Buscar

Em dia mundial, FAO defende inovação tecnológica para combater impacto das secas na agricultura

terça-feira, junho 18, 2019

Jovem coleta água no vilarejo de Douly, no Senegal, onde a FAO implementa o projeto '1 milhão de cisternas para o Sahel'. Foto: FAO/Eduardo Soteras
Jovem coleta água no vilarejo de Douly, no Senegal, onde a FAO implementa o projeto ‘1 milhão de cisternas para o Sahel’. Foto: FAO/Eduardo Soteras

Em pronunciamento em Roma, na Itália, para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, o chefe da FAO, José Graziano da Silva, ressaltou nesta segunda-feira (17) que os agricultores e o setor agrícola são os que mais sofrem com esses fenômenos, arcando em média com 80% das perdas e danos provocados por estiagens. Especialista pediu a aplicação de tecnologias inovadoras para evitar prejuízos e devastação dos sistemas alimentares.

Em pronunciamento em Roma, na Itália, para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, o chefe da FAO, José Graziano da Silva, ressaltou nesta segunda-feira (17) que os agricultores e o setor agrícola são os que mais sofrem com esses fenômenos, arcando em média com 80% das perdas e danos provocados por estiagens. Especialista pediu a aplicação de tecnologias inovadoras para evitar prejuízos e a devastação dos sistemas alimentares.

Durante a abertura do segundo Seminário Internacional sobre Seca e Agricultura, realizado na sede da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Graziano alertou que uma das principais causas do aumento da fome nos últimos três anos foi o El Niño, responsável por estiagens severas na costa leste da África.

“Desbloquear o potencial das inovações agrícolas com soluções simples ou tecnologias baseadas em satélite ajudará a evitar que a seca gere ainda mais fome e deslocamentos forçados, revertendo a desertificação”, defendeu o chefe do organismo internacional.

“É completamente impossível evitar que uma seca aconteça, mas podemos evitar uma seca que se transforma em fome ou em deslocamento de pessoas.”

Em mensagem para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o mundo perde anualmente 24 bilhões de toneladas de solo fértil devido a esses problemas ambientais.

Soluções simples

Em Roma, Graziano defendeu que, para lidar com as secas e reverter a desertificação, além das tecnologias geoespaciais, os agricultores também podem se beneficiar de soluções muito simples. Um exemplo, elencou o dirigente, é o projeto da FAO de 1 milhão de cisternas no Sahel, para o armazenamento da água das chuvas. A iniciativa está sendo implementada na faixa territorial que atravessa diferentes países situados logo abaixo do Saara.

Também no Sahel, a agência da ONU e instituições parceiras estão ajudando a União Africana a criar a emblemática Grande Muralha Verde. O projeto visa cercar o Saara com um amplo cinturão de vegetação, árvores e arbustos, a fim de proteger a paisagem agrícola e evitar que o deserto avance.

“Essa medida está nos ajudando a frear a desertificação, que é uma das principais razões para o crescente conflito entre pastores e agricultores”, explicou Graziano.


Tecnologias contra a estiagem

Ainda de acordo com a FAO, o desenvolvimento de aplicativos e plataformas inovadores nos últimos anos pode levar informações para as mãos dos agricultores, ampliando sua capacidade de enfrentar fenômenos climáticos. A agência da ONU apoia os países na conscientização e na formação de proprietários rurais sobre o uso dessas ferramentas.

Nesta segunda-feira, a FAO lançou uma nova versão de um banco de dados de acesso aberto que utiliza informações de satélite em tempo real, com o objetivo de monitorar a produtividade da terra e da água na África e no Oriente Médio. O conteúdo disponível ajuda decisores políticos e agricultores a tomar atitudes para se prepararem melhor para a seca. Também permitem aumentar a produção agrícola com menos uso de água.

A atualização do portal oferece uma metodologia mais eficiente e abrange três países adicionais, com dados de resolução de cem metros: Iraque, Sudão e Níger. Com as modificações, o total de países que vão se beneficiar da iniciativa subiu de 18 para 21.

O projeto recebeu investimentos de 2,5 milhões de dólares do governo da Holanda. Os recursos devem financiar a expansão da iniciativa para outros territórios ao longo do biênio 2019-2020.

Parcerias

A FAO e o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) firmaram uma nova parceria para somar esforços e ajudar os países a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS), com foco especial na proteção dos recursos hídricos e do solo, bem como no combate à desertificação.

O organismo financeiro é um banco multilateral de desenvolvimento, criado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul para mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável.

Graziano da Silva afirmou que a nova parceria permitirá uma maior colaboração em áreas de interesse mútuo, como alimentação e agricultura, infraestrutura agrícola e rural, desenvolvimento rural sustentável e investimento e monitoramento das questões hídricas associadas aos ODS.

Fonte: Nações Unidas

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (163) Aviação (21) Aviation market (11) Biocombustíveis (153) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (156) Clima e ambiente (155) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (143) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (127) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (53) Food (38) food security (1) Fuels (15) Global warming (75) Green Economy (94) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (448) Manejo e Conservação (28) Meio Ambiente (66) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3796) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (40) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (20) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (252) Vídeo (193) World Economy (55)

Total de visualizações de página