Buscar

Programa oferece US$ 1 bi em bônus verdes para impulsionar a agricultura brasileira sustentável

sexta-feira, julho 05, 2019

Soja - programa de commoditties Foto: Pixabay

LONDRES - A primeira instituição financeira do mundo a oferecer títulos verdes para a produção sustentável de soja no Brasil foi lançada nesta quinta-feira na London Climate Action Week. Segundo o Financial Times, a Fábrica de Commodities Responsáveis planeja fornecer linhas de crédito a juros baixos para os produtores brasileiros de soja e milho que se comprometam a evitar o desmatamento de florestas e campos nativos para a agricultura e o uso de pastagens degradadas.

Apoiado pelo  Reino Unido e pela ONU, o programa será administrado pela Sustainable Investment Management (SIM), empresa criada por especialistas em finanças bancárias, commodities e finanças ambientais. A SIM vai arrecadar US $ 1 bilhão em títulos verdes nos próximos quatro anos, o que deve resultar em 180 milhões de toneladas de soja e milho responsáveis, avaliadas em US$ 43 bilhões na primeira década.

A primeira emissão de títulos de US$ 300 milhões está prevista para a temporada de plantio de 2020. A crescente demanda por soja pode resultar na conversão de mais de 6 milhões de hectares do Cerrado nos próximos 10 anos.

 “A Fábrica de Commodities Responsáveis é uma oportunidade para o mercado garantir o aumento da produção sem contribuir para o desmatamento, o que resulta na perda de habitats naturais, perda de biodiversidade e emissões de gases de efeito estufa”, disse Pedro Moura Costa, diretor executivo da SIM.

No mesmo período, a fábrica pretende proteger ou restaurar 1,5 milhão de hectares de habitat natural no Cerrado levando a uma redução estimada de emissões de 250 milhões de toneladas de dióxido de carbono.

"A demanda global por soja não está mostrando sinais de desaceleração e, como resultado, está levando a uma expansão contínua da área cultivada no Brasil", disse Shaun Kingsbury CBE, Chairman, SIM.

O Brasil se comprometeu a reduzir as emissões de dióxido de carbono em 43% até 2030, com quase 90% resultantes da diminuição do desmatamento, mas é improvável que os mecanismos de financiamento existentes ajudem a atingir essa meta, de acordo com o SIM.

Fonte: O Globo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página