Buscar

Tereza Cristina diz que Código Florestal é essencial para acessar mercados

segunda-feira, maio 27, 2019

Tereza Cristina (Foto: Guilherme Martimon/MAPA)
"Agora que voltei da viagem à Ásia, tive cada vez mais a certeza da necessidade de produzirmos de forma sustentável", comentou a ministra (Foto: Guilherme Martimon/MAPA)

Para a ministra, é "necessário separar o joio do trigo" na discussão sobre a implementação das normas ambientais previstas no Código

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, defendeu a manutenção do Código Florestal, durante audiência pública, na manhã de hoje, na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, em Brasília. Para a ministra, é "necessário separar o joio do trigo" na discussão sobre a implementação das normas ambientais previstas no Código, sancionado em 2012, sem abandonar a característica sustentável do setor agropecuário brasileiro.

"Agora que voltei da viagem à Ásia, tive cada vez mais a certeza da necessidade de produzirmos de forma sustentável", comentou a ministra. Sob este aspecto, ela ressaltou a importância da legislação ambiental para o setor como forma de acesso a mercados internacionais. "O Código Florestal é importantíssimo para que a gente acesse mercados internamente, externamente e participe de todos esses acordos no mundo", disse ela.

O principal acordo global ligado ao meio ambiente é o Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário e que tem por objetivo reduzir a emissão mundial de gases do efeito estufa. A defesa do Código Florestal pela titular da Agricultura chega num momento em que os senadores Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e Márcio Bittar (MDB-AC) propuseram o Projeto de Lei 2.362, que pede o fim da obrigatoriedade da área da reserva legal nas propriedades rurais, prevista no código. Na maior parte do País, os proprietários rurais são obrigados a manter pelo menos 20% de área de mata nativa em suas propriedades, a título de reserva legal.

Vários setores ligados ao agronegócio vêm se declarando contra o PL, até mesmo a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Hoje, aliás, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) defendeu, também em Brasília, a manutenção do Código Florestal como fator para garantir maior competitividade do setor agropecuário.

Representantes do conselho participaram de outra audiência, na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável na Câmara. Ontem, em audiência na mesma comissão, a advogada Marina Gadelha, presidente da Comissão Nacional de Direito Ambiental da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e especialista em direito ambiental e minerário, mencionou a "inconveniência" do projeto de lei 2.362.

Para ela, o projeto, se aprovado, criaria insegurança jurídica porque "não resguarda os interesses dos proprietários rurais que já buscaram a regularização de seus imóveis". Além disso, a advogada mencionou que o PL proposto impede que o Brasil se transforme num exportador de alimentos "com regras confiáveis e perenes".

Defesa agropecuária

A ministra ainda interpelou deputados federais a trabalharem para impedir o contingenciamento de recursos da área de Defesa Agropecuária pelo governo federal. Para ela, seria "uma insanidade" deixar o contingenciamento nessa área acontecer.

"Este é um ponto que nós temos, aqui no Congresso, que trabalhar fortemente para nos ajudar - o Ministério da Agricultura - na parte de orçamento da defesa sanitária agropecuária brasileira", ressaltou a ministra na audiência na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, em Brasília. Recém-chegada de missão oficial à Ásia, Tereza Cristina relatou que a peste suína africana (PSA) vem devastando os plantéis de vários países naquele continente, principalmente na China.

"É um problema gravíssimo que, se chegar até nós, eu diria que será o fim de uma série de pequenos e médios produtores que vivem num modelo que dá certo, que é o da integração", continuou.

"É um assunto com o qual não podemos brincar", alertou a ministra, reforçando: "Temos que trabalhar para que o orçamento da Defesa Agropecuária não seja contingenciado. Acho que é uma insanidade a gente deixar o contingenciamento dessa área acontecer."

Fonte: Revista Globo Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página