Buscar

Plataforma reúne soluções completas no agronegócio

segunda-feira, novembro 22, 2021


O agricultor brasileiro já conta com uma plataforma completa de agronegócio onde é possível encontrar todas as soluções em um só lugar – desde a escolha da semente até a comercialização da safra. O modelo é oferecido pela Agrex do Brasil, uma subsidiária do Grupo Mitsubishi Corporation que está no agronegócio brasileiro há mais de 25 anos.

De acordo com Antonio Prado, CEO (diretor executivo) da Agrex, a plataforma é composta por cinco negócios: distribuição de insumos (fertilizantes, sementes, defensivos convencionais e biológicos e soluções digitais), beneficiamento de sementes de soja, trading de grãos, produção agrícola e uma indústria de desativação de soja integral base para ração de aves e suínos.

“É uma grande plataforma de soluções onde nós atendemos o nosso cliente de uma maneira completamente diferente das outras. Por meio dela o cliente consegue ter tudo o que precisa para ter sucesso na lavoura. Somos uma empresa completa que entrega a solução para o cliente como um todo”, explica Prado.

Ele explica que o agricultor é um empresário e, por isso, tem um tempo extremamente limitado: “Se ele tem uma empresa que pode ofertar todos os insumos e o custeio da safra para ele, com condições boas, não só de preço, mas de atendimento do cliente, da certeza da chegada do produto e na hora certa, isso é extremamente vantajoso. Ele deixa de trabalhar com três, quatro ou cinco fornecedores e trabalha com um só. Assim, ele pode investir melhor seu tempo na busca de soluções para aumentar a produção e a produtividade na sua fazenda”.

Segundo o CEO, esse tipo de serviço atende a todo agricultor, independentemente do tamanho ou produção. “Os seis estados que atendemos são muito diversos e, em cada estado, nós oferecemos soluções específicas segundo as necessidades do agricultor local”, sustenta ele.

Um diferencial da Agrex, destaca, é também oferecer ao cliente o financiamento da safra, com troca de insumos por grãos – por meio do barter próprio da plataforma, chamado de Change. Hoje o cliente chega na Agrex e ele consegue adquirir, em troca de soja ou de milho, desde o fertilizante até a caminhonete Mitsubishi, se ele quiser”, exemplifica.

Num mundo onde a volatilidade faz com que ninguém saiba o que vai acontecer com o valor do Dólar ou dos preços na Bolsa de Chicago poder trabalhar com custo travado dá grandes condições de exercer a lucratividade no futuro: “Você pode focar em produzir mais, com lucratividade melhor sem se preocupar com seu custo”, resume.

Ao mesmo tempo em que destaca a “robustez” e a segurança e solidez financeira do Grupo Mitsubishi, Antonio Prado ressalta como caraterística da Agrex sua proximidade ao agricultor. Ele lembra que a empresa iniciou na produção agrícola em 2008 e atualmente está em sua 13ª safra desde quando surgiu na cidade de Balsas, no Maranhão, em 1995 com o nome Ceagro.

“Estamos presentes em seis estados e temos 15 filiais comerciais. Temos produção de sementes de soja em duas unidades próprias, além de 13 unidades de armazenamento, dois transbordos ferroviários, seja para exportação ou mercado interno”, detalha.

Ele aponta ainda que a Agrex possui a parte de produção agrícola, em parceria com alguns proprietários rurais em cerca de 50 mil hectares, entre soja e milho, divididos entre sete fazendas, além de uma unidade de desativação de soja. “Essa é uma experiência que nos faz entender os desafios e indicar as melhores soluções para os nossos clientes. Somos uma plataforma robusta, mas fazemos questão de manter o olho no olho com o agricultor, estar próximo dele em todos os momentos”, complementa. 

“Nós da Agrex também somos agricultores e por isso conseguimos sentir as dores, captar e entender melhor a realidade deles. Falamos a mesma linguagem, sabemos o que está acontecendo e a gente vem investindo para aumentar as áreas de produção e poder repassar esse conhecimento para o nosso cliente”, conclui Prado.

A Agrex do Brasil vem recebendo a certificação “Great Place to Work” há oito anos consecutivos como uma das melhores empresas para se trabalhar na Região Centro-Oeste. De acordo com a companhia, isso se dá por colocar os colaboradores em primeiro lugar: “Temos programas de desenvolvimento, treinamento e de cuidado com a saúde e bem-estar. Tudo para promover a qualidade de vida de cada um de nossos colaboradores dentro e fora da empresa”.

A empresa segue em expansão tanto em receita como em território de atuação, fazendo uso de um novo conceito de marca e identidade arquitetônica que transmite proximidade e acolhimento, que é a cara do Brasil” A empresa vem crescendo, mas nossa essência é a mesma”.

