa Ambiental venceu o concurso Minha Galera Faz Eco 2018 —promovido pela Coca-Cola FEMSA Brasil e que premia escolas de cidades mineiras. Com o prêmio, Gustavo e os colegas levaram a iniciativa de plantar hortas, criar compostagens (reaproveitamento de lixo orgânico para a criação de adubo) e sistemas de coleta seletiva em comunidades do entorno.

“Com o dinheiro, levamos o projeto para uma creche, duas igrejas e um condomínio aqui da região. Acaba que além de ensinar sustentabilidade para outras crianças e até para adultos, ajudamos na promoção de uma alimentação mais saudável e na reciclagem do lixo, processos que são importantes para a saúde das pessoas e a do planeta”, reflete o jovem, que já está engajado em novo projeto. “Neste ano, estamos investindo em legados de sustentabilidade, com a execução de jardins sustentáveis, criados a partir de conceitos como reutilização e reciclagem de matéria-prima.”

Gustavo lembra que tudo o que aprende é dividido também com a família e os amigos. Em casa, onde já havia horta, ele implementou uma compostagem. “Já não vemos com tanta frequência pessoas jogarem lixo no chão, por exemplo. Mas ainda falta muito para a conscientização de outras práticas: alto consumo de comida ultraprocessada, reciclagem, reaproveitamento”, avalia.

O professor de geografia da turma, Saulo Soares, informa que, desde 2017, a escola tem criado grupos de trabalho envolvidos em temas de sustentabilidade. “O principal objetivo é encorajar os alunos a saírem das discussões teóricas para implementar ações práticas, envolvendo parcerias com associações de catadores, entidades que trabalham com recursos hídricos e com projetos sociais. A ideia é fazer com que sejam multiplicadores de sustentabilidade, agentes de uma virada ecológica que o mundo tanto precisa.” 

REAPROVEITAMENTO

No Colégio Batista Mineiro – unidade Castelo (BH), estudantes do 4º ano do ensino fundamental trabalham conceitos de sustentabilidade de maneira criativa, transformando o que seria descarte em objetos funcionais. Entre os feitos da turma há pipoqueira criada a partir de latas de refrigerante; balança feita com garrafas pet para medir o peso de produtos alimentícios e porta-ração feito com garrafa PET e papelão para evitar o desperdício.

Diretora da unidade, Christiane Silva, pedagoga, psicopedagoga e especialista em neuroeducação, descreve a metodologia utilizada nos projetos, inspirada na resolução de problemas. “Dessa forma, a aprendizagem fica mais significativa e o estudante se vê como protagonista. Consegue analisar, avaliar sua postura e modificá-la de acordo com as demandas sociais e as necessidades que ele mesmo identifica. Ele consegue desenvolver o sentimento de empatia e virtudes como cooperação, respeito, tolerância, criatividade, atenção, disciplina... tudo em prol do bem comum.”

A especialista afirma ainda que os alunos “se engajam muito e querem fazer diferente e diferença”. Uma vez empenhados, espalham os conceitos mundo afora. “Eles realmente impactam as famílias e cobram mudança de ação, de hábitos.” Ela justifica a importância da adoção de conceitos de sustentabilidade no ensino. “Um projeto como esse mobiliza diversos saberes e desenvolve várias habilidades. Não temos dúvida do impacto na vida das crianças e no dia a dia das famílias. Quando uma criança amplia sua visão de mundo e coloca a mão na massa, ela desenvolve a capacidade de refletir sobre seu comportamento e decidir pela mudança de atitude.”

Fonte: Jornal Estado de Minas

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página