Buscar

Enxertia faz araucária produzir de forma precoce

quinta-feira, abril 29, 2021

Na natureza, a Araucária (Araucaria angustifolia), espécie florestal nativa brasileira, leva de 12 a 15 anos para produzir sua semente: o pinhão. Bastante apreciado na alimentação, o pinhão é considerado alimento funcional, benéfico à saúde, além de não conter glúten. No entanto, a sua cadeia produtiva é baseada no extrativismo e praticamente não há organização.

Por outro lado, a araucária está na lista das espécies ameaçadas de extinção e são necessárias ações para estimular seu plantio e conservação. Juntando todos estes fatores, um trabalho de pesquisa realizado pela Embrapa Florestas, em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), buscou conhecer melhor a espécie e viabilizar a produção de pinhões em menos tempo por meio da técnica de enxertia. A ideia é incentivar seu plantio, possibilitar a geração de renda a produtores rurais e aumentar a oferta de um alimento saudável à população.

Como resultado de 18 anos de pesquisa conduzidas pelo pesquisador Ivar Wendling, hoje produtores rurais têm acesso a metodologias de seleção de plantas superiores, enxertia e implantação de pomares de pinhão precoce que começam a produzir na metade do tempo: de seis a oito anos. Como a araucária é uma planta dioica (possui árvores-macho e árvores-fêmea), também foram desenvolvidas técnicas para antecipação da produção de pólen para fecundação das pinhas. Além disso, já existem cultivares registradas junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e viveiros treinados na técnica. 

Em Bituruna (PR), a araucária de pinhão precoce virou política pública e produtores rurais foram incentivados a plantar em suas propriedades. É o caso do Sr. Ernesto Zembruski. Além de fazer plantios e aprender a técnica, ele se tornou parceiro da pesquisa, realizando enxertos em mudas já existentes em áreas de pasto e também produzindo mudas para seu próprio consumo e para os vizinhos. “Ter uma araucária que produz em menos tempo é o sonho de todo produtor rural”, comemora Zembruski. Algumas árvores em sua propriedade surpreenderam e começaram a produzir pinhões aos quatro anos de idade. E a primeira colheita já foi feita, para satisfação e estímulo à produção. “É uma forma da gente ter renda e cuidar da araucária, essa árvore que é tão especial pra gente”, comemora o produtor. O Município também está se articulando, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná) e Embrapa, para montar uma agroindústria para beneficiamento do pinhão, em especial para produção de farinhas.

A técnica utilizada, a enxertia, possibilita produzir pinhões com as características desejadas pelo mercado consumidor, pois é possível identificar e selecionar árvores matrizes de acordo com o que se deseja: época de produção, composição nutricional, produtividade, tamanho e formato do pinhão, entre outras. Além disso, a técnica possibilita a formação de enxertos de galho e de tronco, o que origina árvores em formatos diferentes que podem ser utilizadas de diversas formas na implantação dos pomares. Os enxertos de galho dão origem a árvores de porte arbustivo, com até 5 metros de altura. Já os enxertos de tronco dão origem a árvores maiores, com formação de tronco, que crescem como araucárias comuns mas vão produzir pinhas a uma altura mais baixa e mais precocemente.

A técnica despertou o interesse do empresário Cleverson Coradin, que atua no ramo madeireiro em Colombo/PR. Em sua propriedade, ele implantou meio hectare com pomar de pinhão precoce, em outubro de 2017. Coradin está animado e imagina, em breve, poder usufruir dos resultados tanto para consumo próprio quanto para venda. “A araucária é típica aqui da região, mas a gente percebe um aumento no interesse pelo pinhão. Então, esta técnica vai possibilitar um aumento na produção, o que pode ser muito bom para quem consome e para quem planta”, avalia Coradin. A empolgação é tanta que ele pretende, em breve, ampliar a área plantada.

“Além do consumo no mercado interno, percebemos um interesse do mercado internacional pelo pinhão por ser um alimento natural e por suas características benéficas à saúde. Mas, antes de tudo, precisamos aumentar a produção para termos uma constância de matéria-prima e não dependermos do extrativismo”, afirma Wendling. 

