Buscar

Emissões de gases de efeito estufa estão prolongando e intensificando as secas

segunda-feira, maio 17, 2021


Gases de efeito estufa e poluição por aerossóis emitidos por atividades humanas são responsáveis por aumentos na frequência, intensidade e duração das secas em todo o mundo, segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia, Irvine.

Estudo da UCI mostra aumento de origem humana para a secagem nas Américas, África e Ásia

Em um estudo publicado recentemente na Nature Communications , cientistas do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UCI mostraram que, ao longo do século passado, a probabilidade de períodos de seca mais fortes e duradouros cresceu nas Américas, Mediterrâneo, oeste e sul da África e leste Ásia.

“Sempre houve variabilidade natural nos eventos de seca em todo o mundo, mas nossa pesquisa mostra a clara influência humana nas secas, especificamente de aerossóis antropogênicos, dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa”, disse a autora principal Felicia Chiang, que conduziu o projeto como uma Estudante de pós-graduação da UCI em engenharia civil e ambiental.

Chiang, que obteve seu Ph.D. em 2020 e agora é um pós-doutorado no Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA em Nova York, disse que a pesquisa de sua equipe demonstrou mudanças significativas nas características da seca – frequência, duração e intensidade – devido à influência humana, ou o que eles chamam de “forçamento antropogênico. ”

Os pesquisadores usaram a plataforma Coupled Model Intercomparison Project Fase 6 lançada recentemente para executar simulações climáticas que mostram como a duração e a intensidade das secas mudam em vários cenários, incluindo “apenas natural” e com a adição de gases de efeito estufa e emissões de aerossol.

Os experimentos de modelagem em condições apenas naturais não mostraram mudanças regionais nas características da seca do final do século 19 ao final do século 20, de acordo com o estudo. Mas quando a equipe considerou as contribuições antropogênicas de gases de efeito estufa e aerossóis, aumentos estatisticamente significativos ocorreram em pontos críticos de seca no sul da Europa, América Central e do Sul, oeste e sul da África e leste da Ásia.

A equipe descobriu que ao examinar as forças antropogênicas separadamente, os gases de efeito estufa tiveram um impacto maior no Mediterrâneo, América Central, Amazônia e sul da África, enquanto os aerossóis antropogênicos desempenharam um papel maior nas regiões monções e subárticas do Hemisfério Norte. Chiang disse que os aerossóis emitidos por humanos são essencialmente partículas pequenas o suficiente para ficarem suspensas no ar. Eles podem vir de usinas de energia, exaustão de automóveis e queima de biomassa (incêndios para limpar a terra ou para queimar resíduos agrícolas).

“Saber onde, como e por que as secas estão piorando ao redor do mundo é importante, porque esses eventos afetam direta e indiretamente tudo, desde habitats de vida selvagem até a produção agrícola e nossa economia”, disse o coautor Amir AghaKouchak, professor de engenharia civil e ambiental da UCI e ciência do sistema terrestre. “Períodos de seca prolongados podem até prejudicar o setor de energia por meio de interrupções na geração de energia solar térmica, geotérmica e hidrelétrica.”

Coautor Omid Mazdiyasni, que recebeu um Ph.D. em engenharia civil e ambiental na UCI em 2020 e agora é cientista de projetos do Departamento de Obras Públicas do Condado de Los Angeles, disse: “Para piorar as coisas, as secas podem ser acompanhadas por ondas de calor, e o calor alto e a baixa umidade podem aumentar os incêndios florestais risco, que já é significativo no oeste dos Estados Unidos. ”

Mazdiyasni disse que, embora a pesquisa mostre um quadro sombrio do impacto indesejado dos humanos no meio ambiente global, ela aponta para uma solução potencial.

“Se as secas do século passado foram agravadas pela poluição de origem humana, então há uma forte possibilidade de que o problema possa ser mitigado pela limitação dessas emissões”, disse ele.

Este estudo foi apoiado pelo Escritório do Programa Climático da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional e contou com um software de modelagem climática fornecido pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Fonte: ECO Debate

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (74) Agricultura (261) Agricultura 4.0 (5) agriculture (1) Agroenergia (126) Agroindústria (25) Agronegócio (225) Agropecuária (51) Água (21) Àgua (1) Alimentação Saudável (12) Alimentos (361) Amazônia (70) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (83) Arte (1) Artigo (46) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (7) Aviation market (21) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (3) Biochemistry (5) Biocombustíveis (431) Biodefensivos (4) Biodiesel (322) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (11) Bioeconomia (114) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (207) Biofertilizantes (10) Biofuels (103) Bioinsumos (12) Biomas (1) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (3) Bioprodutos (23) Bioquerosene (44) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (83) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (59) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (29) CAR (4) Carbonatação (1) Carbono (2) Carbono Neutro (7) Carbono Zero (19) Carvão Ativado (10) carvão vegetal (3) CBios (68) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (15) Cerrado (21) Chuvas (5) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (388) Clima e ambiente (278) Clima e ambiente Preços (1) climate changed (60) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (99) Combustíveis Fósseis (40) Combustíveis verde (1) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (6) Copolímeros (2) Cosméticos (40) Crédito de Carbono (42) Crédito Rural (17) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (10) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Descarbonização (2) Desenvolvimento Sustentável (178) Desmatamento (6) Diesel (19) Diesel Verde (22) eco-friendly (5) Economia (90) Economia Circular (12) Economia Internacional (113) Economia Sustentável (4) Economia Verde (173) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (54) Embrapa (2) Emissões de Carbono (55) Empreendedorismo (8) Empresas (152) Energia (98) energia limpa (13) Energia Renovável (252) Energia Solar Fotovoltaica (22) ESG (20) Estudo (2) Etanol (81) Europa (1) event (11) Eventos (152) Exportações (91) Extrativismo (61) FAO (6) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Financiamento (1) Floresta (25) Floresta plantada (114) Fomento (40) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (8) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (114) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (3) História (1) IBP (1) ILPF (5) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (182) Instituição (1) Insumos (3) Investimento (7) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (10) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (53) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (590) Madeira (20) Mamona (1) Manejo e Conservação (109) MAPA (32) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (5) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (3) Matéria-PrimaResíduos (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (288) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4107) Mercado de Combustíveis (67) Mercado Financeiro (12) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (45) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (17) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (48) Mudanças Climáticas (36) mudas (2) Mundo (152) Nações Unidas (4) Negócios (9) nergia limpa (1) net-zero (36) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (99) Oleochemicals (10) Óleos (252) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (23) OMC (2) ONGs (1) ONU (15) Oportunidade (5) Oportunidades (7) other (1) Palm (2) Palma (30) palmeiras (3) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (103) Personal Care (3) Pesquisa (77) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (33) PIB (5) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (28) Política (81) Política Ambiental (2) políticas públicas (1) Preços (64) Preservação Ambiental (46) Produção Agrícola (1) Produção Animal (8) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (61) Produção vegetal (10) Produtividade (52) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) químicos verdes (1) Recuperação Ambiental (6) Recuperação de área Degradada (47) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (27) regulamentação (2) Relatório (15) renewable energy (19) RenovaBio (73) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (16) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (128) science and technology (48) Sebo (5) Segurança Alimentar (150) Segurança Energética (14) Selo Social (12) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (40) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (77) Solos (52) Sustainability (59) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (643) Tecnologia (51) Tempo (1) Títulos verdes (3) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (260) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página