Buscar

Petróleo: armadilha da energia finita

segunda-feira, setembro 30, 2019

Resultado de imagem para Petróleo

Em pleno 2019, o petróleo ainda é a principal fonte de energia do Planeta Terra. Além da gasolina e do diesel, óleos combustíveis para grande parte dos automóveis e aeronaves, o “ouro negro” gera diversos produtos, como parafina, malha asfáltica, polímeros plásticos e até medicamentos. Enquanto o uso das energias renováveis não avança, seguimos presos a ele.

Embora o composto seja um recurso natural abundante, sua prospecção e extração envolvem estudos complexos e, consequentemente, custos elevados. Mesmo assim, 2018 ficou marcado como o ano em que a humanidade mais consumiu petróleo na história. Segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), foram 99 milhões de barris por dia.

Tal relevância torna a venda de petróleo e derivados um fator imperioso da política comercial no mundo. Contudo, nem sempre as nações beneficiadas pela fartura da matéria-prima gozam de vantagens socioeconômicas. No Oriente Médio, o petróleo inflama guerras e conflitos justamente por ser a principal renda daquela região. Vide os recentes ataques às instalações petrolíferas sauditas no Golfo Pérsico.

No âmbito econômico, a abundância de recursos naturais influi consequências gradativas. Ao priorizarem a produção de petróleo e gás, por exemplo, os países deterioram o desenvolvimento de suas indústrias. Esta relação entre especialização na exportação de recursos naturais e o declínio do setor manufatureiro é chamada de “doença holandesa”.

Hoje, a Venezuela é o país detentor das maiores reservas mundiais de petróleo, totalizando 301 bilhões de barris, de acordo com dados da CIA, Agência Central de Inteligência dos EUA. O segundo lugar é da Arábia Saudita, com 266 bilhões de barris, seguida pelo Canadá em terceiro, com 170 bilhões. Na 15ª posição do ranking está o Brasil, com 13 bilhões de barris.

Venezuela e Canadá, dois dos maiores produtores mundiais, não conseguem extrair e vender todo petróleo que detém. Nesses países, a matéria-prima é do tipo densa, que encarece e dificulta o processo de extração. Custando mais para produzir, o lucro também diminui em escala. Mais uma prova de que petróleo não é sinônimo de riqueza.

Grande parte da energia consumida mundialmente é resultante de fontes não renováveis. Esse fenômeno acontece, porque elas possuem características bem conhecidas, preços atrativos e rendimento energético elevado, com eficiente infraestrutura e logística de geração e distribuição.

Uma preocupação constante dos líderes de Estado em relação ao petróleo é a sua esgotabilidade. Por pertencer ao grupo das fontes de energia finitas (como o carvão mineral e gás natural), a reposição do seu estoque na natureza é lenta, pois se dá através de condições específicas de temperatura e pressão que levam milhões de anos.

Outra incógnita que temos é de como usar as fontes não renováveis para gerar eletricidade e abastecer o transporte de cargas e de pessoas sem que elas findem rapidamente. Somando preocupações, tais fontes também são responsáveis pela maior parte da liberação de gases poluentes na atmosfera, impactando a sobrevivência humana e o meio ambiente.

De acordo com pesquisadores da área e ambientalistas, a saída para preservar os recursos naturais do Planeta é explorá-los de forma racional. Além disso, é necessário investir em tecnologia e ciência para o desenvolvimento de fontes renováveis de energia (eólica, solar, hidroelétrica, geotérmica, biomassa etc.) que substituirão as não renováveis.

Pensando estrategicamente... o Brasil está infectado pela doença holandesa desde meados da década de 2000. É nítida a nossa passagem de um país que buscava superávit no setor de bens industrializados, de maior conteúdo tecnológico, para o grupo daqueles que visam gerar superávit no setor de bens primários, com grandes investimentos na indústria petrolífera.

Erradicar a recente epidemia de doença holandesa do nosso território é indeclinável. Só assim conseguiremos sanar os sintomas da dependência do petróleo e retomar o processo de fortalecimento da indústria nacional com diversidade produtiva e dinamismo – gerando desenvolvimento para o país e, consequentemente, emprego para a população.

Fonte: Diário de Uberlândia

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (217) animal nutition (1) Aspectos Gerais (172) Aviação (24) Aviation market (13) Biocombustíveis (166) Biodiesel (68) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (82) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (19) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (172) Clima e ambiente (180) climate changed (20) Cogeração de energia (9) COP24 (75) COP25 (13) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (154) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (4) Energia (26) Energia Renovável (149) event (6) Eventos (70) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) Fuels (16) Global warming (77) Green Economy (111) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (17) Macaúba (491) Manejo e Conservação (37) Meio Ambiente (78) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3830) Mercado florestal (42) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (209) other (1) Paris Agreement (56) Pecuária (59) Pegada de Carbono (40) pirólise (1) Plant Based (6) Política (49) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (22) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (72) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (34) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (284) Vídeo (193) World Economy (62)

Total de visualizações de página