Buscar

Acordo com países do Efta ampliará mercado para produtos brasileiros

segunda-feira, agosto 26, 2019

Resultado de imagem para O acordo entre o Mercosul e o bloco de países europeus da Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) vai ampliar mercados para produtos brasileiros e aumentar a competitividade da economia nacional. O governo brasileiro manifestou essa expectativa hoje (24) em nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores, da Economia e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nesta sexta-feira (23), após 10 rodadas de negociações, iniciadas em 2017, os dois blocos chegaram a um acordo comercial, que terá de ser votado pelos parlamentos dos países-membros para entrar em vigor. Na nota conjunta, os três ministérios afirmam que o mercado brasileiro terá facilidade de acesso ao bloco formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, que tem Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,1 trilhão e população de 14,3 milhões de pessoas. "O acordo ampliará mercados para produtos e serviços brasileiros, promoverá incremento de competitividade da economia nacional, ao reduzir custos produtivos e garantir acesso a insumos de elevado teor tecnológico com preços mais baixos. Os consumidores serão beneficiados com acesso a maior variedade de produtos a preços competitivos". De acordo com os ministérios, após entrar em vigor, o acordo permitira acesso preferencial para produtos agrícolas exportados pelo Brasil, por meio isenção de tarifas ou cotas, e a abertura de oportunidades comerciais a diversos produtos, como carne bovina, carne de frango, milho, farelo de soja, melaço de cana, mel, café torrado, frutas e sucos de frutas. "Segundo estimativas do Ministério da Economia, o acordo Mercosul-Efta representará um incremento do PIB brasileiro de US$ 5,2 bilhões em 15 anos. Estima-se um aumento de US$ 5,9 bilhões e de US$ 6,7 bilhões nas exportações e nas importações totais brasileiras, respectivamente, totalizando um aumento de US$ 12,6 bilhões na corrente comercial brasileira. Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$5,2 bilhões, no mesmo período",diz a nota. O anúncio do acordo foi feito ontem pelo presidente Jair Bolsonaro e ocorreu menos de dois meses após o Mercosul concluir o maior acordo comercial de sua história, fechado com a União Europeia em junho.

O acordo entre o Mercosul e o bloco de países europeus da Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) vai ampliar mercados para produtos brasileiros e aumentar a competitividade da economia nacional. O governo brasileiro manifestou essa expectativa hoje (24) em nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores, da Economia e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nesta sexta-feira (23), após 10 rodadas de negociações, iniciadas em 2017, os dois blocos chegaram a um acordo comercial, que terá de ser votado pelos parlamentos dos países-membros para entrar em vigor. 

Na nota conjunta, os três ministérios afirmam que o mercado brasileiro terá facilidade de acesso ao bloco formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, que tem Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,1 trilhão e população de 14,3 milhões de pessoas. 

"O acordo ampliará mercados para produtos e serviços brasileiros, promoverá incremento de competitividade da economia nacional, ao reduzir custos produtivos e garantir acesso a insumos de elevado teor tecnológico com preços mais baixos. Os consumidores serão beneficiados com acesso a maior variedade de produtos a preços competitivos".

De acordo com os ministérios, após entrar em vigor, o acordo permitira acesso preferencial para produtos agrícolas exportados pelo Brasil, por meio isenção de tarifas ou cotas, e a abertura de oportunidades comerciais a diversos produtos, como carne bovina, carne de frango, milho, farelo de soja, melaço de cana, mel, café torrado, frutas e sucos de frutas.

"Segundo estimativas do Ministério da Economia, o acordo Mercosul-Efta representará um incremento do PIB brasileiro de US$ 5,2 bilhões em 15 anos. Estima-se um aumento de US$ 5,9 bilhões e de US$ 6,7 bilhões nas exportações e nas importações totais brasileiras, respectivamente, totalizando um aumento de US$ 12,6 bilhões na corrente comercial brasileira. Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$5,2 bilhões, no mesmo período",diz a nota. 

O anúncio do acordo foi feito ontem pelo governo federal e ocorreu menos de dois meses após o Mercosul concluir o maior acordo comercial de sua história, fechado com a União Europeia em junho. 

Fonte: Agência Brasil

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (19) Abiove (7) Acordo Internacional (11) Acrocomia aculeata (36) Agricultura (32) Agroenergia (49) Agroindústria (13) Agronegócio (63) Agropecuária (22) Alimentos (259) Amazônia (9) animal nutition (1) ANP (42) Arte (1) Artigo (11) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (316) Biodiesel (210) Bioeconomia (37) Bioeletricidade (14) Bioenergia (103) Biofertilizantes (3) Biofuels (102) Biomass (7) Biomassa (73) Biomateriais (2) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (6) Bioquerosene (34) Biotechnology (34) Biotecnologia (34) Bolsa de Valores (15) Brasil (9) Brazil (28) Cadeia Produtiva (9) Capacitação (2) Carbonatação (1) Carvão Ativado (6) CBios (34) CCEE (1) Celulose (4) Cerrado (8) Ciência e Tecnologia (247) Clima e ambiente (216) climate changed (41) CNA (1) Cogeração de energia (25) Combustíveis (61) Combustíveis Fósseis (20) Comércio (11) Consciência Ecológica (15) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (23) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (15) Cultivo (100) Curso (3) Davos (3) Desenvolvimento Sustentável (67) Diesel (12) Diesel Verde (8) eco-friendly (4) Economia (53) Economia Circular (2) Economia Internacional (108) Economia Verde (166) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (13) Eficiência energética (32) Empreendedorismo (2) Empresas (8) Energia (67) Energia Renovável (217) Energia Solar Fotovoltaica (11) Etanol (48) Europa (1) event (10) Eventos (99) Exportações (53) Extrativismo (35) FAO (2) Farelos (41) farm (1) Fibras (9) Finanças (3) Floresta plantada (91) Fomento (3) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (1) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (1) Global warming (92) Green Economy (124) health (22) IBP (1) Incentivos (3) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (49) IPCC (14) L72 (4) L73 (6) Legislação (6) Lignina (5) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (544) Madeira (8) Mamona (1) Manejo e Conservação (64) MAPA (5) Meio Ambiente (138) Melhoramento e Diversidade Genética (62) Mercado (3969) Mercado de Combustíveis (43) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (62) Mercado Internacional (29) Metas (2) Milho (5) MME (15) Mudanças Climáticas (9) Mundo (16) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (59) Oleochemicals (8) Óleos (239) Óleos Essenciais (2) ONU (5) other (1) Palma (10) Paris Agreement (81) Pecuária (71) Pegada de Carbono (69) Personal Care (2) Pesquisa (18) Petrobras (6) Petróleo (22) PIB (1) pirólise (2) Plant Based (14) Política (73) Preços (20) Preservação Ambiental (8) Produção Animal (2) Produção Sustentável (29) Produtividade (12) Produtos (150) Proteção Ambiental (3) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (36) Recuperação Econômica (2) Relatório (6) renewable energy (17) RenovaBio (37) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (1) Segurança Alimentar (74) Segurança Energética (10) Selo Social (2) Sistema Agroflorestal (14) Sistemas Integrados (4) Soil (9) Soja (35) Solos (14) Sustainability (48) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (442) Tecnologia (6) Transportes (3) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (222) World Economy (76)

Total de visualizações de página