Buscar

Tecnologia adaptada pela UFMG transforma resíduos orgânicos em biogás e adubo

sexta-feira, dezembro 21, 2018

Pesquisadores da Engenharia Sanitária e Ambiental aplicaram o processo em projeto no Rio de Janeiro

Planta de biometanização no Rio de Janeiro: adaptação para condições brasileiras

O subproduto gasoso (biogás) resultante da decomposição de materiais orgânicos é composto principalmente de metano, composto de elevado teor energético, mas que pode contribuir para o agravamento do efeito estufa quando liberado na atmosfera. Esse dano, no entanto, pode ser evitado quando se manipula a degradação do lixo dentro de um recinto fechado. O processo forma um biogás que é aproveitado, gerando retorno ambiental e econômico.

“O gás produzido durante a degradação de 250 toneladas de lixo produz energia capaz de abastecer mil automóveis ou suprir o consumo de 1.650 residências por mês”, ilustra o professor Carlos Augusto de Lemos Chernicharo, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG, responsável pelo projeto da primeira unidade de biometanização da América Latina, construída no Rio de Janeiro.

Essa tecnologia usada para tratamento de resíduos orgânicos é chamada de metanização extrasseca (sem uso de água). Confinado em uma câmara sem oxigênio durante 30 dias, o resíduo é banhado por um líquido que acelera sua decomposição. “O biogás resultante dessa reação metabólica escapa por uma cavidade no topo da câmara e é armazenado numa espécie de balão, que precisa estar totalmente lacrado para que não escapem gases nem odores”, explica.

Fruto de parceria entre a UFMG e a empresa Methanum Energia & Resíduos, a planta é administrada pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) do Rio de Janeiro. A tecnologia foi financiada pelo BNDES. Dos R$ 10 milhões aportados, R$ 7 milhões foram usados na construção da planta, e o restante vem sendo investido para dar suporte ao desenvolvimento de pesquisas na planta.

Possibilidades

O gás produzido na planta tem diferentes possibilidades de uso. Uma delas é alimentar um motor acoplado a um gerador de eletricidade, substituindo o óleo diesel ou a gasolina. “Essa eletricidade supre a demanda da própria unidade, que consome cerca de 10%. O restante pode ser injetado na rede elétrica ou vendido para a concessionária local”, informa Chernicharo.

Segundo o professor, a energia térmica resultante do processo também é aproveitada. “Quando o motor queima o biogás para gerar eletricidade, produz também calor. Dentro de outra câmara, essa energia térmica é usada para secagem do resíduo que foi digerido. O produto final é um biossólido, que pode ser usado como adubo, tanto na agricultura como na recuperação de áreas degradadas pela mineração, por exemplo”, detalha.

Outra possibilidade é a purificação desse gás e sua utilização no abastecimento dos próprios caminhões que transportam o lixo. “Ao substituir o diesel pelo biometano, tem-se um ganho ambiental tremendo, já que o uso de uma energia renovável no lugar de uma fóssil reduz a emissão de gás carbônico na atmosfera”, explica Chernicharo.

Fechamento de ciclo

A tecnologia baseada no uso de câmaras lacradas para tratamento do lixo orgânico é conhecida na Alemanha como processo de garage (traduzido para o português como garagem). De acordo com Carlos Chernicharo, a UFMG inovou ao adaptar essa tecnologia para as condições brasileiras de temperatura, de características do resíduo sólido urbano e de possibilidades do aproveitamento energético. Salvo alguns poucos equipamentos importados de uso na planta, toda a engenharia construtiva, de processo e de controle, assim como os materiais utilizados na planta do Rio de Janeiro, foram totalmente desenvolvidos e fabricados no Brasil.

O engenheiro explica que os projetos de recuperação de recursos por meio do tratamento de resíduos estão alinhados à lógica de economia circular. No caso desse procedimento por via anaeróbia, é possível degradar a matéria orgânica sem consumo de energia. “O metano é gás de efeito estufa, por isso, é preciso queimá-lo. Mas em vez de queimar para a atmosfera, desperdiçando toda a energia contida no gás, podemos fazer isso nos motores, gerando eletricidade e calor, ou, em empreendimentos de menor escala, nos fogões ou nos aquecedores de água para banho, agregando benefícios sociais, econômicos e ambientais”, argumenta.

Fonte: UFMG

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (283) Amazônia (18) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (56) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (25) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (30) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página