Fonte: Portal Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) acordo (1) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (67) Agricultura (246) Agricultura 4.0 (5) agriculture (1) Agroenergia (126) Agroindústria (25) Agronegócio (214) Agropecuária (50) Água (19) Àgua (1) Alimentação Saudável (11) Alimentos (356) Amazônia (66) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (79) Arte (1) Artigo (44) Aspectos Gerais (177) Aviação (32) Aviation fuel (5) Aviation market (21) B12 (3) B13 (2) Bebidas (2) Bioativo (2) Biochemistry (5) Biocombustíveis (420) Biodefensivos (3) Biodiesel (318) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (106) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (198) Biofertilizantes (10) Biofuels (103) Bioinsumos (11) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) bioplásticos (1) Biopolímeros (15) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (43) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (82) BNDES (2) Bolsa de Valores (27) Brasil (46) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (27) CAR (3) Carbonatação (1) Carbono Neutro (5) Carbono Zero (17) Carvão Ativado (9) carvão vegetal (2) CBios (67) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (13) Cerrado (21) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (377) Clima e ambiente (273) Clima e ambiente Preços (1) climate changed (59) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (98) Combustíveis Fósseis (40) Comércio (45) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (6) Copolímeros (2) Cosméticos (39) Crédito de Carbono (42) Crédito Rural (14) Créditos de Descarbonização (25) Culinária (1) Cultivo (122) Culturas Perenes. Agricultura (1) Curso (7) Dados (1) Davos (4) Dendê (4) Desafios (3) Descarbonização (1) Desenvolvimento Sustentável (175) Desmatamento (4) Diesel (19) Diesel Verde (21) eco-friendly (5) Economia (87) Economia Circular (11) Economia Internacional (113) Economia Sustentável (4) Economia Verde (173) Economy (32) Ecosystem (6) Educação (1) Efeito estufa (18) Eficiência energética (52) Embrapa (2) Emissões de Carbono (52) Empreendedorismo (8) Empresas (135) Energia (95) energia limpa (10) Energia Renovável (252) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (18) Estudo (2) Etanol (79) Europa (1) event (11) Eventos (147) Exportações (89) Extrativismo (61) FAO (6) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (5) Floresta (24) Floresta plantada (113) Fomento (38) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (7) Fuels (27) Gamificação (1) Gás (3) Gás natural (1) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (3) Glicerina (2) Global warming (113) Green Economy (127) health (23) Hidrogênio Verde (3) História (1) IBP (1) ILPF (4) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (2) Ìnovaç (1) Inovação (160) Instituição (1) Insumos (3) Investimento (6) IPCC (14) IPFL (1) L72 (4) L73 (7) Legislação (10) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (52) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (583) Madeira (18) Mamona (1) Manejo e Conservação (104) MAPA (30) Máquinas e equipamentos (1) Mata Atlântica (4) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) matérias-primas (3) MCTI (1) Meio Ambiente (276) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4100) Mercado de Combustíveis (66) Mercado Financeiro (11) Mercado florestal (72) Mercado Internacional (44) Metas (4) Micotoxinas (1) Milho (16) Minas Gerias (1) MMA (1) MME (44) Mudanças Climáticas (35) mudas (2) Mundo (139) Nações Unidas (4) Negócios (8) net-zero (33) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (98) Oleochemicals (10) Óleos (250) Óleos Essenciais (8) Óleos Vegetais (18) OMC (2) ONGs (1) ONU (15) Oportunidade (5) Oportunidades (7) other (1) Palm (1) Palma (28) palmeiras (3) Paris Agreement (93) Pecuária (88) Pegada de Carbono (102) Personal Care (3) Pesquisa (75) Pessoas (2) Petrobras (9) Petróleo (32) PIB (5) pirólise (3) Plano Safra (1) Plant Based (27) Política (81) Política Ambiental (2) políticas públicas (1) Preços (61) Preservação Ambiental (45) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (60) Produção vegetal (10) Produtividade (49) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) químicos verdes (1) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (45) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (24) regulamentação (2) Relatório (14) renewable energy (19) RenovaBio (71) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (14) Sabão (1) SAF (6) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (123) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (138) Segurança Energética (13) Selo Social (11) sementes (2) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (38) Sistemas Integrados (24) Sociobiodiersidade (5) Soil (9) Soja (74) Solos (50) Sustainability (58) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (624) Tecnologia (48) Tempo (1) Títulos verdes (2) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (257) World (5) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página