Buscar

Nova Iorque vira as costas ao carvão. Já em 2020

segunda-feira, maio 13, 2019

A produção de energia com base na queima de carvão continua a existir no estado norte-americano de Nova Iorque, mas irá terminar já no próximo ano
Não faz sentido impulsionar os veículos eléctricos a bateria, para poupar o ambiente, e depois produzir eletricidade para os alimentar à custa do carvão. Nova Iorque afastou-se desta solução.

Os veículos eléctricos só fazem sentido se a energia que os alimenta for gerada por meios menos (ou nada) poluentes. Gerar energia eléctrica a partir de carvão é um erro que, no limite, pode retirar a poluição do centro das cidades, mas nada faz em relação à emissões globais.

Vem isto a propósito do facto de não bastar que os fabricantes produzam os seus veículos eléctricos a baterias, ou a células de combustível a hidrogênio, para reduzir as emissões de CO2, NOx e partículas, além de enxofre e muitos outros elementos perniciosos. É necessário igualmente que os países passem a produzir a energia de que necessitam para alimentar a indústria, as empresas e as residências com fontes menos (ou, idealmente, nada) poluentes.

Sem energia gerada de forma renovável, ou hidrogênio produzido sem recurso a derivados de petróleo ou gases ou álcoois contendo carbono, não faz muito sentido continuar a sacrificar fabricantes de automóveis e utilizadores. Daí que o estado de Nova Iorque tenha anunciado que, até final de 2020 vai passar a produzir eletricidade sem recorrer ao carvão, sem dúvida a forma mais poluente de gerar energia.

A decisão dos legisladores do estado norte-americano teve origem numa regulamentação, que será efetiva a 8 de Junho, a qual estabelece limites de emissões que tornam impossível o uso de carvão como fonte de energia. E esta batalha contra o carvão não é nova  para o estado nova-iorquino, uma vez que hoje só apenas 1% da eletricidade é gerada com recurso a este produto. Ainda assim, é mais um passo rumo à geração de energia com recurso a fontes renováveis, tudo para cortar 40% dos gases com efeito estufa, com origem nos produtores de eletricidade, até 2030.

De recordar que Nova Iorque aprovou, recentemente, uma lei que obriga os prédios de maiores dimensões a reduzir as suas emissões de dióxido de carbono em 40%, em 2030, e 80%, em 2050. Esta medida, que envolve a energia despendida em aquecimento e iluminação, é a primeira que envolve uma grande cidade.

Fonte: Observador

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página