Fonte: Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (27) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (43) Acrocomia aculeata (78) Agricultura (324) Agricultura 4.0 (9) agriculture (1) Agroenergia (138) Agroindústria (37) Agronegócio (273) Agropecuária (63) Água (24) Àgua (1) Alimentação Saudável (24) Alimentos (367) Amazônia (78) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (97) Arte (1) Artigo (47) Aspectos Gerais (177) Aviação (35) Aviation fuel (8) Aviation market (24) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (470) Biodefensivos (12) Biodiesel (352) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (15) Bioeconomia (126) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (26) Bioenergia (212) Biofertilizantes (12) Biofuels (104) Bioinsumos (22) Biomas (4) Biomass (7) Biomassa (90) Biomateriais (6) bioplásticos (3) Biopolímeros (16) Bioproducts (3) Bioprodutos (27) Bioquerosene (48) Biorrefinaria (3) Biorrenováveis (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (88) BNDES (2) Bolsa de Valores (37) Brasil (117) Brazil (29) Cadeia Produtiva (19) Capacitação (31) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (10) Carbono Neutro (10) Carbono Zero (21) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (8) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (16) Cerrado (28) Chuvas (11) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (427) Clima e ambiente (290) Clima e ambiente Preços (2) climate changed (66) CNA (2) Cogeração de energia (30) Combustíveis (108) Combustíveis Fósseis (41) Combustíveis verde (1) Comércio (48) Consciência Ecológica (26) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (25) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (54) Crédito Rural (20) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (2) Curso (14) Dados (1) Davos (4) Dendê (5) Desafios (3) Descarbonização (11) Desenvolvimento Sustentável (217) Desmatamento (16) Diesel (21) Diesel Verde (23) eco-friendly (5) Economia (109) Economia Circular (14) Economia Internacional (132) Economia Sustentável (5) Economia Verde (181) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (19) Eficiência energética (55) Embrapa (23) Emissões de Carbono (63) Empreendedorismo (9) Empresas (170) Energia (106) energia limpa (22) Energia Renovável (257) Energia Solar Fotovoltaica (23) ESG (27) Estudo (2) Etanol (88) Europa (2) event (11) Eventos (176) Exportações (94) Extrativismo (63) FAO (7) Farelos (46) farm (1) Fertilidade (3) Fibras (10) Finanças (5) Financiamento (2) Floresta (33) Floresta plantada (119) Fomento (42) Food (42) food security (9) forest (1) Fruticultura (17) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (19) Glicerina (2) Global warming (115) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (6) História (1) IBP (1) ILPF (12) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (207) Instituição (1) Insumos (17) Investimento (10) Investimentos (1) IPCC (15) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (21) Lignina (8) livestock (4) Low-Carbon (58) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (604) Madeira (24) Mamona (1) Manejo (5) Manejo e Conservação (118) MAPA (42) Máquinas e equipamentos (3) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (3) Matéria-Prima (4) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (326) Melhoramento e Diversidade Genética (84) Mercado (4132) Mercado de Combustíveis (68) Mercado Financeiro (13) Mercado florestal (75) Mercado Internacional (64) Metas (5) Micotoxinas (1) Milho (31) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (51) Mudanças Climáticas (69) mudas (4) Mundo (179) Nações Unidas (4) Negócios (13) nergia limpa (1) net-zero (43) Nutrição animal (18) nutrition (11) Oil (51) Oleaginosas (115) Oleochemicals (11) Óleos (253) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (24) OMC (3) ONGs (1) ONU (19) Oportunidade (9) Oportunidades (9) other (1) Palm (2) Palma (33) palmeiras (7) Paris Agreement (95) Pecuária (103) Pegada de Carbono (107) Personal Care (3) Pesquisa (96) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (34) PIB (6) pirólise (3) Plano Safra (2) Plant Based (28) Plant-Based (2) Política (92) Política Ambiental (6) Políticas (1) políticas públicas (2) Preços (74) Preservação Ambiental (57) Produção Agrícola (24) Produção Animal (10) Produção Integrada (2) Produção Sustentável (78) Produção vegetal (25) Produtividade (77) Produtos (150) Proteção Ambiental (18) proteína vegetal (28) Qualidade (3) Qualidade do Ar (4) químicos verdes (1) reciclagem (2) Recuperação Ambiental (7) Recuperação de área Degradada (48) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (35) regulamentação (3) Relatório (17) renewable energy (19) RenovaBio (76) Report (2) Research and Development (12) Resíduos (18) Sabão (1) SAF (8) Safra (7) Saúde e Bem-Estar (136) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (172) Segurança Energética (15) Selo Social (13) sementes (8) silvicultura (3) Sistema Agroflorestal (42) Sistemas Integrados (26) Sociobiodiersidade (8) Soil (9) Soja (120) Solos (61) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (679) Tecnologia (66) Tempo (2) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (7) Unica (1) Vídeo (271) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página